Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, outubro 29, 2014

Colunista de Oliberal e o ódio nas redes sociais

Yáskara Cavalcante, colunista social de OLiberal, protagoniza ódio sem noção nas redes sociais.

Quem lembra do filme "300", dirigido por Zack Snyder e que imortalizou a Batalha de Termópilas, ambientalizado na Grécia - ano 480 AC - onde o rei Leônidas e seus 300 guerreiros de Esparta lutam bravamente contra o numeroso exército do rei Xerxes, estrelado pelo brasileiro Rodrigo Santoro?

No filme, cenas sangrentas e extremamente violentas das várias batalhas travadas entre gregos e persas durante as chamadas Guerras Médicas, onde o exército persa comandado pelo rei Xerxes usa monstros e criaturas grotescas contra o seu inimigo, afim de conquistar seu território.

É justamente essa "guerra" que temos presenciados nas redes sociais, desde o anúncio do resultado eleitoral que consagrou a reeleição da presidenta Dilma. Manifestações xenófobas, preconceituosas e discriminatórias que já eram destiladas nas redes sociais, intensificaram-se e tornaram-se polêmicas, onde pobres, nordestinos, gays e vários outros segmentos sociais foram acusados pela derrota de Aécio, o candidato oposicionista que reuniu a nata odiosa do Brasil, tal como Xerxes agrupou e preparou seu exército de monstros sedentos por sangue ao ataque desmensurado.



A demostração de até que ponto uma dessas criaturas pode chegar, foi registrada no blog do jornalista Hiroshi Bogéa que você pode ler abaixo, mas antes tirem as crianças da frente da tela do computador, tablet ou smartphone, pois as cenas e palavras que partiram de uma jornalista do grupo ORM - que controla rádios, jornais e a TV Liberal - empresa afiliada da rede Globo no Estado do Pará - são fortes.

Colunista social de Belém destila ódio contra pobres.



Ainda repercute nas redes sociais  post da colunista social do jornal O Liberal, Yáskara Cavalcante,  desejando aos  eleitores que reelegeram a presidente Dilma Rousseff (PT)  “tudo de ruim pra essa gente pobre e ignorante”.

Em outro parágrafo da nota, a “colunista”  se diz aliviada pelo fato “da minha filha mais velha estará deixando esse país de ratos e porcos em alguns meses”, e que a “mais nova vai em alguns anos”.

A moçoila-mãe deveria aproveitar  o embalo para ir juntas, se possível, carregando, também, a tiracolo, o cantor Lobão.

Esse tipo de “jornalista”, o Brasil abre mão, porque  só contribuiu com mazelas  ao atiçar  o fofoquismo das madames em  beira de piscinas.

Na eleição que reelegeu Dilma, houve violência para todos os gostos.

Os gays foram achincalhados porque… são gays.

Mulheres sofreram  violência porque… são mulheres.

Nordestinos  chamados de paraíbas quase como um elogio carinhoso, ou como símbolos de sinais preocupantes de perda de seiva de um partido.

Agora, a colunista de O Liberal escancarou o ódio aos pobres – porque a maioria do povo brasileiro reconduziu o PT para mais um mandato presidencial.

Se a direção do jornal O Liberal não compartilha   com esse tipo de intolerância e preconceito,  registrado no texto da moça nas redes sociais,  o demitiria na hora.

Um veículo de comunicação de massa não pode ter entre seus quadros a extensão do reacionarismo demonstrada por essa mulher.

Na tese da cordialidade do brasileiro (eternizada pelo historiador Sérgio Buarque de Hollanda nos anos 1930), seríamos o país da generosidade, da civilidade, da hospitalidade gratuita – a terra do coração. Negando a violência, a capacidade de manifestar nosso ódio, nosso racismo, nosso ressentimento social, agiríamos pelo coração, passionalmente. Inclusive quando odiamos.

Sérgio Buarque, lá de cima, deve estar bastante decepcionado com as mudanças ocorridas no país, nos últimos doze anos – depois que seguidos governos dos trabalhadores  tiraram cerca de 40 milhões de gente da miséria absoluta, formando nova Classe C.

Aqueles que continuam a ganhar muito – ou se exibem como assim o fossem, não sendo capaz – ao fundo – de honrar nem o aluguel do prédio onde moram –  não suportam ver tanta gente feliz, protegidos por governos populares.

Yáskara faz parte dessa elite desapontada com o riso largo no rosto da empregada doméstica, depois de ter conquistado  seus direitos trabalhistas, patrocinados pelo governo que ela tanto odeia.

O  desconforto é tanto, no lar desses almofadinhas de quinta categoria que eles nem mais conseguem ocultar passagens memoráveis do ódio, do preconceito e de seus  ressentimentos sociais.

Veja  prints das postagens de Yáskara Cavalcante, tanto no Facebook quanto no Instagram.





terça-feira, outubro 28, 2014

'Sem internet, Aécio teria vencido eleição', diz cientista político

Para Sérgio Amadeu, PSDB adota 'estratégia do cinismo'. Ele considera inaceitável que a bandeira de combate à corrupção seja conduzida por 'forças da corrupção'

Na Rede Brasil Atual.

Carro-chefe da editora Abril, a revista Veja lançada na última sexta-feira (24) divulgou como matéria de capa uma acusação de que a presidenta reeleita Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ambos do PT, tinham conhecimento de um esquema de corrupção na Petrobras. Sem apresentar qualquer prova, o conteúdo da reportagem era baseado em suposto depoimento do doleiro Alberto Youssef à Polícia Federal, que foi desmentido por seu advogado logo após a publicação.

Considerada a última “bala de prata” da oposição para tentar impedir uma nova vitória petista sobre os tucanos, a reportagem foi contestada duramente pela presidenta durante seu último programa eleitoral na TV na mesma sexta-feira. Ainda naquele dia, a Justiça considerou a publicidade da revista como “propaganda eleitoral” e também concedeu direito de resposta ao PT no site da revista.

Ainda assim, o estrago já estava feito. A campanha e simpatizantes do PSDB distribuíram panfletos com a capa impressa da revista da Abril em várias cidades do Brasil. Já na madrugada de sábado (25) para domingo (26), circulavam boatos de que Alberto Youssef havia sido envenenado, algo que teve de ser desmentido com rapidez pela Polícia Federal.

“Essa operação da Veja mostra que ela não é um órgão de comunicação, o que ela mostrou claramente é que ela é uma sala do comitê político do PSDB no Brasil. A revista operou de maneira a desinformar. Ela desinformou”, disse o sociólogo Sérgio Amadeu, doutor em Ciência Política pela USP. Comparando o caso à ação midiática que ajudou a decidir o pleito presidencial de 1989, com a eleição de Fernando Collor de Mello, Amadeu acredita que o plano da editora Abril só não se concretizou nas urnas pela existência da internet. “Existe hoje a internet, que não tinha naquela época. Então, se não houvesse a internet, certamente o candidato Aécio Neves tinha ganho a eleição.”

Para o cientista político, as redes sociais apontaram um acirramento muito grande e deixaram claro que “a linha política e o conteúdo discursivo das forças comandadas pelo PSDB” é baseada na “estratégia do cinismo”. Amadeu também defendeu uma reforma política para se alcançar uma legislação mais democrática dos meios de comunicação.

Qual foi a influência da capa da revista Veja às vésperas do segundo turno presidencial entre Dilma e Aécio?

