segunda-feira, junho 29, 2015

Prefeito Zenaldo nega e desqualifica todas as denúncias sobre o que promoveu o incêndio no PSM

Zenaldo Coutinho negou que o incêndio tenha sido uma tragédia anunciada e que a prefeitura realizou a reforma de 30 ambientes no prédio.

video
Acima um trecho e aqui a entrevista completa, com o prefeito Zenaldo Coutinho, na TV Liberal.


"Com o incêndio acontecido, nós resolvemos de uma vez por todas concluir as obras aquilo que já iniciamos".  

Prefeito Zenaldo Coutinho explicando que a prefeitura estava fazendo as reformas necessárias no PSM da 14, quando ocorreu o incêndio que ceifou vidas, intoxicou diversas outras e obrigou a transferência de vários pacientes para outros hospitais.

O prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho iniciou sua entrevista ao telejornal Bom Dia Pará, da TV Liberal desta segunda-feira (29) dizendo que as denúncias de funcionários, pacientes e seus familiares, dos promotores do Ministério Público Federal e até dos servidores do Corpo de Bombeiros, não são verdadeiras e que o que aconteceu no PSM da 14 de Março foi uma fatalidade em apenas uma das salas cirúrgicas do principal hospital público da capital paraense.

Com uma pasta com documentos, que supostamente comprovarão tudo que foi feito para evitar a tragédia que ceifou vidas e deixa milhares de pessoas sem atendimento de urgência e emergência em Belém, o prefeito da cidade jogou a culpa pela não aquisição do Hospital Porto Dias, que era dado como certo pelo gestor desde quando se elegeu em 2012, nas costas da presidente Dilma.

O programa também exibiu a entrevista feita com a Procuradora do Ministério Público Federal, Melina Tostes que informou que o órgão havia ajuizado uma ação na Justiça Federal cobrando a resolução de cerca de inúmeras irregularidades graves, apontadas em laudo dos próprios bombeiros, datado de março de 2014. 

Ou seja, há mais de um ano atrás os problemas vinham sendo alertados que poderiam colocar em risco a vida de pacientes, trabalhadores e visitantes do PSM. 

Em nota publicada em seu site, um dia após o incêndio, o MPF informou que havia entrado com a ação na Justiça Federal contra a prefeitura de Belém para obrigar reformas emergenciais e, em outubro de 2014, uma decisão judicial obrigou o município a fazer as reformas. 

"O juiz José Márcio Silva, da 5ª Vara Federal, determinou que a prefeitura apresentasse um plano de regularização que deveria ser concluído no prazo de 360 dias. Em recurso contra a decisão, a prefeitura alegou que tinha realizado as reformas apontadas pelo Corpo de Bombeiros. O MPF pediu comprovação das reformas no processo judicial, mas até agora a prefeitura ainda não se manifestou". A ação do MPF foi proposta no mês de junho de 2014, após várias auditorias do Departamento Nacional de Auditorias do Sus (Denasus) e recomendações de melhorias que não foram observadas, colocando em risco a vida de pacientes, trabalhadores e visitantes. Algumas das irregularidades vêm sendo apontadas desde que o MPF começou a fiscalizar o Pronto Socorro, em 2005, sem nenhuma atitude por parte do poder público municipal.

Na ação judicial do MPF, uma das questões de destaque era justamente o risco de incêndio, apontado pelos procuradores da República Melina Tostes e Alan Mansur como absurdo e preocupante. “A deficiente estrutura do prédio do Hospital e a existência de fiação elétrica velha e exposta são deveras preocupantes, visto que possuem potencial suficiente para causar grave tragédia. Há, nos documentos acostados, várias ilustrações demonstrando a rede elétrica precária do nosocômio e constantes alagamentos que ocorrem nas enfermarias a cada chuva ocorrida na cidade. Isso é tão absurdo, quanto grave”, dizia a ação do MPF".

O prefeito Zenaldo Coutinho desmentiu ao vivo, a promotora do MPF-PA, Melina Tostes que foi entrevistada e falou da situação caótica em que se encontrava o Pronto Socorro Municipal de Belém. Além da promotora, o bombeiro que apareceu sendo entrevistado no telejornal, também foi desmentido pelo gestor municipal. 

Contradizendo o que os oficiais do Corpo de Bombeiros disseram depois das análises feitas no prédio, após o controle das chamas, o prefeito enfatizou que o comandante da corporação havia lhe dito que nenhum, absolutamente nenhum ambiente será interditado no PSM e que respeita a opinião pessoal dos bombeiros entrevistados pela emissora afiliada da Rede Globo, no dia do incêndio. 

