Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, novembro 04, 2014

Tucano é xingado por rechaçar manifestações golpistas

Radicais ficaram irados com a posição do tucano e o chamaram de Petralha, após ele criticar a manifestação que pediu impeachment e uma intervenção militar no Brasil."Por favor, deixem o PSDB. Vocês é que estão no lugar errado, não eu!"

Xico Graziano foi deputado federal e chefe de gabinete de FHC e deixou oficialmente a coordenação da campanha digital do senador Aécio Neves (MG), candidato do PSDB à Presidência da República ainda em julho deste ano, logo depois desta ter sido oficialmente lançada. 

Assessor de Fernando Henrique no iFHC e ex-coordenador da campanha presidencial de José Serra, Xico Graziano teria como missão dinamizar área de internet. Em 1995, Graziano foi capa da revista Veja, chamado de Corvo por envolvimento em grampos ilegais dentro do governo. Após a derrota de Serra em 2010, culpou falta de empenho de mineiros: "Perdemos feio em Minas. Por que será?"

Com Aécio sendo o candidato do PSDB em 2014, Graziano foi anunciado chefe da estratégia dos tucanos nas redes ainda na pré-campanha, mas perdeu protagonismo na área, passando a integrar a coordenação de "movimentos sociais" e da equipe que organizava a agenda de Aécio. 

Considerado um social democrata legítimo, manifestou-se por meio de seu perfil no Facebook, contrário aqueles que pedem o impeachment da presidente Dilma Rousseff, fazendo a seguinte consideração:

"Só para esclarecer: achei absurda tal manifestação. Antidemocrática, não republicana. Ainda por cima, pedindo a volta dos militares, meu Deus, tô fora disso. Esconjuro".

Bastou isso para que o tucano venha desde então sendo duramente criticado. Algumas pessoas chegaram a chamá-lo de "petralha".

Um das comentárias lançou a seguinte queixa: "Absurdo é vc falar uma imbecilidade dessa. Mesmo que eu não queira a intervenção militar, - mesmo porque as forças armadas estão sucateadas - não respeitar a opinião de quem votou no PSDB é no mínimo ser ingrato."

"Quem concordar com as teses dessa turma aguerrida que vê o comunismo chegando, é contra os benefícios sociais, sonha com a ordem militar, por favor, deixem o PSDB", afirmou Xico.

Para o tucano, "existe no Brasil uma ideologia própria da direita que se encontra sem partido político"; o deputado Jair Bolsonaro e o ensaísta Olavo de Carvalho são seus expoentes, destaca em sua mais nova postagem, na rede social já citada.

Manifestação teria reunido 2,5 mil pessoas em SP e entre os pedidos dos participantes, impeachment e intervenção militar.


Mexi num vespeiro da política ao postar aqui, ontem, opinião contrária ao impeachment da Dilma. Julguei a causa antidemocrática, não republicana. Não gostei daqueles discursos irados, revanchistas e reacionários. Tomei um troco bravo. Recebi centenas de comentários, críticos a maioria, de baixo nível muitos deles. Vou aprofundar a polêmica. Sigam meu raciocínio.

Existe no Brasil uma ideologia própria da direita que se encontra desamparada do sistema 
representativo, quer dizer, sem partido político. Sua força se mostra na rede da internet. Essa corrente luta para destruir o PT, acusando-o de querer implantar o comunismo por aqui. Defendem as liberdades individuais, combatem tenazmente a corrupção organizada no poder, desprezam totalmente as lutas sociais, mostrando-se intolerante com o direito das minorias. O Deputado Bolsonaro e o ensaísta Olavo de Carvalho são seus expoentes.

Tudo bem. Acontece que, no período das eleições presidenciais, essa tendência se articula no seio do PSDB, trazendo para nosso partido suas causas. É normal existirem as alianças eleitorais, e para tal existe o segundo turno. O problema surge quando os militantes da direita exigem que nós, os sociais democratas, encampemos sua ideologia, o que seria um absurdo.

A intolerância mostrada em minha página do facebook reflete essa incompreensão. Criticam minha coerência, decepcionam-se com os meus valores imaginando que eu deveria assumir os deles. Pior, alguns tolamente me acusam de ser “petista infiltrado”. Dá até um pouco de dó.

Ora, nós, do PSDB, nascemos inspirados na socialdemocracia europeia, com viés da esquerda. Nossa origem reside no MDB autêntico, que foi decisivo na derrubada da ditadura militar. Nós fomos decisivos na Constituinte de 1988. Fomos nós, com FHC à frente, que criamos as bases socioeconômicas do Brasil atual, inclusive as políticas de transferência de renda e as cotas.