A capa da Veja foi feita justamente para influenciar o resultado eleitoral. Ela normalmente está nas bancas no sábado, mas saiu na sexta-feira. E era uma capa para, inclusive, ser impressa, tanto é que a campanha do candidato Aécio Neves (PSDB) imprimiu essa capa justamente para manter aquele clima que eles criaram no Brasil de demonização do outro. O grupo Abril, em particular a revista Veja, já há muito tempo é organização que defende interesses econômicos a partir da gestão da política. Não há como dizer agora o quanto impactou, mas eles influíram claramente na votação de domingo, porque o Aécio conseguiu, a partir desse tipo de ação, crescer e encostar na candidata Dilma Rousseff no segundo turno das eleições.

Como o sr. avalia o papel da internet nessas eleições?

Uma coisa que chama atenção nesse processo é que essa operação já tinha sido feito nas eleições de 1989, com sucesso, mas não teve desta vez. E por quê? Porque desta vez – além das pessoas já conhecerem a manobra de grupos de comunicação misturadas à elite política econômica no caso da vitória do Collor – também existe hoje a internet, que não tinha naquela época. Então, se não houvesse a internet, certamente, o candidato Aécio Neves tinha ganho a eleição, porque era o candidato preferido pelos grupos econômicos, pelos banqueiros, pelo mercado de capitais. Inclusive oscilava a Bolsa e, se você for ver, é muito curioso, quando as pesquisas davam a Dilma crescendo, a Bolsa caía, o que mostra o humor desses especuladores financeiros. A internet foi decisiva para a garantia de um debate que não existiria se fossem apenas os meios de comunicação de massa atuando nessas eleições. Isso é bastante nítido no processo eleitoral que ocorreu em 2014.

E as redes sociais?

As redes sociais, em particular, tiveram um papel grande e mostraram, na verdade, um acirramento muito grande. Deixou claro, e é importante que tudo fica registrado, qual é a linha política e o conteúdo discursivo das forças comandadas pelo PSDB, que é baseada em preconceito, em mentira e numa estratégia que podemos chamar de “estratégia do cinismo”. Eles chegam a afirmar que nenhum corrupto ligado ao PSDB está preso ou foi julgado por incompetência do PT, o que é uma coisa completamente cínica. Esse tipo de ação, as pessoas não têm clareza de como vão lidar com isso. Agora, minha opinião é bastante clara: é preciso mostrar concretamente o que é o PSDB do ponto de vista da corrupção. É inaceitável que a bandeira da corrupção seja tomada por forças da corrupção. É inaceitável.

Não tenho nenhuma dúvida do aparelhamento que (governador de São Paulo) Geraldo Alckmin faz na Sabesp. Isso ficou nítido nas gravações mostrando que eles são capazes de ganhar a eleição, inclusive se for para deixar uma cidade em situação de calamidade. Nós temos que mostrar que eles são uma junção de descompromisso com a democracia, de má gestão de recursos públicos e de corrupção em larga escala, como foi feito em São Paulo. Réus confessos entregaram as provas e o Ministério Público não faz nada. Então, temos que ir para cima disso.

Temos que ir para cima do crime eleitoral cometido pela revista Veja, temos que exigir o julgamento do mensalão mineiro antes que ele prescreva e temos que mostrar toda a ligação que o PSDB tem com crime, com práticas absurdas. Não podemos aceitar. E não vai ser falando “pessoal, o clima de ódio é ruim”. Não. O clima de ódio só vai ser reduzido com argumentos verdadeiros e racionais. Não é pedindo paz e amor, não, mas colocando claramente para as pessoas, insistentemente, as falácias do discurso que eles reproduzem para o Brasil. A gente tem que ser muito claro com isso, porque disso depende a democracia, né?

O sr. acredita que o novo governo possa mudar artigos que dizem respeito à comunicação?

Eu acho que um dos principais pontos da reforma política para o Brasil é a reforma da comunicação. Essa operação da Veja mostra que ela não é um órgão de comunicação, o que ela mostrou claramente é que é uma sala do comitê político do PSDB no Brasil. A revista operou de maneira a desinformar. Ela desinformou. Ela já havia feito isso se ligando a um criminoso chamado Carlos Cachoeira e não aconteceu nada. O cara continua lá na sucursal de Brasília, não foi preso, não foi condenado. Nós precisamos mexer nessas estruturas de concentração econômica de poder, fazer uma reforma da comunicação, uma lei de meios, como a da Argentina. E nós precisamos também de uma reforma política que retire o poder do capital, que retire o financiamento privado de campanha, mas que permita também à gente avançar em questões cruciais da sociedade brasileira. Com uma Constituinte que não possa ser com estes deputados, que tenha que ser exclusiva. O deputado que quiser fazer essa Constituinte só poderá se candidatar para isso, para discutir as ideias e o futuro do país, e não para vir com esquemas que a gente sabe que eles articulam, de grandes corporações, de forças que bancam campanhas milionárias. Precisamos de uma reforma política com uma Constituinte exclusiva e, nesse contexto, uma reforma das comunicações.

Por que os partidos têm tido certa dificuldade em atingir os jovens na internet?

A internet não é contraposta aos partidos, mas é que a velocidade das comunicações e as relações intensas que existem na internet geram muitas dificuldades para os partidos, principalmente para legendas partidárias que são estruturas mais orgânicas. Por exemplo, o PSDB adotou e atuou como estratégia na internet, e não é de agora, de desconstruir seus opositores, no caso o governo federal e o PT.

E os tucanos fazem isso destilando preconceitos e coisas absurdas. Se for ver o que dizem dos nordestinos, dos gays e das opções políticas das pessoas, beira ao fascismo. Agora temos que ver o que os partidos que são propostas democráticas e de esquerda podem refazer utilizando a internet, mas é muito difícil fazer política só pelas estruturas partidárias. Hoje, está muito claro que não é só o partido o elemento que faz política. Há outras formas de se fazer política, inclusive com conexões, grupos e coletivos de ativistas na internet. 

Dia Internacional da Animação 2014





Dia Internacional da Animação promove exibições de curtas em 240 cidades do País

Nesta terça-feira, (28), é celebrado o Dia Internacional da Animação e 240 cidades brasileiras terão exibições gratuitas de curtas-metragens de desenho animado nacionais e internacionais. Além do Brasil, as exibições também ocorrem em outros 30 países e fazem referência à primeira projeção pública mundial de imagens animadas, realizada em 28 de outubro de 1892, pelo artista Émile Reynaud, na França.

segunda-feira, outubro 27, 2014

Pausa



O blog As Falas da Pólis fará uma pausa nesta segunda-feira, mas volta terça com força total, fazendo uma análise ácida, contundente e sem dó e nem piedade sobre as eleições de 2014.

Doa a quem doer.

sexta-feira, outubro 24, 2014

Dilma e os imprescindíveis



Como cidadão, esperei por anos uma reação da presidenta Dilma à altura dos ataques que ela, Lula e o PT sofrem diuturnamente e agora aguardo além do processo judicial prometido por nossa presidenta, que em seu futuro governo, possa escolher melhor o Ministro das Comunicações e coloque na pauta a Regulação da Mídia no Brasil, a exemplo dos demais países democráticos e desenvolvidos, acabando com os oligopólios e a falta de democracia nos meios de comunicação.

Como comunicador popular e ativista digital, lutarei para que o futuro governo, seja voltado ao fortalecimento dos meios de comunicação populares e alternativos, tais como as rádios comunitárias, blogs e todos os demais comunicadores que resistem contra os impérios midiáticos e que dedicam suas vidas para se contrapor às mentiras e manipulações da velha imprensa brasileira.

