Pesquisar por palavra-chave

sábado, abril 18, 2009

As Falas do Carpinteiro de Poesia

O paradoxo do poema (Para Luana)

O paradoxo do poema é que ele existe para ser sentido sem que ele próprio tenha sentido O paradoxo do poema é que ele nos desnuda enquanto nos reveste das vestes das quais nos despimos  O paradoxo do poema é que ele nos ensurdece ao mesmo tempo em que os seus gritos nos silenciam O paradoxo do poema é que ele nos revela ao mesmo tempo em que nos cega O paradoxo do poema é que ele desvela mistérios O paradoxo do poema é que ele nos contagia mas também nos entristece O paradoxo do poema é que ele nos empobrece e ao mesmo tempo nos fortalece O paradoxo do poema é que ele tanto nos condena quanto nos torna mais nobres O paradoxo do poema é que ele frustra e fascina, ilude e desperta, cura e fere O paradoxo do poema é que ele assassina e liberta O paradoxo do poema é que ele é tempestade e calmaria O paradoxo do poema é que ele é pedra e pó, fogo e água, terra e ar O paradoxo do poema é que passa sem sair do lugar O paradoxo do poema é que ele está em todos os lugares sem nunca ter estado lá O paradoxo do poema é que ele é pássaro mesmo sem saber voar O paradoxo do poema é que ele se faz de vida e morte O paradoxo do poema é que se faz do desejo de amar mesmo quando ele quer odiar O paradoxo do poema é que ele se faz de dia e de noite O paradoxo do poema é que ele é feito de palavras ao mesmo tempo em que ele se escreve além de palavras O paradoxo do poema é que ele não precisa nem de poeta e nem de poesia O paradoxo do poema é que ele não sendo sempre o é

© Carpinteiro de Poesia