Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, junho 04, 2010

As novas tecnologias e a internet - Parte I


Não é estranho aos jornalistas, intelectuais, políticos e autoridades públicas o quanto a comunicação é hoje um instrumento mais democrático com o advento da internet. Não é novidade também que estamos diante de uma mudança de paradigmas no jornalismo mais pelos instrumentos disponíveis do que pelo interesse/capacitação dos profissionais da área.
Assim como não é como descobrir a pólvora dizer que as mídias sociais hoje são o que o rádio foi para a comunicação quando só havia o impresso para divulgar notícias e abastecer de conteúdo a sociedade até o século XX, no começo do uso das ondas eletromagnéticas para a difusão de idéias, palavras, sons e imagens possíveis após o advento tecnológico da TV.
Não é de hoje que os satélites transmitem em tempo real um evento esportivo de qualquer parte do mundo para as regiões mais longínquas, isso já se fazia desde a guerra-fria. A novidade agora é que o índio no Alto do Rio Xingú já consegue acessar a internet (via ondas eletromagnéticas) e transmite - se for o caso – uma opinião, revelar um ato criminoso, um desastre ecológico ou um evento de sua tribo. Isso podemos dizer que é novo: A inserção sócio-virtual de milhares de pessoas através da comunicação bilateral.
Aqui nasce mais um termo entre tantos cunhados nos ambientes cibernéticos e não vem à toa, nasce da observação científica do impacto que o uso das novas tecnologias tem sobre a mudança de comportamento da sociedade e da participação e acesso dos indivíduos em produzir conhecimento, transmitir conteúdos e orientar os rumos da vida política e social de milhares de pessoas mundo à fora.
Pode-se dizer que qualquer pessoa pode agregar em um único aparelho celular, tecnologias como recepção de TV Digital, máquina fotográfica e filmadora, GPS, conexão 3G (internet), Bluetooth e infravermelho. Até bem pouco tempo atrás isso era ficção e cada um deste itens só era acessível às altas classes sociais, quando a tinham.
Micro-cameras usadas para filmagens clandestinas de negociações fraudulentas promoveram  a prisão por 2 meses do governador do Distrito Federal no Brasil. James Bond poderia até achar que isso é coisa de um dos seus filmes mas aconteceu e cada vez mais se populariza a produção de vídeos feitos por câmeras em posse de pessoas comuns, fora dos estúdios da grande mídia, mas que acabam se configurando como instrumentos de uma era que ainda não acabou de iniciar..
Prova inconteste são os vídeos de anônimos postados no youtube e acessados centenas de milhares de pessoas ao redor do mundo, causando uma exibição exorbitante ou mensagens do twitter que são replicadas inúmeras vezes.
Continuarei outro dia esta conversa e sua relação com as eleições deste ano, os efeitos positivos do Navega Pará e os blogs das escolas do Pará.
Quer iniciar no mundo das mídias sociais com Blog ou twitter?
Decida-se, mas antes leia aqui.