Como petista, aviso que intensificarei minhas críticas aos que assumem funções de dirigentes partidários e sindicais e pouco ou nada fazem para equipar e preparar o partido para o enfrentamento na área da comunicação, fazendo com que passemos por momentos difíceis e temerosos, pelo simples fato de não termos feito o necessário para desfazer as mentiras e combatê-las com informações, que muitas vezes são negligenciadas por quem tem a obrigação de fazer, não faz e não deixa ser feito.

Por fim, desejo que este último programa de Dilma desperte a cidadania, a indignação e principalmente a responsabilidade de cada brasileira e brasileiro, neste momento em que temos dois projetos em disputa em nosso país e apenas um poderá ser eleito.

Como disse Bertold Brecht: 

"Há homens que lutam um dia e são bons, há outros que lutam um ano e são melhores, há os que lutam muitos anos e são muito bons. Mas há os que lutam toda a vida e estes são imprescindíveis"

Golpe da Veja. Processo e fim de anúncio!


A “Veja” está desesperada com a queda nas intenções de voto do cambaleante tucano, confirmada nesta quinta-feira (23) pelas pesquisas do Datafolha e Ibope. 


Em sua página no Facebook, a revista Veja já anuncia a sua “bomba” para a véspera da eleição presidencial. A capa é das mais tenebrosas: “Eles sabiam de tudo”. No fundo escuro, as fotos sombrias de Dilma e Lula. Na chamada de capa, o “vazamento ilegal” do depoimento à Polícia Federal do doleiro Alberto Youssef, um bandido notório brindado com uma “delação premiada e premeditada”. Ele teria denunciado que a presidenta e o ex-presidente conheciam o esquema de desvio de dinheiro da Petrobras. A “reporcagem”, que ainda não foi disponibilizada no site da revista, é a última cartada da mafiosa famiglia Civita para tentar dar sobrevida à cambaleante candidatura do tucano Aécio Neves.

Vale lembrar que Figueiredo Basto, advogado do doleiro suspeito de realizar estes vazamentos criminosos, é muito ligado ao governador tucano Beto Richa. Em meados de outubro, o senador Roberto Requião (PMDB) revelou no seu Twitter: “O advogado do Alberto Youssef, nessa cruzada contra o PT, é Antonio Augusto Lopes Figueiredo Basto. Ele foi membro do conselho da Sanepar”. O site da Companhia de Saneamento do Paraná (Sanepar) informa que ele foi conselheiro administrativo da empresa estatal até 28 de abril passado. Ele foi indicado para o cargo por Beto Richa e é tido como um homem da total confiança do governador tucano. Neste sentido, a “bomba” da revista Veja é mais uma armação descarada.

Em 13 de outubro, o ministro Admar Gonzaga, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), acatou pedido da coligação da presidente Dilma Rousseff (PT) e concedeu liminar pela suspensão de uma inserção na rádio da “Veja”. Ele entendeu que a revista, a pretexto de veicular publicidade comercial, burlou a legislação eleitoral ao fazer propaganda ilegal de Aécio Neves (PSDB). “O ministro considerou que houve divulgação de conteúdo próprio do debate eleitoral, porém veiculado na programação normal do rádio na forma de publicidade comercial, em desacordo com a regra contida no artigo 44 da lei 9.504/97, que veda a veiculação de propaganda paga”, descreveu o jornal Valor.

Esta decisão do TSE, porém, parece que não intimidou os capangas da famiglia Civita. A “Veja” está desesperada com a queda nas intenções de voto do cambaleante tucano, confirmada nesta quinta-feira (23) pelas pesquisas do Datafolha e Ibope. Já era previsível que tentasse uma última cartada ainda mais suja – mesmo correndo o risco de nova condenação. Diante destas e de várias outras atitudes ilegais e criminosas, o governo e o PT não podem vacilar. A revista deve ser processada, exigindo-se a imediata resposta da Justiça Eleitoral e, inclusive, a retirada de circulação deste panfleto tucano.

Este novo golpe também deveria fazer com que o governo repensasse sua política de publicidade. Não tem cabimento bancar anúncios milionários numa publicação asquerosa e irresponsável, que atenta semanalmente contra a democracia e o livre voto dos brasileiros. Não dá mais para alimentar cobras! Chega!

quinta-feira, outubro 23, 2014

Lorena canta: Agora é Aécio



Quem disse que as crianças de hoje já não entendem de política e não sabem o que é melhor ou pior pro Brasil?

No vídeo feito de forma espontânea por Lorena Brandão, podemos ver claramente que a sociedade da informação está cada dia mais poderosa, diante do avanço das novas tecnologias.

A polêmica intervenção do TSE na eleição

A nova postura do TSE abriu uma polêmica sobre os limites de interferência do tribunal na campanha e das propagandas.

Rigor contra ataques rachou a corte, contrariou o MP e gera dúvidas sobre censura. Papel do presidente Dias Toffoli chama atenção.

Por André Barrocal, na Carta Capital.

Encarregado de fiscalizar a eleição, o Tribunal Superior Eleitoral estará de plantão no sábado 25, véspera do pleito presidencial, para receber queixas dos comitês de Dilma Rousseff (PT) e Aécio Neves (PSDB) contra o adversário. Se PT e PSDB se excederem, o TSE dará direito de resposta ao concorrente quando a propaganda eleitoral já estará proibida. O expediente extra foi aprovado nesta terça-feira 21. A norma resulta de um julgamento polêmico, que rachou a corte, despertou dúvidas sobre seu presidente, Dias Toffoli, contrariou o Ministério Público e levantou suspeitas de censura eleitoral.

O controverso julgamento aconteceu na quinta-feira 16. O TSE decidia sobre um pedido tucano para tirar do ar uma propaganda petista que acusava Aécio de repetir a ditadura e censurar a imprensa de Minas quando governador (2003-2010). A denúncia contra ele tinha sido feita por Eneida da Costa, apresentada pelo PT como ex-presidente do sindicato mineiro dos jornalistas.

O relator do caso, ministro Admar Gonzaga, era contra o pedido. O depoimento de Eneida, disse, “desperta dúvida razoável”, e Aécio dispunha de tempo de propaganda para se defender, algo que não foi feito pelos advogados tucanos na ação. O ministro contou ter recebido em seu gabinete relatos de episódios concretos de possível censura, como a demissão do jornalista Jorge Kajuru da Band mineira em 2004.

“O horário destinado à propaganda eleitoral revela-se como ambiente propício para a divulgação de críticas e manifestações de ordem política”, afirmou Gonzaga. “Sendo assim, entendo que não é papel da Justiça intrometer-se no debate de ideias e contestações, a ponto de colocar-se em substituição aos protagonistas do certame.”

Presidente do julgamento e do TSE, Toffoli não gostou do voto do relator. Mostrou-se incomodado com os ataques feitos na propaganda eleitoral, que pare ele deveria ser só “propositiva”. Sem que houvesse tal previsão no julgamento, passou a palavra à defesa do PSDB. “É impossível provar que [Aécio] não perseguia jornalistas. É prova negativa”, disse o advogado Marcelo Ribeiro, a apelar por uma “intervenção” do tribunal contra o comercial do PT.

Também fora do script, o advogado petista Gustavo Severo teve chance de argumentar perante o TSE contra a representação do PSDB. Segundo ele, a oposição não negava a acusação, como o relator já havia destacado em seu voto. “O Aécio pode muito bem se defender em sua propaganda.”

Posição parecida foi defendida pelo representante do Ministério Público Eleitoral no julgamento, Humberto Jacques de Medeiros. Segundo ele, “há paridade de acesso aos meios de comunicação” entre Dilma e Aécio neste segundo turno. “Ao ver do MP, a coisa mais prudente e mais cautelosa é o tribunal não conceder a este momento nenhuma medida, confiando na civilidade dos candidatos e não interferindo este tribunal no nível do debate.”

