Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, março 17, 2015

A direita tira a máscara, a Globo incentiva resto e a esquerda faz o quê?




































Por Diógenes Brandão

Este domingo sem dúvida ficará registrado.

Assim como o dia 15/03 de outros anos, outros eventos também já haviam registrado fatos marcantes da história brasileira.

A coincidência (?) é quem todos tinham alguma relação com a ditadura militar.

E ontem foi um dia intenso de percepção e interpretação das informações que a grande mídia e as pessoas manifestaram, tanto nas ruas, como nas mídias digitais, com destaque para o Facebook, o Twitter e o Whatsapp. 

Por internet, ou pela PT pudemos ver um pouco de tudo.

Do lado direito, manifestantes pedindo a intervenção militar, ofensas do pior tipo, tais como aquela que surgiu na copa, onde a televisão deveria não permitir as crianças assistirem de dia, como: "Ei Dilma, vai tomar no ** e defendendo até a morte da presidente Dilma, do ex-presidente Lula, dos filiados ao PT, além de frases contraditórias misturando a palavra "democracia", com "ditadura".

A percepção sobre a cobertura jornalística da grande mídia, com destaque à rede Globo é de que houve um investimento pesado na mobilização dos seus telespectadores.

E não foi nada discreta.

Trocaram o jornalismo por propaganda do evento. Marketing puro.

Cinegrafistas e editores trabalhando em real time, amparavam os comentaristas espalhados pelas empresas de televisão afiliadas da poderosa rede globo e não disfarçavam o incentivo para que as pessoas saíssem às ruas, pois segundo os jornalistas, estava tendo uma manifestação "pacífica", "ordeira", com segurança da PM, que garantiam até momentos de descontração de famílias, até com crianças (Sic).

O resultado não poderia ser outro: Pessoas saíram às ruas em algumas das principais capitais brasileiras, não de todas, e atenderam o chamado de criticar apenas o PT e o governo federal.

Lá, a responsabilidade da lógica capitalista, da justiça, dos governadores e prefeitos foi esquecida.

Tudo virou "culpa da Dilma e do PT".

Mas sobra pra socialistas, comunistas, anarquistas, centristas e até grevistas!

Esperar que o golpe em curso seja concretizado e aceitar ou simplesmente não se posicionar-se sobre o que aconteceu neste domingão, é deprimente. Urge a necessidade da unidade política dos setores progressistas como um todo, para organizar e estruturar as ações que deverão ser realizadas daqui em diante.

Precisamos cobrar e ajudar que isso se realize, sob pena de registrarmos nossa omissão histórica. 

Não é de hoje que intelectuais, jornalistas, blogueiros e ativistas digitais alertam a sociedade sobre o risco de transformarmos o debate político partidário em uma arena de guerra e selvageria. 

A turma que organizou essa manifestação não tem moral e nem passado limpo pra criticar desse jeito este governo, que pode não ser perfeito, mas foi o melhor que o Brasil já teve. 

Veja os números e compare qualquer índice, seja ele social ou econômico. Se quiser entender como a mídia é manipuladora e faz com que acreditem em tudo que dizem, pesquise sobre a palavra corrupção e compare o que este governo fez para combatê-la e perceberás que nunca um governo fez tanto para tentar remover esse câncer da sociedade brasileira. 

Apesar de ter casos onde petistas, (claro, o partido é enorme e temos corruptos nas igrejas, empresas e qualquer outra instituição) estão envolvidos em desvios éticos e corrupção, mas no geral é o governo que menos houve casos desta praga que chegou no Brasil em 1500 e até hoje persiste. Não surgiu agora, como tentam te fazer acreditar.

Se eu fosse dirigente de um partido de esquerda ou de uma central sindical, não deixaria de dialogar e de organizar um levante e ocupação das ruas, com trabalhadores do campo e da cidade. 

Impeachment é pouco

Bruno Toscano, o agitador da II Marcha da Família, com Deus, pela Liberdade esteve neste domingo em Belém do Pará.

Por Vladimir Safatle, na Folha.

Você na rua, de novo. Que interessante. Fazia tempo que não aparecia com toda a sua família. Se me lembro bem, a última vez foi em 1964, naquela "Marcha da família, com Deus, pela liberdade". É engraçado, mas não sabia que você tinha guardado até mesmo os cartazes daquela época: "Vai para Cuba", "Pela intervenção militar", "Pelo fim do comunismo". Acho que você deveria ao menos ter tentado modernizar um pouco e inventar algumas frases novas. Sei lá, algo do tipo: "Pela privatização do ar", "Menos leis trabalhistas para a empresa do meu pai".

