Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, setembro 28, 2011

Uma migalha travestida de clássico

Opinião: uma migalha travestida de clássico (Foto: Mário Quadros)
Assédio dos paraenses impressionou os jogadores da Seleção (Foto: Mário Quadros)



A euforia está em cada canto da cidade. Trânsito caótico, torcedores acampados na frente do hotel e 25 mil pessoas para acompanhar um simples treinamento. Tudo isso compõe, à primeira vista, o cenário desta passagem da seleção brasileira por Belém. E o jogo de hoje, que deve lotar o Mangueirão, ainda é contra a Argentina. Um clássico. Difícil pensar em algum aspecto negativo? Nem um pouco.

Para começo de conversa, é preciso separar a torcida de verdade do histerismo das “fãs”. Essas só querem aproveitar o momento para ter, quem sabe, uns cinco minutinhos de fama nas câmeras de alguma rede de televisão. Patético. Torcedor de verdade quer saber do esquema tático do Mano Menezes, se o Neymar e o Ronaldinho Gaúcho vão arrebentar e coisas do tipo. E esse torcedor é consciente de que o jogo de hoje faz parte da série de “cala-bocas” que a CBF está dando às cidades excluídas da Copa do Mundo de 2014, que ainda pode render uma Copa América para Belém.

Nada mais natural, já que a bajulação em cima de Ricardo Teixeira atinge níveis extraordinários por essas bandas, tanto da Federação Paraense de Futebol (cujo presidente é constantemente chamado para integrar a delegação brasileira em torneios por aí), como também de Remo e Paysandu, que ignoram o fato de que o futebol do Norte é historicamente desprezado (e prejudicado) pela CBF, tendo a questão da Copa do Mundo como exemplo mais recente.

Tendo isso em mente, está liberado torcer, fazer festa, dar aquele show. Até porque é complicado ficar imune a um Brasil e Argentina, por mais que ele esteja impregnado de tons políticos. A paixão pelo futebol fala mais alto. E assim, vai ficar ainda mais evidente, quando a bola rolar, às 21h50, no Mangueirão, a bizarrice que foi deixar Belém de fora da Copa do Mundo, um torneio cada vez mais comercial do que esportivo.

E um último detalhe. Torcedor que é torcedor não é burro. Também cobra. Sabe que é a Argentina, mas é o time B dos hermanos. Se o Brasil jogar mal e perder, tome vaias, sem piedade. As garotinhas ainda estarão suspirando por Neymar, mas quem quer saber de futebol não vai se importar com um penteado bem (?) produzido...  

(Carlos Eduardo Vilaça/editor do caderno Bola)