quarta-feira, outubro 07, 2015

CONFUSÃO NAS RUAS E NAS REDES


Por Diógenes Brandão

Tá todo mundo meio confuso, não acham?

O PSTU e o PSOL dizem que o PT não é mais um partido de esquerda e que implanta a política neoliberal, enquanto os partidos da direita dizem o contrário: Acusam o PT de ser comunista e de querer implantar o socialismo bolivariano no Brasil.

Os novos movimentos e manifestações de rua, que levam milhares de pessoas a saírem de suas casas aos domingos, com faixas e cartazes, com diversas expressões e críticas, são de fato superiores em número e organização, comparando-se aos movimentos sociais históricos, que muitas das suas lideranças se burocratizaram, mas mesmo assim, seguem de forma envelhecida, na luta por seus interesses.

Mesmo assim, a oposição brasileira diz que é necessário tirar o PT do poder, independente da forma, sob a alegação de que o partido quer implantar um regime totalitário, tal como diziam em plena guerra fria, com censura à imprensa e medidas autoritárias, como aconteceu na ditadura imposta pelos militares, quando deram dois golpes no Brasil.

Alguns grupos que defendem a saída do PT, também defendem a volta da ditadura, através de uma intervenção militar democrática (¿). Vai entender o que isso quer dizer!

E desse jeito, eleitores, filiados, simpatizantes e militantes do PT começam a se afastar do partido, ou evitar defendê-lo, sob a ótica, mesmo que disfarçada, de que o partido está "queimado", perante a sociedade.

Boa parte da classe dirigente partidária e sindical, não consegue reagir à onda conservadora que varre o país e cresce a cada dia. A militância já não sabe se crítica ou defende o governo, que tanto esforço fez para manter no poder, através da reeleição de Dilma, criticada inclusive por sindicalistas da ligados à CUT, central sindical presente em todos os estados brasileiros e que reúne mais jornalistas que a rede Globo, mas como não possui uma ação coordenada para se comunicar de forma eficiente com a classe trabalhadora, patinha sem cumprir o papel e a função social que tem potencial e legitimidade.

Blogueiros, comunicadores populares e ativistas digitas se organizam como podem e com imensa dificuldade lutam para democratizar a mídia, alimentada pela propaganda privada, mas principalmente com as verbas publicitárias do Estado, que são repassadas quase que integralmente para as empresas de comunicação, que se mantém de forma inconstitucional, sob o controle de 8 poderosas famílias brasileiras, as quais decidem de forma unilateral, o que vai ser noticiado e como será divulgada, toda e qualquer informação no Brasil.

Para manter a sua "liberdade de empresa", os donos da mídia dizem que defendem a democracia e a liberdade de expressão, mas através de seus tentáculos no parlamento e na justiça, coíbem a simples existência de rádios comunitárias e não abrem mão de manterem suas retransmissoras de rádio e TV, nas mãos de políticos e líderes religiosos, nos estados e municípios brasileiros, tal como a constituição federal proíbe, mas é sumariamente ignorada.

A classe média diz que bandido bom é bandido morto, mas saúda a existência de Eduardo Cunha. Dizem e conseguem influenciar milhares de pessoas para que sejam a favor da família, mas só se forem heterossexuais, brancas e não receberem bolsa família.


Afirmam que defendem direitos, mas não querem pagar o que as suas empregadas domésticas finalmente conquistaram: O salário mínimo e a carteira assinada, com FGTS pago pelo patrão.

Os ricos fazem panelaço contra a corrupção, mas sonegam impostos, compram carteira de habilitação para dirigirem e não perdem a oportunidade de sempre saírem ganhando muito, seja em suas negociações em busca do lucro, ou numa simples negociação trabalhista. Sem falar que ainda é comum o trabalho escravo e a exploração de mão de obra barata, devido ao enorme exército de desfavorecidos, herdados pelo atraso no fim do sistema escravocrata deste país e mantido por todos os demais governos que antecederam o atual.

A justiça manda prender os moleques pretos e pobres, que os policiais pretos e pobres espancam e torturam, em busca da confissão de que são bandidos, enquanto juízes e ministros do STF jantam com doleiros, que participam da lavagem do dinheiro público desviado da saúde, educação e segurança e quando alguma coisa dá errado, levando o "bacana" a ser flagrado ou denunciado, corre o "acerto" com o juiz e o bandido de paletó, ao invés de ser espancado até a morte, volta para sua casa em jatinhos, helicópteros ou carros de luxo.

Dizem que podem prender o ex-presidente Lula, pelo fato deste ter defendido interesses de empresas brasileiras, em outros países, mas José Serra é aplaudido por defender empresas estrangeiras que querem atuar na exploração da poderosa e extensa camada de Petróleo, o Pré-sal, recentemente descoberto no Brasil.

Barack Obama faz pelos EUA, o que Lula supostamente fez pelo Brasil, mas é o José Serra que é aplaudido, pela mesma imprensa que critica o ex-presidente brasileiro de fazer o que o americano faz pelo seu país.

Afinal de contas, onde vai dar e o que pretendem com toda essa confusão?

Tim Maia bem que disse que o Brasil é o único país que traficante se vicia, puta se apaixona e pobre vota na direita. Faltou só prever que o PT ficaria 4 ou mais eleições sem perder a presidência, para estes que andam como surtados, pelas ruas e redes sociais do Brasil.