Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, outubro 31, 2008

Ao vencedor, os pepinos!

Por FRANCISCO SIDOU - Jornalista. (Texto Publicado no Blog do Espaço Aberto)

Parodiando o inefável Quincas Borba, do velho Machado de Assis, diria que o vencedor das eleições para prefeito de Belém vai ter que cultivar muitos pepinos em sua "horta" municipal. Vitória "adubada" por forte esquema montado por profissionais do ramo.
A cidade amarelou literalmente. Novos tempos em que os antes aguerridos militantes vermelhos foram substituídos por pacatos e humildes amarelinhos porta-bandeiras. Nos bastidores, fala-se em 200 milhões de motivos para uma fértil colheita de votos. Mas, o certo é que o "homem" está eleito para governar a cidade por mais um mandato de quatro anos.
Muitas foram as promessas de campanha, algumas mirabolantes, outras até exeqüíveis. O cidadão-eleitor-contribuinte, depois de votar, fica impotente para cobrar a realização das promessas de campanha. Deveria ser criado um Conselho Municipal da Cidadania, com a participação de belenenses de diferentes camadas sociais e profissionais, que mediante remuneração simbólica teriam a missão de assessorar o prefeito, com base nas prioridades da população, identificadas através de pesquisas de opinião, em cada bairro.
Alguém vai logo contestar: e os vereadores, para que servem ? Ora, caríssimos, em sua esmagadora maioria, eles "se servem", ao invés de servir à comunidade que os elegeu.
As carências da cidade são tantas que não podem esperar mais quatro anos. O prefeito reeleito tem a responsabilidade de não decepcionar a população que o elegeu. Dentre os males da cidade que requerem soluções urgentes e inadiáveis estão, por exemplo, a ampliação das unidades de saúde, o trânsito caótico/neurótico, a poluição visual e sonora (Belém é hoje a capital do barulho), o saneamento básico das baixadas, as calçadas irregulares, a solução do problema do lixo (que está contaminando os mananciais que abastecem a cidade), além dos ratos (roedores) que proliferam e se multiplicam não só nos bairros, mas também nas avenidas chiques. Belém tem hoje uma proporção alarmante de cinco ratos por habitante, um caso quase de calamidade pública.
A questão ainda mal resolvida dos ambulantes é mais um problema sério para Duciomar resolver. O transporte alternativo é outra "pedreira". A construção desordenada de novos prédios e torres de cimento, concreto, vidro e aço, que estão "matando" as pontes da cidade com a natureza exuberante que a rodeia, está a exigir providências do agente do Poder Público, que parece inerte diante da deterioração da qualidade de vida da população de Belém.
Vamos aguardar que o prefeito consiga afinal concluir suas famosas "obras estruturantes" (sic) nos quatro anos de novo mandato e que não fique apenas nas "obras monumentais", como o Portal da Amazônia e o "Pórtico de Belém". Afinal, a cidade vai sediar, em janeiro de 2009, um mega-evento como o Fórum Mundial, com a previsão de cerca de 200 mil visitantes, e "sonha" com a possibilidade de ser uma das sedes da Copa do Mundo de 2014.
Todos torcemos por isso. Mas não basta só torcer. É hora de esquecer as diferenças, pessoais ou partidárias, e começar a agir. A "neutralidade majestática" da governadora, no pleito, pode agora se transformar em parceria com o prefeito, pois sim? O importante, para o senhor Duciomar, é nunca esquecer que ele foi eleito pelo povo para administrar a cidade, não para ser "administrado" pelos interesses, por maiores que sejam, dos empreiteiros das torres ou dos donos de ônibus, pois não ?