segunda-feira, dezembro 14, 2015

Réu no STF, delegado 'prende' Lula, mas nomeia amigos no governo Dilma


Com sua pistola na cintura, o deputado federal Eder Mauro (PSD-PA) posou para um foto "prendendo" um homem com a máscara do ex-presidente Lula, na manifestação em prol do impeachment, realizado ontem (13), no centro de Belém do Pará.

O ato reuniu cerca de 500 pessoas, mas a PM disse que tinham 1.200 e a rede Globo chegou a noticiar em seus telejornais, que depois do centro da cidade, a caminhada se estenderia para bairros da periferia, o que de fato não aconteceu.

Publicada em primeira mão, nas redes sociais, a foto está tendo uma grande repercussão no Pará, estado onde o então delegado Eder Mauro foi o deputado federal mais votado nas eleições 2014, obtendo um pouco mais de 260 mil votos. 

A foto chegou em Brasília como uma bomba. Segundo um deputado do PSD, toda semana o deputado Eder Mauro reivindica cargos no governo que ele chama de corrupto, mas que seu partido faz parte e agora pressiona para que seus líderes arranquem do governo federal, a nomeação de um nome de sua confiança, para a direção do IBAMA, em Belém, mas até agora não teve êxito.

Em tom de comemoração, veículos da grande mídia publicaram a foto e o vídeo de Eder Mauro prendendo o homem com a máscara de Lula, como foi o caso de um colunista da VEJA e do jornal Estadão, veículos de imprensa declaradamente entusiastas da prisão do ex-presidente e do impeachment da presidente Dilma.


EDER MAURO INDICA NOMES PARA O GOVERNO QUE CHAMA DE CORRUPTO

Filiado ao PSD, partido que tem o controle do Ministério das Cidades e do SEBRAE, Eder Mauro já teria conseguido indicar várias pessoas para cargos de destaque, em órgãos do governo federal no Pará. Entre os indicados, está o seu próprio advogado, Jânio Souza Nascimento, que o defende em um processo onde o delegado é acusado de tortura. 

Pela gravidade do caso e a existência de um dossiê sobre os crimes cometidos por Eder Mauro e outros policiais, a denúncia do Ministério Público Estadual foi acatada pelo Ministério Público Federal e agora no STF, com a AÇÃO PENAL 967 (2), que tem como relator o Ministro Gilmar Mendes e como revisora a ministra Carmen Lúcia. 

Segundo uma fonte do Ministério Público Estadual, que por motivos óbvios não quis ser identificado, a persistência do MP em levar à frente a denúncia contra o delegado, conhecido "como matador de pobres", seria a principal motivação de Eder Mauro ter se candidatado a vaga de deputado federal, imaginando que assim poderia contar com a imunidade parlamentar e ficar impune com os crimes que é acusado de ter cometido, durante longos anos na polícia.

O jornalista Paulo Bemerguy publicou em seu blog, a informação de que Eder Mauro e mais dois deputados federais do Pará respondem por crimes na justiça, o que pode ser confirmado no levantamento feito pelo site G1.



O jornalista Lúcio Flávio Pinto revelou que a indicação do advogado de Eder Mauro para o órgão federal seria a prova cabal de uma aliança pensada pelo senador Jader barbalho, entre o PMDB e o PSD, visando as eleições municipais de 2016, onde o delegado seria apoiado para ser prefeito de Belém e depois retribuiria o apoio para Helder Barbalho ser governador do Estado do Pará, em 2018.
 


Em milhares de comentários, os internautas, em sua maioria, reprovam a conduta de Eder Mauro e o criticam duramente, tanto por sua atuação enquanto delegado, quanto como deputado.