Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, março 15, 2011

A truculência e as desculpas



Sérgio Duboc Moreira, atual superintendente do DETRAN, pediu desculpas ao ex-deputado Federal Paulo Rocha (PT) pela truculência com que este foi tratado por agentes de trânsito, na noite do dia 15 de Janeiro, quando voltava para casa.

O fato rendeu a seguinte postagem no blog da jornalista Rita Soares:

Cinco carros da Rotam, mais de uma dezena de policias e muito bate-boca foi o resultado de uma parada do deputado federal Paulo Rocha numa blitz, por volta de meia noite de ontem, na Municipalidade com a Doca.

Os policiais acusam o deputado de estar bêbado e de tê-los desacatado.
 
O deputado nega. Diz que foi houve excessos dos policiais que chegaram a dizer que ele não podia reclamar porque tinha perdido a eleição.

Paulo Rocha voltava para casa após jantar em homenagem ao ministro da Saúde, Alexandre Padilha, quando foi parado na blitz. Estava no banco de trás sem cinto. O policial pediu que ele aguardasse por um superior que avaliaria a situação, Rocha reclamou da demora e foi ameaçado de prisão. Começou a confusão que só terminou uma hora e meia depois. O deputado foi liberado com multa.

O pedido de desculpas se deu na manhã desta segunda-feira (15) dois meses portanto, depois do acontecimento, no Plenário da Assembléia Legislativa do Estado, em decorrência da continuidade do processo de arguições que a bancada petista na ALEPA exigiu junto ao Ministério Público para que os chefes de autarquias do governo estadual fossem sabatinados pelos deputados estaduais, como reza o Art. 135, Inciso XII, da Constituição Estadual que o governador Simão Jatene fingiu desconhecer no início deste mandato.

Quando indagado pelo Deputado Carlos Bordalo (PT) sobre a postura autoritária dos agentes, o superintendente do DETRAN atribuiu o fato, como um incidente grave e que reunirá todos os esforços para que isso não volte a acontecer com nenhum cidadão de bem e fez referencias positivas à atuação de Paulo Rocha, quem disse nutrir profundo respeito pela liderança que este exerce no cenário local e nacional.