Vi que seus amigos falaram que sua manifestação foi uma grande "festa da democracia", muito ordeira e sem polícia jogando bomba de gás lacrimogêneo. E eu que achava que festas da democracia normalmente não tinham cartazes pedindo golpe militar, ou seja, regimes que torturam, assassinam opositores, censuram e praticam terrorismo de Estado. Houve um tempo em que as pessoas acreditavam que lugar de gente que sai pedindo golpe militar não é na rua recebendo confete da imprensa, mas na cadeia por incitação ao crime. Mas é verdade que os tempos são outros.

Por sinal, eu queria aproveitar e parabenizar o pessoal que cuida da sua assessoria de imprensa. Realmente, trabalho profissional. Nunca vi uma manifestação tão anunciada com antecedência, um acontecimento tão preparado. Uma verdadeira notícia antes do fato. Depois de todo este trabalho, não tinha como dar errado.

Agora, se não se importar, tenho uma pequena sugestão. Você diz que sua manifestação é apartidária e contra a corrupção. Daí os pedidos de impeachment contra Dilma. Mas em uma manifestação com tanta gente contra a corrupção, fiquei procurando um cartazete sobre, por exemplo, a corrupção no metrô de São Paulo, com seus processos milionários correndo em tribunais europeus, ou uma mera citação aos partidos de oposição, todos eles envolvidos até a medula nos escândalos atuais, do mensalão à Petrobras, um "Fora, Alckmin", grande timoneiro de nosso "estresse hídrico", um "Fora, Eduardo Cunha" ou "Fora, Renan", pessoas da mais alta reputação. Nada.

Se você não colocar ao menos um cartaz, vai dar na cara de que seu "apartidarismo" é muito farsesco, que esta história de impeachment é o velho golpe de tirar o sujeito que está na frente para deixar os operadores que estão nos bastidores intactos fazendo os negócios de sempre. Impeachment é pouco, é cortina de fumaça para um país que precisa da refundação radical de sua República. Mas isto eu sei que você nunca quis. Vai que o povo resolve governar por conta própria.

A Marcha dos Hipócritas



Primeiro, vamos combinar uma coisa: se você votou em Aécio Neves, nas eleições passadas, você não está preocupado com corrupção.

Você nem liga para isso, admita.

Aécio usou dinheiro público para construir um aeroporto nas terras da família dele e deu a chave do lugar, um patrimônio estadual, para um tio.

Aécio garantiu o repasse de dinheiro público do estado de Minas Gerais, cerca de 1,2 milhão reais, a três rádios e um jornal ligados à família dele.

Isso é corrupção.

Então, você que votou em Aécio, pare com essa hipocrisia de que foi às ruas se manifestar porque não aguenta mais corrupção.

É mentira.

Você foi à rua porque, derrotado nas eleições passadas, viu, outra vez, naufragar o modelo de país que 12 anos de governos do PT viraram de cabeça para baixo.

Você foi para a rua porque, classe média remediada, precisa absorver com volúpia o discurso das classes dominantes e, assim, ser aceito por elas.

Você foi para a rua porque você odeia cotas raciais, e não apenas porque elas modificaram a estrutura de entrada no ensino superior ou no serviço público.

Você odeia as cotas raciais porque elas expõem o seu racismo, esse que você só esconde porque tem medo de ser execrado em público ou nas redes sociais. Ou preso.

Você foi para a rua porque, apesar de viver e comer bem, é um analfabeto político nutrido à base de uma ração de ódio, intolerância e veneno editorial administrada por grupos de comunicação que contam com você para se perpetuar como oligopólios.

Foram eles, esses meios de comunicação, emprenhados de dinheiro público desde sempre, que encheram a sua alma de veneno, que tocaram você como gado para a rua, com direito a banda de música e selfies com atores e atrizes de corpo sarado e cabecinha miúda.

Não tem nada a ver com corrupção. Admita. Você nunca deu a mínima para corrupção.

Você votou em Fernando Collor, no PFL, no DEM, no PP, em Maluf, em deputados fisiológicos, em senadores vis, em governadores idem.

Você votou no PSDB a vida toda, mesmo sabendo que Fernando Henrique comprou a reeleição para, então, vender o patrimônio do país a preço de banana.

Ainda assim, você foi para a rua bradar contra a corrupção.

E, para isso, você nem ligou de estar, ombro a ombro, com dementes que defendem o golpe militar, a homofobia, o racismo, a violência contra crianças e animais.

Você foi para a rua com fascistas, nazistas e sociopatas das mais diversas cepas.

Você se lambuzou com eles porque quis, porque não suporta mais as cotas, as bolsas, a mistura social, os pobres nos aeroportos, os negros nas faculdades, as mulheres de cabeça erguida, os gays como pais naturais.

Você odeia esse mundo laico, plural, multigênero, democraticamente caótico, onde a gente invisível passou a ser vista – e vista como gente.

Você foi não foi para a rua pedir nada.

Você só foi fingir que odeia a corrupção para esconder o óbvio.

De que você foi para a rua porque, no fundo, você só sabe odiar.