A argumentação do MP não convenceu Toffoli. Segundo ele, se o TSE não impusesse limites aos candidatos, “vamos assistir ao baile do risca faca, não uma campanha presidencial”. O ministro liderou então a derrubada do relatório de Admar Gonzaga. E venceu, em uma apertada votação por quatro a três. Junto com Toffoli, votaram os ministros Gilmar Mendes, Luiz Fux e João Otávio de Noronha. Com o relator, ficaram as ministras Luciana Lossio e Maria Thereza de Moura.

O julgamento atendeu não só o pedido tucano de retirada do ar da propaganda petista sobre censura à imprensa mineira, como levou o TSE a assumir uma nova postura na reta final da campanha. Dali em diante, disse Toffoli, a corte estava estabelecendo outra jurisprudência, mais rigorosa. A publicidade na TV e no rádio não poderia mais ser usada para atacar o rival, só para divulgar propostas. A troca de chumbo ficaria restrita a entrevistas e discursos.

Esta nova atitude foi regulamentada nesta terça-feira 21, em sessão que aprovou o plantão do TSE na véspera da eleição, bem como o direito de resposta nos dias 23 e 24. O Ministério Público fez um último esforço contra a norma, escrita pelo gabinete de Toffoli. O procurador-geral Eleitoral, Rodrigo Janot, foi pessoalmente à corte tentar impedir a aprovação da norma, em vão. “A mudança, na visão do Ministério Público Eleitoral, causa surpresa aos candidatos a poucos dias da disputa, não observa a jurisprudência reiterada, desatende o princípio esculpido na carta constitucional e gera insegurança jurídica, necessária ao Estado de direito e à regularidade do pleito.”

Desde sua decisão do dia 16, o TSE suspendeu sete propagandas de Aécio e quatro de Dilma. Pelo lado tucano, foram vetados, por exemplo, comerciais a dizer que o PT faz “a campanha mais baixa, agressiva e mentirosa” e outro a reproduzir uma entrevista antiga de Dilma na qual ela elogiava o então governador de Minas Aécio Neves. Pelo lado petista, foram sacrificadas propagandas em que o ex-presidente Lula chamava o tucano de “candidato dos banqueiros” e outra com uma música sobre Aécio não ser votado por quem o conhecia.

A nova postura do TSE abriu uma polêmica sobre os limites de interferência do tribunal na campanha e das propagandas dos candidatos. No domingo 19, em sua coluna no jornal Folha de S. Paulo, o jornalista Jânio de Freitas escreveu que “o Tribunal Superior Eleitoral tomou duas decisões que caracterizam censura à liberdade de informação jornalística e à liberdade pessoal de expressão”.

Em uma eleição acirrada como a deste ano, a discussão sobre os limites da campanha vem desde o primeiro turno, quando Marina Silva ainda estava na disputa, e o comitê de Dilma resolvera fazer o confronto aberto com ela. Na época, o cientista político Wanderley Guilherme dos Santos disse a CartaCapital que o País não estava acostumado com eleições politizadas e que se devia lamentar que outras disputas não tivessem sido assim. O conflito aberto de interesses, dizia, é próprio da democracia.

Mesmo tendo sido menos afetado até agora do que a campanha de Aécio pelas proibições do TSE, o comitê de Dilma reclama nos bastidores de que a decisão do tribunal atinge sobretudo o PT.

De acordo om um dos chefes do comitê, a campanha dilmista precisava tornar públicos certos fatos negativos para Aécio pois, de outro modo, eles não ganhariam notoriedade. O motivo seria o desinteresse dos órgãos de comunicação. Era o caso das nomeações de familiares de Aécio para cargos na gestão do tucano em Minas. E de nomeações de Aécio pelo pai e pelo tio no início da carreira do presidenciável. Na visão dos estrategistas de Dilma, era necessário aumentar a rejeição a Aécio, graças aos altos índices da presidenta. “A Marina e o Aécio foram desconstruídos por si mesmos, não por nós”, disse o dirigente.

A poucos dias da eleição, a rejeição de Aécio já supera à de Dilma, e pesquisas recentes mostram-no mais identificado com a autoria das ofensas do que sua adversária. Mesmo assim, o comitê dilmista preocupa-se com a nova norma do TSE. Sente-se exposto a um eventual noticiário negativo sem ter meios para se defender. A resolução aprovada pelo tribunal nesta terça-feira 21 garante direito de resposta apenas para o candidato que for acusado pela propaganda adversária. Não vale para notícias de jornais, revistas ou TVs.

Em Brasília, há quem veja com estranhamento a postura do presidente do TSE, responsável pela reviravolta na postura do tribunal. Advogado do PT no passado, indicado pelo ex-presidente Lula para o Supremo Tribunal Federal, Toffoli estaria descontente com Dilma. Em janeiro, a revista Veja publicou uma nota intitulada “De aliado a adversário”, na qual dizia que o ministro “sente-se desprestigiado por Dilma, que jamais o recebeu nem atendeu a seus telefonemas”. Não há registro de que Toffoli tenha feito reparo público à nota.

Em meados de setembro, com a campanha a pleno vapor, Toffoli já tinha se colocado no caminho da presidenta. Em entrevista à revista Época, criticara Dilma por conceder entrevistas no Palácio da Alvorada na condição de candidata e por utilizar o local como cenário de sua propaganda eleitoral televisiva. Para ele, “usar símbolos de poder num ato de campanha é algo que a legislação não permite” e uma “vantagem indevida”.

segunda-feira, outubro 20, 2014

Incontinência emocional, a nova doença social



Além da necessidade patológica de compartilhar absolutamente tudo, perdemos a capacidade de retenção de qualquer fato, informação, pensamento ou emoção.

Incontinência é uma palavra engraçada. Lembra a continência dos militares, só que ao contrário. Mas é fácil olhar para a palavra e ver que continência está ligada diretamente ao verbo conter. Conter-se todo mundo sabe bem o que é, é a capacidade de optar por reter ou liberar alguma coisa, seja um pensamento, uma emoção, uma informação, comentário ou líquido fisiológico. Quando você não consegue reter sua própria urina você perde a continência, a capacidade de contenção, daí a expressão triste da ~incontinência urinária~, a perda involuntária do xixi.

Perder a capacidade de retenção das próprias coisas do corpo é triste. Se tem alguma coisa que a gente faz questão de ter é controle sobre o funcionamento da fisiologia. Ninguém gosta de usar fraldas, nem no começo nem no final da vida. E, no entanto, nossa sociedade em rede praticamente perdeu a capacidade de se conter, de reter qualquer coisa. Tudo precisa ser compartilhado. A fome, a unha encravada, o trânsito diário, a perda do chaveiro, you name it. Tudo. Como frequentadora do Twitter há vários anos tenho visto um pouco de tudo nesse sentido, sem contar os compartilhamentos incessantes de todos os detalhes via Facebook e, quando imagéticos, no Instagram.

Não há mal nenhum em explorar todas as ferramentas à exaustão. Publicar fotos dos pratos e lanches, quem nunca. Porém, com o uso constante, vamos perdendo a noção de limite, de barreira. Sim, porque o limite, seja do muro, da porta, da beira da piscina ou da borda da panela, é o que define o que está contido. A caneca que contém o café tem a louça como barreira que mantém o café, digamos, contido dentro. Se a louça se quebra, o café se espalha.

Nós, que um dia já fomos grãos inteiros, depois pó, depois fomos coados e viramos café, estamos agora vaporizados, em estado gasoso, totalmente incontidos. E, quando retidos, seja no congestionamento ou numa reunião, se houver o menor buraquinho de conexão, vazamos.

