Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, dezembro 16, 2011

Para Jatene, pelo visto, Ana Júlia e Paulo Rocha são como ectoplasmas

No ContraPontoMaraba

Quatro fotos e um fato inquietante; ou Ei, Ana Júlia! Jatene te mandou aos "gulags"? 



"A ex-governadora Ana Júlia Carepa reuniu na manhã desta quarta-feira com a Ministra do Planejamento, Miriam Belchior, o Governador Simão Jatene, o ex-deputado Paulo Rocha, a bancada paraense no Congresso Nacional e secretários de estado. Na pauta, a retomada do projeto de derrocagem dos pedrais do rio Tocantins dentro do PAC 2."


"O governador Simão Jatene cobrou do Ministério do Planejamento a conclusão das obras da Hidrovia Araguaia-Tocantins. Jatene reuniu nesta quinta-feira (15), em Brasília, com a ministra Miriam Belchior, num encontro que ele mesmo articulou e para o qual conseguiu garantir a participação de quase toda a bancada paraense na Câmara Federal, independente de siglas partidárias. Parlamentares de diversos partidos participaram do debate."

Ao fim da matéria está escrito:

"Da reunião no Ministério do Planejamento, em Brasília, participaram ainda os deputados federais paraenses Zenaldo Coutinho (PSDB), Josué Bengtson (PTB), Lira Maia (DEM), Miriquinho Batista (PT), Zé Geraldo (PT) e Beto Faro (PT)."

Para Jatene, pelo visto, Ana Júlia e Paulo Rocha são como ectoplasmas. A imprensa oficial os tornou invisíveis. Um feito e tanto!

Quando vejo este tipo de coisa só consigo associar esta prática aos constantes expurgos realizados por Stalin na extinta União Soviética. Uma das "vítimas" preferidas dos "retocadores" de imagens foi Leon Trotsky. Depois de cair em desgraça perante o Politiburo do PCUS, o velho Leon "sumiu" das fotos oficiais, como se vê no exemplo abaixo.

Esta prática de "escrever" a história de acordo com o governante de turno não é, por óbvio, atributo específico de Jatene, mas sempre que aparece merece de todos os democratas a mais vigorosa reprovação. É a expressão mais acabada da sub-política, feita de rancores e despeitos desnecessários. Lastimável que, ainda hoje, isso aconteça. Pergunto-me nessas horas: Onde estará a tal "união de todos"? Qual o nível de sinceridade nas palavras desses pregadores que falam de tantas "mãos" e "corações"?