Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, dezembro 19, 2014

Mapazônia: O mapeamento da Amazônia em Software Livre



Hoje foi lançado do site do Mapazônia. O Mapazônia é um projeto aberto para mapear colaborativamente a Amazônia no OpenStreetMap. O projeto visa melhorar a cobertura das OSM na área da Amazônia, usando imagens de satélite e mapeando geometrias de rios, transporte e uso do solo.

Gerar mapeamento detalhado ajudará muitas organizações que trabalham na região para cumprir os seus objetivos. Juntos, pode-se trabalhar para cuidar da Amazônia e seus habitantes.

O projeto começou como uma iniciativa da comunidade latino-americana do OpenStreetMap, a fim de realizar o mapeamento colaborativo de terras e os problemas comuns à região.

O site do projeto é www.mapazonia.org e como se pode ver, é necessário fazer a tradução ao português. O código está disponível no Github: https://github.com/osm-ar/mapazonia.

Com informações da Comunidade Brasileira do OSM e Mapazonia.

Brasileiros gastam mais tempo na internet para se informar

IBOPE realiza a mais nova Pesquisa Brasileira de Mídia.

Segundo o IBOPE, o brasileiro gasta mais tempo na internet do que na TV para se informar, embora a telinha continue como a principal fonte de informação da maioria e seu horário nobre tenha passado a ser de 22 às 23h da noite. A Rede Social Facebook é acessada por 83% dos brasileiros, seguido do Whatsapp com 58% da preferência dos que usam as mídias digitais. Os jornais só possuem 7% de leitores diariamente, mas ainda são os meios de informação com maior credibilidade para 21% dos entrevistados.

 As informações estão na matéria do Valor Econômico, mas você pode ler abaixo:



A Pesquisa Brasileira de Mídia edição 2015 mostra que a televisão continua sendo a principal fonte de informação dos brasileiros, mas cresceu o acesso à internet. O levantamento divulgado nesta sexta-feira pela Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, encomendado ao Ibope, mostra que os jornais impressos ainda são a fonte mais confiável de informação, embora o índice de leitura diária seja pequeno.

Um dos objetivos da pesquisa é orientar a aplicação das verbas de publicidade do governo federal, que em 2013, investiu R$ 2,3 bilhões na veiculação de propaganda oficial. "A função principal dessa pesquisa é ajudar na nossa de cisão de publicidade, temos obrigação legal e formal de usar os recursos da forma mais eficiente, é fundamental para a nossa estratégia de comunicação", disse o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação, Thomas Traumann.

O ministro destacou o aumento do acesso à internet como fonte de informação. “A diferença (em relação ao rádio) ainda é pequena, mas mostra uma tendência importante e que deve ser analisada”, afirmou Traumann. “O tempo dá um parâmetro de como o brasileiro está migrando de forma consolidada para os meios de comunicação digitais”, completou.

Atualmente, cerca de 15% da verba oficial de publicidade destina-se à internet, e esse índice pode chegar a 18%, a partir dessa pesquisa, avalia o ministro. A pesquisa mostra que a televisão é a principal fonte de informação para 95% dos brasileiros, seguida do rádio, preferido por 55%, e da internet, com 48% da preferência nacional. O jornal impresso é a fonte mais confiável de informação para 21% dos entrevistados, porém apenas 7% leem jornais diariamente.

O percentual de pessoas que se informam pela internet todos os dias cresceu de 26%, na edição de 2014 da pesquisa, para 37% no atual levantamento. Os horários de pico de navegação são das 10 horas às 11 horas, e das 20 horas às 22 horas. Uma diferença é que, ao navegar na internet, os leitores dão atenção exclusiva ao que fazem, enquanto quem assiste televisão ou ouve rádio faz outras atividades ao mesmo tempo. 

A pesquisa também aferiu que o uso de plataformas digitais de leitura de jornais ainda é baixo. Dos 79% de leitores diários de jornais, apenas 10% acessam as versões digitais. Esse acesso é maior no Ceará, Piauí e Paraná.

O levantamento revela que a rede social mais usada no Brasil é o Facebook, acessado por 83% dos brasileiros. Em segundo lugar, vem o aplicativo WhatsApp, utilizado por 58% dos brasileiros. O Twitter é a rede preferida por apenas 5%. O WhatsApp foi amplamente utilizado na campanha para divulgação de propaganda eleitoral.