Se antes não podíamos escapar, como um gás do botijão, agora não conseguimos mais nos reter. Perdemos a opção, a disciplina de escolher entre segurar um segredo ou contá-lo. Contamos tudo. A coisa vai se degringolando de tal forma que há pessoas que compartilham chagas em imagens, esmolando atenção e solidariedade como mendigos da Idade Média expondo seus aleijões em troca de dinheiro. É pesado dizer isso, mas a metáfora é válida.

Essa incontinência social, a incapacidade de reter qualquer coisa que lhe venha ao corpo ou à mente, está se espalhando como uma epidemia. Já vi gente que, ao esgotar seu repertório de ideias, emoções e fatos diários, mas ainda com o afã de compartilhar qualquer coisa só para estar presente e se fazer visto, começa a contar pensamentos que a avó falecida tinha quando era jovem, sonho que o vizinho do tio de crisma contou que um dia teve quando era menino. Se isso ao menos descambasse para a criatividade ficcional, virando uma história, seria um sucesso. Mas não, é só produção de ruído para não ficar a sós consigo mesmo.

Para o incontinente social a pior coisa do mundo não é a solidão, mas a companhia de si mesmo. Como se ficar a sós com sua própria pessoa fosse uma condenação, algo horrível a ser evitado.

Essa incapacidade de reter fatos para análise, alimenta o impulso animal, aumenta a produção de coisas impensadas e, portanto, passíveis de grave arrependimento, fere os outros, contamina o meio ambiente e geral lixo infinito.

Não acho que tenha que haver uma regulamentação geral de nada na Internet, só de cada um mesmo. Cada pessoa poderia fazer aquelas coisas antigas como parar para pensar antes de falar e escrever, contar até dez para não explodir em ira, respirar fundo e questionar a si mesmo sobre a validade do que está publicando nas redes.

Porque do jeito que estamos indo, publicando insanamente cada detalhe visto, vivido, percebido ou relatado, como se não pudéssemos nos ausentar ou manter as coisas no âmbito do privado, ainda vai igualar a incontinência emocional à todas as outras e vamos todos nós, em qualquer idade, evacuar nossa vida privada na frente de todo mundo.

Por Rosana Hermann originalmente em http://migre.me/mndpS.

sexta-feira, outubro 17, 2014

Entidades pedem fim de concessão de meios de comunicação a políticos com mandato



Por Helena Martins - Repórter da Agência Brasil.

Hoje (17) é o Dia Internacional pela Democratização da Comunicação. Além de comemorar a data, entidades promovem, ao longo da semana, uma série de atividades com o objetivo de ampliar o debate e a coleta de assinaturas em apoio ao chamado Projeto de Lei da Mídia Democrática. O projeto propõe nova regulação do sistema de comunicação do país, a partir de medidas como o estímulo à concorrência e a proibição da outorga de concessões para políticos com mandato eletivo.

“Esta tem sido uma semana importante para o debate e a luta pela democratização em pauta mais uma vez”, avalia Rosane Bertotti, coordenadora do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC), que está à frente da organização das atividades da semana. Segundo o FNDC, ações como debates e atos públicos ocorrem em Alagoas, na Bahia, no Ceará, em Pernambuco, Sergipe, São Paulo, no Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Distrito Federal e Maranhão.

Também está sendo promovida a campanha "#Foracoronéisdamídia", que quer alertar sobre os impactos que a posse de concessões de meios de comunicação por políticos causam na democracia. A campanha é uma parceria entre Executiva Nacional de Estudantes de Comunicação (Enecos), o Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação (FNDC) e o Intervozes – Coletivo Brasil de Comunicação Social.

Os organizadores destacam que o Artigo 54 da Constituição Federal proíbe que deputados e senadores firmem “contrato com pessoa jurídica de direito público, autarquia, empresa pública, sociedade de economia mista ou empresa concessionária de serviço público, salvo quando o contrato obedecer a cláusulas uniformes”.

Além da regra constitucional, o Códio Brasileiro de Telecomunicações estabelece que “não poderá exercer a função de diretor ou gerente de concessionária, permissionária ou autorizada de serviço de radiodifusão quem esteja no gozo de imunidade parlamentar ou de foro especial”.

Como emissoras de rádio e televisão funcionam por meio de concessões públicas, as organizações que participam da campanha defendem que essa proibição deve ser respeitada.

Essa não é, contudo, a realidade vivenciada no país. Apesar das normas, o projeto Donos da Mídia mostra que, até 2009, 271 políticos eram sócios ou diretores de 324 veículos de comunicação no país. Até então, os casos eram comuns a praticamente todas as unidades da Federação, com destaque para Minas Gerais. Os políticos citados pelo estudo eram filiados a dez partidos.

Para enfrentar esse cenário, desde 2011 tramita na Justiça a Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 246. Elaborada pelo Intervozes, em parceria com o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL), a ADPF questiona a outorga e a renovação de concessões de radiodifusão a pessoas jurídicas que tenham políticos com mandato como sócios ou associados. Pede ainda a proibição da diplomação e a posse de políticos que sejam, direta ou indiretamente, sócios de pessoas jurídicas concessionárias de radiodifusão.

De acordo com a ADPF, é preciso que esse tipo de relação de propriedade seja declarada inconstitucional. Sobre a situação atual, o texto mostra que a falta de fiscalização das concessões, permissões e autorizações para que essa prática seja evitada configura omissão por parte do Poder Executivo, com consequências para a garantia do direito à informação e para a própria democracia brasileira.

No ano passado, o Ministério Público Federal se posicionou sobre o tema. Ele reconheceu a proibição constitucional, mas deu parecer negativo à ADPF, alegando falta de delimitação do objeto. A ação é relatada pelo ministro Gilmar Mendes e ainda não há previsão de quando será votada.

O uso das redes sociais na reta final da campanha eleitoral



Embora tarde, a conquista dos votos pelas redes sociais ainda é possível. Como dizem: a eleição só acaba quando termina. 

Com essa compreensão, a coordenação de campanha da coligação "Pra Mudar o Pará" convida todos os interessados a participarem da Oficina de Marketing Eleitoral nas Mídias Sociais. 

É neste sábado e as vagas são limitadíssimas!

Tá esperando o que pra mandar um zap?

quinta-feira, outubro 16, 2014

Lula critica Aécio, Jader chama Jatene de vagabundo e manda uma banana pros adversários


Antológico: Jader Barbalho dá uma banana pros seus adversários políticos e comerciais durante comício com Lula no Pará.
A imagem acima, por si só já é polêmica, mas as frases proferidas pelo seu orador é que impactaram todos os presentes no comício da coligação "Todos Pelo Pará", formada por 11 partidos, entre eles o PMDB com Helder Barbalho, candidato a governador e o PT, que teve Paulo Rocha eleito senador. 

O evento reuniu cerca de 30 mil pessoas na noite desta quarta-feira (15), em Ananindeua, segundo maior município do Pará, onde Lula não economizou críticas a Aécio Neves. O ex-presidente defendeu Dilma e destacou as contradições do tucano, citando a distância entre o que diz e o que pratica.

"Como é que alguém se recusa a fazer um simples teste do bafômetro pode dizer que vai governar este país com decência e competência? Palavras são muito fáceis de dizer", disparou Lula. 

O fato que Lula se refere, aconteceu em 2011, quando o atual candidato do PSDB à Presidência, Aécio Neves, se recusou a soprar o bafômetro numa blitz no Rio de Janeiro. Ele estava com a habilitação vencida e foi multado, mas não teve o carro recolhido. Na época, a assessoria do senador informou que ele voltava para casa com sua namorada e não sabia que sua carteira irregular.

