Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, dezembro 11, 2015

Pesquisa aponta que maioria é contra fechar bares mais cedo em Belém

Projeto de lei quer que estabelecimentos noturnos fechem à meia noite durante a semana e às 2h às sextas, sábados e domingos. (Foto: Cristino Martins / O Liberal)
No site da DOXA

A Doxa foi a campo para avaliar a proposta do Ministério Público Estadual de reduzir o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas noturnas. De acordo com o MPE essa medida visa diminuir a criminalidade em Belém. Antes de fazer a pergunta chave da pesquisa, indagamos se o entrevistado costuma sair à noite para bares, restaurantes e casas noturnas. 23% dos entrevistados costumam sair sempre, 50% saem raramente; outros 27% não costumam sair. Para quem costuma sair, 62% saem só aos finais de semana, sábado ou domingo. Mas há uma parcela de 17% que saem sábado e domingo; outros 12% saem uma vez na semana.

Envolvimento em violência

A Doxa avaliou o envolvimento dos entrevistados com a violência através da pergunta: “Você ou alguém da sua família (pai/mãe/irmãos/companheiro(a)/filhos) já se envolveu em algum tipo de violência em bares/restaurantes/casas noturnas ou ruas) aqui em Belém?”. O resultado mostra que 81% dos belenenses já se envolveram em algum tipo de violência. Em função do objetivo do estudo, a pesquisa detalhou esse envolvimento: 56,1% se envolveram em assalto na via pública; 11,6% se envolveram em casas noturnas; 8,5% no trânsito.

Gráfico 1: Envolvimento em violência




A Doxa quis saber, também, o horário de maior incidência dessa violência: 52,4% disseram que foi a noite (até meia noite). O segundo maior horário do envolvimento foi a tarde, 22,6%; o terceiro horário da ocorrência foi de madrugada, 12,3%. Pela manhã o índice foi de 9,3%.

A favor ou contra a redução do horário

Através da pergunta “Você é Contra ou a Favor da proposta do Ministério Público de reduzir o horário de funcionamento de bares, restaurantes e casas noturnas em Belém de 11h às 23h, de segunda a sexta; e aos finais de semana, até as 2h?”, medimos o índice de quem é contra ou favor da proposta do MPE. A pesquisa mostra que a maioria, 50,9%, dos belenenses é contra essa medida; os que são a favor somam 33,5%; outros 15,5% são indiferentes à proposta.

Gráfico 2: A favor ou contra a proposta do MPE




A pesquisa procurou saber se essa medida do MPE, se for implantada, vai reduzir a violência em Belém. 68,6% dos entrevistados disseram que não vai diminuir. Apenas 14,6% disseram que vai diminuir; outros 16,8% ficaram em dúvida quanto à redução da violência.

Gráfico 3: Medida reduz ou não a violência.


Causas da violência

De acordo com os entrevistados “o tráfico/drogas”, 35,0% e a “lei que protege os menores infratores”, 30,4% são as principais causas da violência na cidade de Belém. A falta de policiamento, 18,6%, aparece como a terceira causa da violência. A falta de políticas públicas para a juventude é a quarta causa, seguida de bebida alcoólica e ausência de educação familiar.

Gráfico 4: Causas da violência



Atuação do Governo do Estado

A Doxa também avaliou a atuação do governo do Estado no combate à violência na cidade de Belém. A pesquisa mostra que 69,5% avaliam ruim ou péssima a atuação do Governo. Apenas 4,7% avaliam como boa. A avaliação regular chega a 21,9%.

Gráfico 5: Avaliação do Governo do Estado no combate à violência



Serviço:

Universo da Pesquisa: População do município de BELÉM.
Estratos de controle: Pesquisa quantitativa aleatória intercept, estratificada por quotas de sexo, idade e área geográfica/bairros.
Amostra: 600 entrevistas individuais.
Margem de erro: 4%; Intervalo de Segurança de 95%.
Checagem: 20% da amostra aplicada.
Período de coleta:  02 a 04 de Dezembro/2015.