O Ibope saiu a campo entre os dias 5 e 22 de novembro e ouviu 18.132 pessoas, maiores de 16 anos, por meio de entrevistas domiciliares em 848 municípios.

3º turno no Pará: Simão Jatene pode ser cassado por compra de votos

Na campanha Jatene intensificou a entrega dos cheques. Eleitores faziam filas para receber o benefício
Foto: Bruno Carachesti

Coligação entra com ação contra Jatene e Marinho é o título da matéria publicada no Diário Online que revela a medida adotada pela assessoria jurídica de Helder Barbalho - candidato derrotado no segundo turno das eleições deste ano por Simão Jatene, reeleito governador do Estado do Pará, o qual pode ter seu mandato cassado, sob a acusação de abuso do poder econômico através da compra de votos através do Cheque Moradia. Seria o caso de chamar de terceiro turno paraense?

A coligação majoritária “Todos pelo Pará” - que teve Helder Barbalho e Joaquim de Lira Maia como candidatos a governador e vice-governador, respectivamente - ingressou ontem com ação de investigação judicial eleitoral contra o governador reeleito Simão Jatene, o vice Zequinha Marinho, além de dois servidores do alto escalão da Companhia de Habitação do Pará (Cohab).

A Ação pede a cassação dos mandatos de Jatene e de seu vice, multa de R$ 100 mil e a suspensão, por oito anos, dos direitos políticos dos envolvidos. Eles são acusados de abuso de poder político e compra de votos.

O alvo da ação foi o uso do programa cheque moradia para favorecer o candidato Jatene durante a campanha eleitoral deste ano. “A isonomia entre os candidatos foi claramente afetada pela abusiva e indiscriminada concessão e liberação de verbas do programa, principalmente nos três meses que antecederam a eleição e durante a disputa do segundo turno”, explica o advogado Alex Centeno, um dos autores do pedido de investigação. 

Para pedir a cassação de Jatene, os advogados da coligação reuniram documentos que somam mais de quatro mil páginas, entregues ontem ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE). Como se trata de uma ação por abuso do poder político e compra de votos, o caso vai ser investigado pela Corregedoria do TRE que vai chamar testemunhas para depor. Alex Centeno conta que os advogados da coligação estão trabalhando na reunião de provas desde outubro. Ontem, as cópias da ação lotaram o porta-malas de um automóvel. 

Segundo dados da própria Cohab, em 2012, o governo liberou R$ 24, 2 milhões para o programa, beneficiando 3.483 famílias, quase 18 mil pessoas. Neste ano - com a campanha eleitoral a pleno vapor - o programa foi turbinado e o orçamento chegou a R$ 95, 2 milhões, mais que a soma dos dois anos anteriores. 

“A normalidade e a legalidade do pleito foram decisivamente prejudicadas pelo uso abusivo do Programa Cheque Moradia do governo do Estado, gerenciado pela Companhia de Habitação do Estado do Pará – COHAB, através do seu Presidente – João Hugo Barral – e da Coordenadora do programa junto às lideranças comunitárias – Sônia Massoud, utilizado com o objetivo escancarado de obter votos”, escrevem os advogados em um dos trechos da ação. Barral e Sônia Massoud também figuram como réus no pedido de investigação eleitoral.

EVOLUÇÃO

Para ingressar com a ação, a coligação analisou a evolução do programa Cheque Moradia ao longo de 2014. Os dados revelam que a distribuição dos cheques foi intensificada à medida que o pleito se aproximava. Os meses com maior concentração de benefícios foram julho, agosto, setembro e outubro, justamente após as convenções após a escolha dos candidatos em convenção partidária. 

Para se ter uma ideia, em julho, foram 3.639 famílias, o que representa mais de 18 mil pessoas beneficiadas. Em outubro, mês da eleição, foram 10.443, o que chega a mais de 50 mil beneficiados, apenas nos primeiros treze dias, o que reforça a tese de que esse é um programa eleitoreiro. 

Em termos financeiros, o programa saltou de R$ 3.3 milhões em maio para R$ 31 milhões em setembro. “O valor concedido no mês de setembro, véspera do primeiro turno, foi totalmente desproporcional aos demais meses, o que demonstra claramente a utilização do Cheque Moradia como meio para obter votos”. Apenas nos 13 primeiros dias de outubro, foi constatado um valor superior a todos os meses anteriores a agosto.