Vagabundo

Antes de Lula, Jader Barbalho que é pai de Helder, não dispensou críticas aos seus adversários paraenses, tanto no ramo empresarial, quanto na política. O ponto alto de seu discurso foi quando disparou contra a família Maiorana, chamando-a entre outras coisas de contrabandista, respondendo ao ataque que sofre diariamente pelas páginas do Jornal O Liberal, de propriedade de seus concorrentes no ramo da comunicação local e a uma provocação feita desde o início da campanha de que ele, Jader, estaria sendo escondido por Helder em sua campanha.

"Disseram Helder, que você queria me esconder. Esconder de que porra? 

Quem é o político nesse Estado que tem o currículo que eu tenho? 

Quem é? 

Fui vereador, deputado estadual, deputado federal até hoje mais votado nesse Estado, quatro vezes. Senador da República duas vezes, governador do Estado, duas vezes(...) 

Eu pergunto pros funcionários públicos qual foi o melhor governador para os funcionários públicos desse Estado? 

Hoje é o dia do professor. Quem foi que deu o Estatuto do Magistério para os professores deste Estado? 

Fui eu! 

Quem criou o Regime Jurídico Único para os funcionários públicos? Fui eu! Quem deu mais títulos de títulos de terra pra gente na Reforma Urbana, mais de 50 mil famílias? 

Fui eu! 

Quem desapropriou terra para agricultor nesse Estado, também mais de 50 mil? 

Fui eu! 

Então compare! 

Este preguiçoso que taí, esse governador da preguiça, que aliais eu quero dizer, os primeiros cargos, os primeiros quatro, foram todos dados por mim, todos dados por mim. 

Era meu puxa-saco, puxa-saco vagabundo. Eu dei os primeiros quatros empregos, se não até hoje ele tava tocando violão. Era só o que ele sabia fazer.

Esconder o que? Esconder um sujeito como eu que na última eleição, presidente Lula, dizia que votar em mim não seria contado o meu voto. 

Olha só! Sabe quantos votos eu tive? 

Pessoa dizia que não contava. Um milhão e oitocentos mil votos e esse preguiçoso vagabundo, teve pra governador 700 mil. Eu tive mais do que o dobro dele. 

Agora presidente Lula, eu não faço jogo de pilantra, o que eles queriam, sabe o que era? A pilantragem? Que eu botasse a mão sobre o Helder e dissesse: O Helder é o meu candidato a governador. 

Mas eu não faço o jogo da burrice, eu não faço o jogo da pilantragem. O Helder não é o meu candidato a governador, o Helder é o candidato a governador do povo do Pará. Tá?

Eles pensavam é que o Jader barbalho tinha ficado bobo, oh, negativo! Disse pro Helder: Percorre o Estado, vá buscar o voto de quem decide que é o voto do povo do Pará e no domingo passado, o Helder deu a primeira lambada. 

Ficou por pouco e agora vamos dar uma segunda lambada nele, com o apoio do povo do Pará.

(...) E eu não queria era, Helder, que encerrasse essa campanha dizendo que tu tinha vergonha do teu pai, que tu tava escondendo teu pai. Tá aqui pra eles, (fazendo o gesto de uma banana) pra eles! Escondendo o Jader Barbalho. Eles vão ter que continuar me aguentando, me combatem anos e anos e eu até acho graça desse grupo liberal. Acho graça desses patifes, desses marginais, desses contrabandistas safados que aí estão!”, vociferou Jader barbalho encerrando seu discurso antológico, sob aplausos, gritos de elogios e com seu nome sendo ovacionado pelo público presente.

Sem dúvida, seu discurso entrou para a história da política brasileira.

Ex-assessor de Jader Barbalho, Simão Jatene tenta negar a influência daquele que o colocou e o empoderou na política.

"Muitos jovens de hoje não sabem, mas Jatene já foi um dos homens de confiança de Jader Barbalho – alguns diziam que era, na verdade, “o homem da mala” do Barbalhão.

Jatene foi secretário de Planejamento do primeiro Governo de Jader, entre 1983 e 1985.

Mais tarde, quando Jader foi ministro da Reforma Agrária e da Previdência Social, Jatene foi o secretário executivo dele, nesses dois ministérios.

Daí que se Jader cometeu ilegalidades nesses cargos, não há como Jatene dizer que ignorava o “bufunfão do malão". Trecho da postagem "Direto do Túnel do Tempo: O Criado e a Criatura" da jornalista e blogueira Ana Célia Pinheiro que recentemente publicou em seu blog, o esclarecedor "Entre o “Barbalhinho” e os “Barbalhões”.

Por causa da presença de Lula, vários veículos de imprensa estavam presentes no comício, mas só o portal G1 noticiou o evento e a fala de Lula, mas até a finalização desta postagem, nenhum citou o discurso histórico do Senador Jader Barbalho.

Clique para assistir.



...
Acompanhe o que há de mais interessante na política nacional pelo twitter @JimmyNight

terça-feira, outubro 14, 2014

Jornal O Liberal chora, mas Jefferson Lima deixa o PP



Desde quando resolveu romper com a campanha de reeleição do governador Simão Jatene, Jefferson Lima, candidato ao senado pelo PP que obteve 741.427 votos, a 2ª maior votação no Estado do Pará, agora é tido como persona non grata no arraial tucano.

Festejado pelo jornal liberal e depois de 24h amaldiçoado pelo mesmo, Jefferson Lima agora é ameaçado de ser expulso de seu partido.

Conforme já foi dito neste blog, com esse peso eleitoral, Jefferson Lima tende a ser o fiel da balança nestas eleições, tal como foi na eleição para prefeitura, onde o seu apoio aos tucanos foi decisivo para a vitória do atual prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho.


A pergunta que não quer calar, é se o rapaz não sabia que isso poderia acontecer e se não mediu e calculou as perdas e os ganhos com sua nova posição política nestas eleições.



Diariamente atacado pelo jornal OLiberal, Jefferson Lima lembra que o tucano chegou a assinar um compromisso com o povo da periferia, mas não cumpriu. “As pessoas me cobravam o asfalto prometido na periferia”, disse o ex-candidato ao Senado.

Jefferson usou o espaço disponibilizado no horário eleitoral gratuito de Helder Barbalho para esclarecer seu apoio ao candidato do PMDB e  reclamou dos ataques pessoais vem sofrendo desde então.

“Criaram um perfil ‘fake’ da minha esposa (Michele Lima). Disseram, inclusive, que ela teria me abandonado por não concordar com a minha decisão”. Desabafou Jefferson Lima ao falar da utilização indevida da imagem de sua família na internet, onde criaram um perfil falso de sua esposa nas redes sociais e anunciavam que ela não concordava com a atitude que Jefferson Lima teve em apoiar Helder para mudar o Pará. 


A postagem no Instagram, inclusive, chegou a ser compartilhada por diversos assessores de Jatene e serviu de gancho para os ataques uma matéria de caráter totalmente errôneo no jornal O Liberal - na edição do último final de semana (11 e 12/10) - onde não foi checada primeiramente a veracidade da informação.

Por tudo e isso e muito mais, Jefferson Lima esteve ontem no TRE-PA onde deu entrada em seu pedido de desfiliação, tornando inútil sua expulsão midiática.

As eleições e a guerra dos jornais.

Já não é novidade que estas eleições aguçaram a já existente guerra entre o jornal O Liberal e o Diário do Pará, que assim como seu concorrente, foi duramente criticado por usar imagens de um hospital de Honduras com bebês “acomodados” em caixas de papelão, como se fossem da Santa Casa. O erro foi corrigido pelo editorial do Diário, coisa que O Liberal jamais fez, sejamos justos.

