Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, setembro 06, 2010

Porque a Dolly não saiu candidata?

http://www.blogsdoalem.com.br/dolly/ SÓ NÃO QUERO QUE ME RIDICULARIZEM

Estava aqui ruminando umas ideias e cheguei à conclusão de que encerrei minha carreira muito cedo. Eu poderia ter me candidatado a deputada no Brasil. Percebi isso vendo o horário eleitoral gratuito. Em apenas 15 minutos, desfilaram na minha frente nada menos que Tiririca, Maguila, Ronaldo Esper, Kiko e Leandro do KLB, Frank Aguiar, Marcelinho Carioca, Agnaldo Timóteo, Mulher Pêra e o Quercia, o mais estranho de todos.

Apesar de aparentarem ser bastante diferentes entre si, essas candidaturas têm muito em comum. Me acompanhe. Estão baseadas na notoriedade obtida fora ou longe da política. Se sabem bizarras. Não apresentam plataforma alguma. As carreiras desses candidatos, em suas atividades de origem, já deram o que tinham de dar, com exceção do KLB, que nunca teve o que dar. Não demonstram nenhuma vinculação ideológica com o partido que os acolheu. E quando fazem promessas, essas são completamente genéricas. Ou seja, todos parecem ter sido clonados a partir da mesma célula de um mamífero adulto: o Homo absentis vergonhes.

Então, clone por clone, as pessoas poderiam votar na Dolly. Eu pelo menos sou o clone original. Minha candidatura teria muitos pontos fortes. Eu nem precisaria recorrer a apelos do tipo ”estive todo o tempo com o Lula” nem que “vou melhorar o que ele fez”. Minha plataforma seria clara e objetiva: apoio aos grileiros. O que o Brasil precisa é de mais terra para pastagens. Se eleita, eu dispensaria o auxílio moradia, desde que me liberassem, de terça a quinta, o canteiro do Congresso. Junto ao grande eleitorado evangélico, eu poderia me apresentar como um cordeiro que tem em Deus o seu pastor.

E o aspecto importante a destacar é que, como fui clonada a partir de células mamárias, minha aptidão fisiológica para o cargo já estaria geneticamente assegurada.

Que fique claro que não sou contra toda candidatura. Acho, por exemplo, a candidatura do marido da Mara uma maravilha. Esse é o preço da democracia, todos têm o direito de querer representar os seus próprios interesses ou de suas famílias. Só penso que, observando a natureza dos atuais candidatos, deveríamos estender esse direito aos animais invertebrados também. O regime democrático ainda é a melhor maneira de contemplar os ideais de liberdade e igualdade. Dou minha blusa de lã para quem encontrar uma alternativa melhor.