O poderoso lobby da carne no Congresso



Sob o título: "Congresso aprova mudança na fiscalização de frigoríficos", a reveladora existência de uma empresa e seu poderoso poder de lobby no Congresso. 

Por Dimmi Amora, Natuza Nery e Ranier Bragon, na Folha.

O Congresso aprovou nesta quarta-feira (17) uma medida que muda a fiscalização de todos os frigoríficos do país, resultado de uma emenda apresentada por um senador do PMDB e defendida por representantes do grupo JBS nos corredores do Congresso.

A emenda acaba com a fiscalização sanitária em Estados e municípios, tornando a questão de competência exclusiva do Ministério da Agricultura.

Empresas menores, que vendem carne apenas dentro dos Estados em que estão instaladas, passariam a ser fiscalizadas pelo governo federal, e não mais por prefeituras e governos estaduais.

Maior financiador da campanha eleitoral deste ano, o gigante do setor de carnes mobilizou aliados no Congresso para passar a mudança na legislação, que pode criar vantagens para seus negócios e dificuldades para concorrentes.

A emenda foi inserida pelo senador Romero Jucá (PMDB-RR) numa medida provisória do governo que tratava originalmente apenas de redução de impostos e teve vários outros assuntos incorporados ao seu texto por sugestão dos congressistas.

A medida dividiu a bancada ruralista. Parlamentares ligados ao agronegócio e contrários à mudança acusam o grupo JBS de tentar sufocar concorrentes menores. Jucá diz que o objetivo da iniciativa é reduzir o abate clandestino de animais, protegendo os interesses do consumidor.

A senadora Kátia Abreu (PMDB-TO), que deverá ser indicada pela presidente Dilma Rousseff para ser ministra da Agricultura em seu segundo mandato e é vista pelo JBS como uma adversária política, é contra a medida.

Presidente da Confederação Nacional da Agricultura, a senadora deverá sugerir à presidente o veto do dispositivo. Kátia Abreu não foi localizada para comentar o tema.

INSPEÇÕES

O temor das pequenas empresas é que a estrutura da fiscalização federal só seja suficiente para atender grandes frigoríficos nos principais centros. Assim, ficaria difícil para os estabelecimentos menores a obtenção dos selos de inspeção necessários para a comercialização da carne.

Além disso, essas empresas argumentam que a inspeção federal é mais rigorosa, por ser voltada para o comércio exterior e para mercados muito mais exigentes do que o doméstico. Para elas, o rigor das inspeções poderia inviabilizar seus negócios.

O senador Jucá tentou emplacar na medida provisória votada na quarta outra emenda que beneficiaria o JBS, mas a iniciativa foi barrada.

A proposta determinava que todas as operadoras de TV a cabo destinassem gratuitamente dois canais para transmissão de programação de interesse do agronegócio.

O grupo JBS é proprietário do Canal Rural. Outros dois grupos, o Bandeirantes e o SBA, têm canais semelhantes. Eles pagam até R$ 400 mil por mês para transmitir sua programação na TV por assinatura. Se a emenda de Jucá tivesse sido aprovada, não precisariam mais pagar.

Procurada pela Folha, a assessoria de imprensa do JBS informou que o grupo não se pronunciaria sobre as propostas votadas na quarta.

BANCADA

A influência política do JBS cresceu nas eleições deste ano, quando o grupo distribuiu R$ 392 milhões em doações e desbancou tradicionais financiadores como a construtora Odebrecht, que deu R$ 111 milhões e foi o segundo maior doador do ano.

O grupo JBS ajudou a financiar a campanha de 166 deputados federais eleitos, formando uma bancada maior que a do PT, que tem 70 integrantes e é a maior da Câmara dos Deputados. O grupo também apoiou a eleição de 12 novos senadores.

Além da emenda sobre inspeção animal, outra prioridade na agenda do JBS é bloquear tentativas do Congresso de investigar a relação do grupo com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que é sócio do JBS e um de seus principais financiadores.

"Não podemos admitir que um banco se preste a ser mentor ou criador do maior cartel do país, com tentáculos agora nas decisões políticas", afirmou o deputado e senador eleito Ronaldo Caiado (DEM-GO), outro adversário do JBS na bancada ruralista.

Os empréstimos do BNDES para o grupo foram questionados no passado pela senadora Kátia Abreu. Ela nega alimentar uma rixa pessoal com o JBS e afirma defender os interesses globais do setor, não os de uma única empresa. 


O que ela disse