Clique na imagem para relembra o caso.



Por fim, veja a entrevista que Jefferson Lima concedeu ao blog Bilhetim, de Edir Veiga.


Bilhetim-Por que você deixou a coligação de Jatene neste segundo turno?

Jefferson Lima-  Estive na coligação de Jatene por decisão partidária, do Partido Progressista- PP.   Mas, fui esquecido como candidato ao senado. Não recebi apoio concreto nem do PP e nem do PSDB de Jatene.  Assisti o governador assumir publicamente o apoio ao candidato do PSD Helenilson Pontes.  Somente no último minuto do primeiro turno, com meu crescimento nas pesquisas é que eles lembraram que eu existia.  Me sentia constrangido em subir no palanque de Jatene, devido à presença no mesmo momento de três candidatos ao senado da mesma coligação, onde eu era o “plebeu” estranho no ninho. Então, por uma questão de auto respeito e dignidade, após o primeiro turno, fiz um balanço do tratamento político que recebi por parte do meu partido e do PSDB e seus aliados, é que decidi por um novo caminho, agora como cidadão e não mais preso às amarras partidárias.



Bilhetim- Por que você decidiu apoiar o candidato do PMDB, Helder?

Jefferson Lima- Meu apoio ao Helder amadureceu, no momento que fiz um balanço negativo das relações que o PSDB e Jatene estabeleceram com minha candidatura em 99% do período em que transcorreu o primeiro turno.  Não posso mais ficar apenas denunciando as péssimas condições em que vive o “meu povo” das periferias das cidades, especialmente na região da grande Belém e municípios vizinhos. Agora chegou a hora de agir. Creio que o partido tucano precisa ficar um tempo fora do governo para se reciclar, afinal o PSDB governa desde 1994 o Pará.  Belém e o Pará continuam a ser o campeão em falta de saneamento, em educação de péssima qualidade e com índices de homicídios superiores à mortandade das guerras em curso no mundo. Então, a  opção pela candidatura do Helder, é porque acredito que o PMDB, após 20 anos longe do comando do estado, agora renovado e representado por Helder, é uma possibilidade real de iniciar mudanças estruturais nos destinos do Pará e de seu povo, onde saneamento e asfalto não sejam obras apenas de vésperas de eleições.

Bilhetim-Qual a base de seu apoio ao candidato do PMDB, Helder?

Jefferson Lima-Logicamente que foi em base programático, por que se quisesse auferir vantagens pessoais teria optado pragmaticamente pela candidatura governista de Simão Jatene. Então reivindiquei prioridade do futuro governo Helder com as populações das periferias das grandes cidades do Pará, especialmente da região metropolitana: que as políticas de Saúde, segurança e educacional, façam parte de um programa permanente de ação do governo estadual. Que o governo seja descentralizado para todas as regiões do Pará, e que haja transparência republicana na aplicação e controle do uso dos recursos públicos.

Bilhetim-E a eleição presidencial, como fica?

Jefferson Lima-Em minha recente história de  participação política partidária, sempre apoiei o presidente Lula e a presidente Dilma Roussef, até porque o PP sempre foi base de apoio destes dois presidentes. Vou vestir ardorosamente a camisa da candidatura Dilma porque a mesma representa e defende os pobres deste país. Nunca em nenhum tempo, houve um governo tão carinhoso com o povo pobre deste país. Ademais, com Dilma presidente e Helder governador, teremos condições de trazer muitos recursos para mudar para melhor o perfil dos indicadores sociais no Pará e venha a impulsionar  nosso povo para alcançar, nos próximos anos, o status de classe média. Afinal, o Pará, que possui dois milhões de famílias residindo em seu território, tem 887 mil famílias dentro do programa Bolsa Família. Só em Belém e Ananindeua quase 150 mil família dependem, decisivamente, deste programa social, para se alimentar três vezes ao dia.


Bilhetim-E como será sua participação na campanha Helder, governador?

Jefferson Lima- Estarei dia e noite nos bairros populares da região metropolitana pedindo voto para Helder. Fui o candidato ao senado mais votado na região metropolitana, e obtive quase 50% dos votos válidos para o senado em nossa querida Belém. Vamos à vitória.

sábado, outubro 11, 2014

Clipe Carimbó/Guitarrada - Vamos Mudar o Pará



Por mais que tenha vocação para o debate sobre marketing político e eleitoral, este blog não costuma abrir espaço para Jingles de campanha eleitorais, mas vai abrir uma exceção para apresentar esta bela peça publicitária feita para um candidato ao governo do Estado do Pará.



Nele, a mistura de dois ritmos paraenses: O Carimbó e a Guitarrada.



Aumente o som e curta!



PSOL: Nem Helder, nem Jatene. Talvez Dilma.



Mesmo depois do anúncio feito pelos deputados federais eleitos do PSOL de apoio e voto em Dilma, entre eles, o deputado estadual (futuro federal) Edmilson Rodrigues, o partido continua divido no Pará.

Edmilson, quando candidato a prefeito de Belém teria sinalizado ao PT, que ao receber o apoio do seu ex-partido, comprometeu-se, caso eleito fosse nas eleições municipais de 2012, em garantir espaços em autarquias e secretarias de sua gestão, mas que independente daquele resultado, apoiaria a reeleição de Dilma para presidenta.

O acordo acabou fazendo com Lula e Dilma pedissem voto em Edmilson, no segundo turno daquelas eleições, o que também causou uma crise no final da campanha, mas mesmo assim, seu adversário Zenaldo Coutinho (PSDB), acabou vencendo as eleições, ainda que Edmilson tendo iniciado a corrida eleitoral como favorito, com cerca de mais de 30%  das intensões de votos, aferidos pelas pesquisas.

Lula e Edmilson, mesmo em tendências diferentes, sempre tiveram um bom relacionamento, mesmo depois de sua saída do PT, para em conjunto com outros militantes fundarem o PSOL.

Acontece que desde então, a corrente interna de Edmilson Rodrigues e Marinor Brito, não consegue hegemonizar as decisões internas e acabam tendo sérios problemas para fazer a legenda amadurecer sua estratégia eleitoral para uma política de alianças mais ampla e vitoriosa, do que as que o partido tem adotado, com o PCB, PSTU e PCdoB.

Tal postura das alas mais radicais que defendem essa frente de esquerda “restrita” no PSOL, já fizeram com que o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) declarasse: "Eles não leram uma obra básica do Lenin: Esquerdismo, a doença infantil do comunismo". Vale ressaltar que Randolfe, Edmilson, Marinor e Luiz Araújo, atual presidente nacional do PSOL, são da mesma corrente interna no PSOL, a chamada APS - Ação Popular Socialista.

Já não é de hoje que este blog acredita num futuro e próximo rompimento desta corrente com o Partido do Socialismo e Liberdade e a possível migração para o PCdoB ou até mesmo a volta para o PT, sem descartar a possibilidade de integrarem-se ao projeto da Rede Sustentabilidade de Marina, opção que já foi muito especulada, devido a aproximação da ex-senadora Heloísa Helena (PSOL-AL) com Marina Silva.

Por tudo isso e mais um pouco, fui buscar informações sobre a estratégia do restante do PSOL e me deparei com o perfil de Fernando Carneiro, vereador de Belém, dirigente estadual da APS e membro da coordenação nacional do PSOL, que publicou nesta sexta-feira, (10) a Nota Oficial da Ação Popular Socialista/APS, que traz a orientação para o voto nulo ou em branco nas eleições para o governo do Pará, no segundo turno. 

