Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, junho 04, 2010

A verdadeira notícia da Mulher

Numa simples pesquisa de Internet, pude constatar que ainda vigora a percepção machista na imprensa brasileira. Pelo menos dez veículos publicaram reportagens pretensamente eleitorais em que a questão central ficava por conta do corte de cabelo, maquiagem, figurino ou mesmo postura corporal em entrevistas e eventos oficiais da pré-candidata Dilma Rousseff.

Tal comportamento com políticas mulheres não é novidade. A ex-prefeita Marta Suplicy também sofreu com esse mesmo machismo eleitoral da imprensa em 2004 e 2008. Seguidamente, os repórteres perguntavam por que ela estava com cabelos desarrumados ou o porquê de estar usando certas roupas, sapatos, maquiagens.

Nesta pré-campanha, isso já começou a acontecer com relação a Dilma. Nos jornais, a maquiadora que a acompanhou na viagem a Nova York, o novo corte de cabelo, o cabeleireiro Celso Kamura e a suposta preferência de Lula por Dilma usar terninho consumiram várias páginas dos veículos impressos. O cúmulo se deu em uma revista que chegou ao ponto de fazer uma “bonequinha” de Dillma para que o leitor escolhesse o “modelito” mais adequado.

Ocorre assunto não ganha o mesmo destaque quando se trata de candidatos homens. Incrível, mas alguém já ouviu, leu ou assistiu alguma reportagem a respeito do corte dos ternos do pré-candidato tucano José Serra? No fundo, isso acontece porque persiste no imaginário o estereótipo de que é assunto de mulher ou, o que é pior, prevalece o preconceito inverso, de que a política não é o espaço da mulher por definição.

Infelizmente, a realidade política feminina do Brasil ainda é essa. Do total de parlamentares da Câmara Federal, por exemplo, apenas 9% são mulheres. No Senado, essa porcentagem chega a pouco mais de 12% do total. Lamentável também pensar que não chega a 10% o total de prefeitas no Brasil, e que há hoje somente três mulheres num total de 27 governadores —Ana Julia (PT-PA), Roseana Sarney (PMDB-MA) e Yeda Crusius (PSDB-RS). Se considerarmos Wilma de Faria (PSB-RN), que renunciou para concorrer ao Senado, chegamos a apenas quatro governadoras em 2010.

As mulheres, hoje, já conquistaram espaços que eram considerados apenas masculinos, entretanto, os salários, por exemplo, são 70% do valor pago aos homens, ou seja, a mulher ganha 30% a menos que o homem e exercendo o mesmo trabalho. Vale lembrar que o PT foi o primeiro partido a eleger uma mulher prefeita de capital, com Maria Luiza Fontenelle, em Fortaleza, em 1984.

Mas, afinal, por que a mídia não se preocupa em noticiar o plano de governo da pré-candidata Dilma? É mais importante noticiar o que uma candidata fará para resolver problemas crônicos, envolvendo os direitos das mulheres como a violência doméstica, ou o fato de estar vestida com saia verde ou calça vermelha?

Além do afastamento imposto às mulheres no debate sobre os rumos do país, nas eleições, sempre ficam em segundo plano as questões específicas voltadas às políticas públicas às mulheres. É preciso saber o que os pré-candidatos defendem. Por exemplo, o que será feito do programa Bolsa Família, que tem hoje como maioria de beneficiados justamente as mulheres chefes de família, permitindo ampliar a renda familiar e melhorar a educação dos filhos.

Em entrevistas recentes, Dilma já afirmou que irá construir 6.000 creches —1.500 por ano— em todas as grandes regiões e cidades médias brasileiras. Tal iniciativa integra o conjunto de ações do PAC 2 (segunda etapa do Programa de Aceleração do Crescimento).

Definitivamente, esse é um tema desta campanha, que contará ainda com Marina Silva (PV) na disputa. A presença de Marina e de Dilma é reflexo de que o país está maduro para ter uma mulher ocupando a Presidência da República. O presidente Lula já afirmou que o Brasil derrotará o machismo quando eleger uma mulher presidenta. Pela primeira, temos essa oportunidade histórica.

José Dirceu, 64, é advogado e ex-ministro da Casa Civil