segunda-feira, junho 08, 2015

Porque os jovens estão se afastando do PT?



Texto e fotos de Raul Galhardi, no Portal Fórum.

Segundo pesquisa divulgada pelo Datafolha em março deste ano, a preferência dos eleitores pelo PT atingiu seu menor nível desde 1989 e a situação é pior entre os jovens de 16 a 24 anos, faixa em que, pela primeira vez, o partido foi ultrapassado pelo PSDB. Integrantes da legenda avaliam o cenário

O PT está em crise. Se em 2014, durante a campanha eleitoral do segundo turno, o partido pareceu ter ressuscitado sua relação com a militância, criando momentos de intensa mobilização como o comício realizado na PUC de São Paulo em outubro daquele ano, hoje o partido encontra-se recuado e dividido. A situação é particularmente problemática entre os jovens, historicamente mais simpáticos à legenda.
Segundo pesquisa divulgada pelo Datafolha em março deste ano, a preferência dos eleitores pelo PT atingiu seu menor nível desde 1989. Apenas 9% disseram preferir a sigla, enquanto em março de 2013 esse percentual alcançava 30%.

A situação, entretanto, é pior entre os jovens de 16 a 24 anos. Pela primeira vez, o PT foi ultrapassado pelo PSDB. A pesquisa mostra que 6% preferem os tucanos e 5% os petistas. Em 2014, os petistas possuíam 15% de simpatia nessa faixa etária, enquanto os tucanos tinham 5%.
Nos dias 22 e 23 de maio aconteceu em São Paulo a etapa estadual do 5º Congresso do PT. O encontro, que ocorreu na Quadra dos Bancários no centro da cidade, teve como objetivo debater a conjuntura estadual e nacional, refletir sobre o atual momento e apresentar propostas que serão encaminhadas ao 5º Congresso Nacional do Partido dos Trabalhadores, que terá lugar em Salvador entre os dias 11 a 14 de junho.

O cenário era do encontro era de desolação. Na sexta-feira, quando era esperada a presença do ex-presidente Lula, que faltou ao evento, apenas metade das cadeiras estava ocupada por filiados e simpatizantes. No dia seguinte, a situação foi ainda pior: cerca de dois terços dos assentos encontravam-se vazios. Dentre os participantes que ali se encontravam, poucos eram jovens.

Marco Aurélio Garcia, assessor especial da Presidência, fez um balanço que retratou bem a situação do partido. “Como fundador e alguém que militou 35 anos no partido, nunca vi uma reunião do PT tão vazia como essa. Vazia ontem, quando se anunciava que Lula viria. Esvaziada hoje, quando no passado se disputava um crachá. Isso é um sintoma grave de uma crise que nos atinge de forma objetiva e subjetiva”, disse ele ao abrir os trabalhos de uma das mesas de discussão do Congresso.

Um cenário incomum comparado a eventos anteriores do partido.
Rodrigo Cesar, 29 anos, membro da direção estadual da Juventude do PT de São Paulo e da corrente do partido Articulação de Esquerda, diz que a sigla poderia ter evitado essa queda de popularidade entre a juventude se tivesse aproveitado as manifestações de 2013. “Teve queda em 2013, mas foi menor, de 24% para 19%. Isso quer dizer que o movimento daquele ano não era ruim para nós. Ele fazia críticas que nós fazíamos às instituições falidas desse Estado burguês. Agora, se nós queremos nos colocar na posição de ‘vidraça’, essa é uma opção nossa.”

Para Paulo Costa, funcionário público e integrante da corrente Novo Rumo para o PT, a juventude petista fala muito a “linguagem dos velhos”. “Muitos jovens do partido têm o mesmo discurso dos fundadores da década de 80 e a molecada de fora não consegue se enxergar aqui dentro.”

A estudante de Direito Tamires Gomes Sampaio, 21 anos, integrante da corrente Construindo um Novo Brasil, acredita que a crise política não é problema apenas do PT, mas da esquerda como um todo. “A juventude está se afastando dos movimentos tradicionais, mas está se organizando e nós vemos cada vez mais coletivos surgindo”. Ela diz militar no movimento estudantil e também em coletivos de estudantes negros, prounistas e feministas, além de outros coletivos horizontais.

“O PT precisa aprender com as novas formas de expressão dos jovens”, disse à VICE o ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha. Para ele, a juventude atual se organiza mais por temas do que por organizações.

Um dos papéis que o partido precisa assumir, segundo o ex-ministro, é “tornar-se protagonista no enfrentamento ao genocídio da juventude negra”. “Um passo para isso consiste na derrota da proposta de redução da maioridade penal que está sendo discutida no Congresso Nacional”, defende.

Diante desse panorama, a presença de Gabriel Rodrigues dos Santos, 16 anos, destoava entre os participantes do encontro estadual do partido. O adolescente, que está filiado ao PT há um ano, disse que estava ali porque esperava “novas propostas para barrar o PL 4330/04 (lei que trata da regulamentação das terceirizações)” e que acreditava que o PT fosse melhor do que os outros partidos “por causa do Lula”. Ele mora em Carapicuíba e participou de outros dois encontros municipais do partido em Osasco.

Gabriel Rodrigues dos Santos, 16 anos, espera “novas propostas para barrar o PL 4330/04 (lei que trata da regulamentação das terceirizações)”
De acordo com o presidente da Associação Brasileira de Consultores Políticos (ABCOP), Carlos Manhanelli, a informação hoje se encontra mais disseminada e os jovens possuem maior acesso a ela em diversos meios, o que permite a eles analisarem melhor o que é do seu interesse. Um partido que queira se aproximar desse grupo precisaria apresentar uma ideologia que satisfizesse a sua vontade de participar da vida política da sociedade.

“O principal é ter o que falar. Vamos defender um ajuste fiscal, que acaba restringindo o acesso ao seguro-desemprego, quando a gente sabe que a mais alta taxa de rotatividade de emprego é entre os jovens? Como é que a gente vai falar pros jovens ‘venham para o PT’? Isso cria uma contradição muito grande”, argumenta Rodrigo Cesar.

Mas para ele existe uma solução para a sigla e ela apareceu no segundo turno das últimas eleições. De acordo com o membro da Articulação de Esquerda, foi a polarização do debate que fez com que Dilma virasse o jogo. “Nós íamos perder de lavada entre os jovens. Por que nós conseguimos reverter essa derrota? Porque a gente politizou o debate mais do que em muitos anos de gestão do governo Lula e Dilma por opção de fazer um programa à esquerda”, conclui o jovem militante petista.