Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, maio 13, 2015

Professores em greve passam a madrugada em prédio público em Belém

Em greve há 50 dias, professores ocupam o Centro Integrado de Governo e dormem no interior do órgão. Governo não os atende.
O governador Simão Jatene e seu Secretário de Educação estão desaparecidos e 700 mil estudantes da rede pública de ensino, continuam sem aula, após 50 dias da nova greve dos professores do Estado do Pará, um dos piores na oferta de ensino no Brasil. Por sua vez, o sindicato da categoria está em disputa eleitoral e parte do que deveria ser luta, vira palanque.

Diante do impasse, um grupo de professores iniciaram uma ocupação do Centro Integrado de Governo (CGI) para pressionar Simão Jatene a negociar o fim da greve. Pelo que se percebe, a ocupação pode ser o último ringe, pois o órgão concentra as secretarias especiais de governo. 

Resta saber se a categoria vai radicalizar para ser recebida pelo governador, que nem lá pisa, ou se o desgaste e o cansaço, farão com que o sindicato seja obrigado a recuar e aceitar as propostas apresentada pelo governo para o fim da greve.

Veja a matéria da Folha, sobre o acampamento dos professores no CIG.

Um grupo de professores da rede estadual de ensino do Pará passa a madrugada acampado na sede do CIG (Centro Integrado de Governo), prédio público no bairro de Nazaré, em Belém, onde trabalham 330 servidores e que também abriga documentos e equipamentos do governo.

Em greve há 45 dias, eles invadiram o local na manhã desta terça-feira (12) e, segundo o sindicato da categoria, ficarão acampados no prédio público até que o governador Simão Jatene (PSDB) reabra a negociação, interrompida no final de abril.

Entre as reivindicações dos servidores estão a garantia de aulas suplementares, jornada de um terço de hora atividade, eleições para direção de escolas e realização de concurso público para contratação de novos funcionários.

O governo do Pará informa que já apresentou propostas para o fim da greve dos professores durante seis reuniões realizadas entre as secretarias de Educação e Administração e o sindicato da categoria.

Também de acordo com o governo, a invasão do prédio do CIG ocorreu de forma violenta, com o arrombamento de um portão do estacionamento e gritos de palavras de ordem no momento em que era realizada uma audiência pública sobre o Plano Estadual de Educação.

De acordo com o sindicato, o acampamento é uma ação pacífica e tem o objetivo de abrir negociação com o governo. A entidade diz ainda que não há indícios de depredação do patrimônio público.

A próxima assembleia dos professores será realizada no local do acampamento.