Na complexidade do mundo contemporâneo anda difícil rotular os partidos, e as pessoas, como de “direita” ou de “esquerda”, categorias válidas no século passado, mas ultrapassadas hoje em dia. De qualquer forma, quem concordar com as teses dessa turma aguerrida que vê o comunismo chegando, é contra os benefícios sociais, sonha com a ordem militar, por favor, deixem o PSDB. 

Vocês é que estão no lugar errado, não eu!

***Que tal me seguir no twitter? 

@JimmyNight

PT sinaliza avançar em novos rumos




Passadas as eleições, chega o momento do PT avaliar seu desempenho, repensar sua atuação como governo, e principalmente, como partido de vanguarda para enfrentar o que estão chamando de 3º turno das eleições e propor as mudanças que tanto escutou e defendeu durante este mandato de Dilma.

Sendo o partido que desde 1989 polariza as eleições presidenciais, tendo perdido 3 e vencido 4 eleições consecutivas das 7 que houveram desde a redemocratização do Brasil, onde o povo elegeu de forma direta o seu presidente, o PT precisa agora avançar nas reformas estruturantes é o que aponta o documento elaborado na reunião da direção da Executiva Nacional do PT, realizada nesta segunda-feira (03) em Brasília, onde aprovou-se a resolução política, apresentada ao fim do encontro. 

Além disso, a direção partidária definiu a constituição de uma comissão para reunir textos e opiniões de lideranças do partido sobre as eleições de 2014.

Segundo o presidente do PT, Rui Falcão, a ideia é consolidar em um documento várias análises a serem apresentadas na reunião do Diretório Nacional, entre 28 e 29 de novembro, em Fortaleza.

Rui Falcão anunciou a criação de uma comissão para organizar o partido e a participação popular para a posse da presidenta Dilma. “Queremos que seja uma grande festa popular, semelhante ao que foi a posse do presidente Lula em 2003”, explicou o presidente do PT.

Segundo ele, a vitória de Dilma foi conquistada com a ajuda dos movimentos sociais, da juventude, das mulheres, dos negros e dos partidos de esquerda. “Eles podiam não concordar com todas as nossas propostas, mas entenderam que o que estava em jogo era avançar ou retroceder”, falou.

Outro ponto importante do documento diz respeito à movimentação do campo democrático-popular, à batalha da cultura e à atuação da mídia e das redes sociais.

Destaquei alguns trechos da resolução política que considero importantes serem logo lidos pelos leitores deste blog:

Executiva Nacional do PT, reunida em Brasília: segundo Rui Falcão (centro), é hora de entender o processo eleitoral de 2014 e propor novos rumos.

Cabe ao Diretório Nacional do PT, convocado para os dias 28 e 29 de novembro de 2014, aprovar uma agenda congressual que preveja debates abertos a toda a militância que se engajou em defesa da candidatura Dilma, bem como um momento final que possibilite a síntese e o salto de qualidade tão necessários para que o Partido seja capaz de, tanto quanto superar seus problemas atuais, contribuir para que o segundo mandato de Dilma seja superior ao primeiro.

Porém, certas medidas, impostas pela realidade internacional e nacional, mas principalmente pela atitude de reação permanente da oposição, precisam ser tomadas imediatamente.

Por isso, propomos: 

Cabe ao Diretório Nacional do PT, convocado para os dias 28 e 29 de novembro de 2014, aprovar uma agenda congressual que preveja debates abertos a toda a militância que se engajou em defesa da candidatura Dilma, bem como um momento final que possibilite a síntese e o salto de qualidade tão necessários para que o Partido seja capaz de, tanto quanto superar seus problemas atuais, contribuir para que o segundo mandato de Dilma seja superior ao primeiro.

Conclamar a militância a participar dos atos em defesa da democracia e da reforma política, previstos para a semana de 9 a 15 de novembro;

Adotar iniciativas para dar organicidade ao grande movimento político-social que venceu o segundo turno das eleições presidenciais. Compor uma ampla frente onde movimentos sociais, partidos e setores de partidos, intelectuais, juventudes, sindicalistas possam debater e articular ações comuns, seja em defesa da democracia, seja em defesa de reformas democrático-populares.

Priorizar ações de comunicação, fortalecendo nossa agência de notícias, articulando-a com mídias digitais, com ação permanente nas redes sociais. Integrar nossas ações de comunicação com o rico movimento cultural em curso no País.

Relançar a campanha pela reforma política e pela mídia democrática, contribuindo para que o governo possa tomar medidas avançadas nestas áreas e para sustentar a batalha que travaremos a respeito no Congresso Nacional.

Organizar caravanas a Brasília para realizar uma grande festa popular no dia da segunda posse da presidenta Dilma Rousseff.


***Que tal me seguir no twitter?