Leia:


O PSOL saiu vitorioso do mais recente processo eleitoral, nacionalmente e no Pará, em particular. Neste Estado, a eleição de Edmilson Rodrigues para exercer um mandato na Câmara Federal e a projeção de várias novas lideranças, em especial as de nossos candidatos ao governo e ao senado, Marcos Carrera e Pedrinho Maia, multiplicaram várias vezes a força de nosso partido nas lutas sociais e para enfrentar novos desafios eleitorais. Apesar da frustrada eleição de um nome do partido que preservasse nosso espaço no legislativo estadual, o PSOL está mais forte nas terras paraenses.

Mas, seguindo configuração nacional que restringe o segundo turno da eleição presidencial a uma disputa entre candidaturas do campo da ordem burguesa, o povo paraense destacou para o segundo turno da eleição para o governo do estado duas candidaturas que diferem apenas nos estilos de governar contra os seus interesses: Simão Jatene, candidato tucano a reeleição, e Hélder Barbalho, candidato da aliança PMDB- DEM - PT. É evidente que, seja qual o for o eleito em segundo turno, permanecerão inalterados o modelo de desenvolvimento imposto pelo grande capital ao Pará- exportador de matérias - primas e semi-elaborados e concentrador das riquezas e a gestão corruptora e privatista do estado em detrimento das reais vocações econômicas, interesses e direitos populares.

A APS, corrente interna deste partido, está convencida de que qualquer mudança em favor da maioria dependerá fundamentalmente de um avanço das lutas populares de resistência e por uma alternativa anticapitalista, democrática, popular e ecológica. Basta recordar as gestões do governo do Pará que se sucederam ao longo dos últimos trinta anos, alguns sob a égide do PSDB, outros sob o comando de Jader Barbalho, além do desastroso governo petista de Ana Júlia, que possibilitou o retorno de Simão Jatene ao comando da gestão estadual, para concluir-se que será inútil o esforço para encontrar a alternativa menos ruim entre as duas. Ambas representam o mesmo projeto de sangria das riquezas e de desmonte dos direitos do povo.

Por isso mesmo, a APS defende que qualquer que venha a ser o eleito, o próximo governador do estado o deve encontrar no PSOL o mesmo partido de oposição programática e de esquerda aos atuais governos de Dilma e Jatene, comprometido com as reivindicações dos movimentos sociais e com as necessidades imediatas e históricas de nosso povo, e determinado a fortalecer nas lutas concretas a perspectiva do socialismo. Daí defender que o PSOL, além de não envolver-se com qualquer das candidaturas postas para o segundo turno, conclame seus militantes, simpatizantes e eleitores a votarem em branco ou a anularem seus votos votando 50 para o governo do estado do Pará no dia 26 de outubro.

10 de outubro de 2014.

Executiva Estadual da APS-PSOL/PA

sexta-feira, outubro 10, 2014

Helder ganha aliado do PSDB, mas até quando?

Cercado pela cúpula do PMDB, Jefferson Lima anunciou seu apoio a Helder Barbalho, que por sua vez se comprometeu em andar pelas baixadas de Belém, com o mais novo aliado.

“...A gente também toma decisões, né? Um dia você tá triste, noutro dia você tá feliz e eu tomei a decisão de ficar ao lado do Helder, né?”


Jefferson Lima, terceiro candidato mais votado nas eleições de 2014 para o senado pelo Estado do Pará.


O anúncio feito na noite desta quinta-feira (09), de que Jefferson Lima, candidato ao senado pelo PP no primeiro turno, apoiará o candidato Helder Barbalho no 2º turno das eleições para o governo do Estado do Pará, causou admiração e reflexão na crítica política paraense, além de diversos comentários dos internautas que se manifestam nas redes sociais, contra e a favor da decisão.



Tendo recebido 741.427 mil votos no último domingo, dia 05, o jovem radialista, que entre outras coisas dizia que jamais seria candidato a cargos públicos, anunciou o conúbio em coletiva à imprensa, no comitê eleitoral do PMDB, ao lado de Helder e outras lideranças do partido.

Jefferson é um dos destaques políticos oriundos do poder de exposição da mídia e disputa eleições a partir da visibilidade que esta lhes conferem. Foi candidato a prefeito de Belém nas eleições de 2012, momento em que tornou-se a grande surpresa das urnas, por ter alcançado a 3ª maior votação (quase cem mil votos) no primeiro turno e por isso foi considerado a peça fundamental na vitória de Zenaldo Coutinho (PSDB), no 2º turno, depois que fechou o apoio ao adversário e derrotou Edmilson Rodrigues (PSOL), favorito no primeiro turno.

Candidato a prefeito de Belém em 2012, Jefferson aliou-se ao PSDB, tão logo terminou o 1º turno daquela eleição.

Na época, rumores davam conta de que o apoio de Jefferson Lima a Zenaldo Coutinho teria custado cerca de 4 milhões de reais e vários cargos de confiança, os chamados DAS´s na gestão tucana de indicação do próprio jovem e de seu partido. Desde então, Jefferson Lima era aliado dos tucanos e teve sua candidatura abençoada e apoiada por Simão Jatene e seus correligionários, contrariando interesses e causando crises internas com as candidaturas do senador Mário Couto (PSDB) e Helenilson Pontes (PSD). 

Jornal Liberal e Simão Jatene mentiram?

Em menos de 24 horas, Jefferson Lima desmente o Jornal O Liberal que trouxe a "notícia" de seu apoio ao governador. 

Na capa do jornal O Liberal desta última quarta-feira (08), a chamada para a matéria interna de quase meia página, festejava a afirmação de que Jefferson Lima estaria fechado com Simão Jatene e seus milhares de votos migrariam como por osmose para o tucano. Até o programa eleitoral do PSDB colocou Jefferson em uma gravação onde ele falava bem da gestão do atual governador, numa alusão de que estariam juntos neste segundo turno, o que Jefferson desmentiu ontem, dizendo que se tratava de uso indevido de “imagens antigas”. Veja os vídeos abaixo:




Só falta combinar com os Russos!

Outra curiosidade que paira na cabeça de muitos analistas políticos que o blog tem conversado é sobre o futuro político de Jefferson Lima e as especulações da negociação envolvendo a declaração de apoio a Helder Barbalho.

Para alguns, a jogada do PMDB tem as impressões digitais e a Intelligentsia de Jader Barbalho, que com sua experiência e visão holística percebeu a ameaça da liderança do jovem radialista para as próximas eleições ao senado em 2008, quando o Estado do Pará elegerá dois (02) senadores e uma destas vagas certamente poderia ser ocupada por Jefferson.

Neo-aliado do PMDB, Jefferson Lima não teria exigido outra coisa a não ser o compromisso de Helder com as comunidades carentes que passará a visitar com o candidato ao governo do Estado que venceu o 1º turno das eleições.

Por isso, entre as ofertas para o mesmo aderir à aliança “Pra Mudar o Pará”, especula-se que estaria com espaços privilegiado reservados nas emissoras de rádios e na TV do grupo RBA, de propriedade da família Barbalho, além de uma futura filiação ao PMDB, para vir como candidato à prefeitura de Belém pelo novo partido. Proposta tentadora, não? 

Para outros interlocutores menos perspicazes, Jefferson Lima teria interesses menos ousados e topou apoiar Helder Barbalho pelo simples fato deste ter aceitado assinar um termo de compromisso com as comunidades e andar com ele pela periferia de Belém, como afirmou o jornal Diário do Pará.

Quem viver, verá!

Siga-me no twitter e acompanhe o que há de mais quente na política local e nacional