Ficam duas pergunta no ar: Nem mesmo a enfermaria onde iniciou o incêndio será interditada, nem mesmo para uma simples pintura? Como pode o prefeito se esquivar e negar tudo que promotores públicos, juízes, bombeiros, médicos, enfermeiros, pacientes e visitantes do PSM denunciam? 

Outro fato curioso em sua entrevista e que chamou a atenção de várias pessoas nas redes sociais, é que de uma hora para outra, surgiu uma grande quantidade de leitos nos hospitais públicos municipais, estaduais e até na rede particular, que segundo o prefeito, foram uma rede solidária para atender os pacientes que foram transferidos.

O prefeito de Belém disse também sem explicar como e nem com que recursos, que até o meio do ano de 2016, a reforma geral do PSM será concluída e que um outro hospital privado está sendo comprado para desafogar o atendimento público da rede municipal de saúde e que contará com a ajuda do governo do Estado e do Ministério da Saúde para amenizar os problemas existentes. No entanto, gasta mais dinheiro público, para exibir em horário nobre de algumas emissoras de TV do Pará, um vídeo onde responsabiliza o governo federal pela falta de verbas para a compra do hospital Porto Dias.

video


Já o Sindicato dos Médicos do Estado do Pará diz que o incêndio foi sim uma tragédia anunciada. "Em várias visitas técnicas realizadas pelo Sindicato ao hospital ficou claro a necessidade urgente de reformas profundas de ordem estrutural, até que se pudesse comprar ou construir um novo hospital para se resolver definitivamente o problema da deficiência estrutural do prédio. Elaboramos vários relatórios com o resultado das visitas feitas ao hospital que foram encaminhados, como de costume, às várias esferas de poder público, municipal e estadual, bem como aos órgãos de fiscalização como o Ministério Público Estadual e Federal, com pedido de providências. Sendo assim, o sinistro de ontem, para nós, é apenas o resultado final de um processo que já vinha se acumulando ao longo do tempo. Um incêndio semelhante já tinha acontecido no ano passado, também originado por um aparelho de ar condicionado da UTI, quando mais uma vez alertamos a opinião pública e autoridades sobre o problema. Desta vez aconteceu em proporção bem maior acabando por interditar o hospital, congestionando a rede que não tem condições de substituir o pronto socorro de imediato. Sabemos que haverá improvisos  comprometendo seguramente o atendimento de qualidade, diz a nota do SINDMEPA.


O SINDSAUDE, sindicato dos servidores municipais que trabalham no PSM e sempre denunciaram o descalabro que acontece em nossa cidade e no Estado, até agora não se manifestou em seu perfil no Facebook

No dia em que um incêndio matou pacientes, intoxicou diversos outros, deixou dezenas de servidores da saúde sobrecarregados e mostrou as condições precárias da saúde pública, a CUT, central sindical que arrecada dos sindicatos filiados e segundo Marcio Pochmann, tem mais jornalistas que a Rede Globo, simplesmente ignorou o acontecido e optou em colorir seu avatar, divulgar sua plenária macrorregional e um debate sobre a Terceirização.

Em uma grupo de debate no WhatsApp, lideranças dos movimentos sociais comentaram que se esperava minimamente dos movimentos sociais paraenses, o uso dos meios de comunicação disponíveis para dar sua versão sobre os fatos que atingem os cidadãos paraenses.

Vereadores da oposição, bem que tentaram debater os rumos da saúde e as medidas que estão e foram anunciadas que serão tomadas pelo prefeito, que governa sem se importar para o poder legislativo, por saber que a maioria dos vereadores são seus aliados. No entanto, o vereador Fernando Carneiro (PSOL) publicou um vídeo denunciando a manobra adotada, para evitar que a situação fosse debatida na Câmara Municipal de Belém.

video

A vereadora Sandra Batista (PCdoB) também reagiu e apresentou requerimento convocando o Prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, para que ele prestasse esclarecimentos sobre o caso e também cobrar explicações sobre o que será feito com o prédio e da compra do Hospital Samaritano. 

Infelizmente a bancada de apoio ao prefeito Zenaldo se retirou da plenária, a fim de não permitir quórum para convocar o prefeito.



Assista um dos vídeos que circulam na internet, que mostra o momento exato do caos que foi para retirar e encaminhar os pacientes do PSM para outros hospitais, nesta tragédia que poderia ser evitada, precisa ser investigada e não pode ser esquecida. 

video