Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, agosto 21, 2015

Dilma: 150 anos depois, integração do São Francisco sai do papel



Via portal Vermelho.

“Um momento histórico”. Assim definiu a presidenta Dilma Rousseff em seu discurso durante inauguração da primeira Estação de Bombeamento (EBI-1) do Eixo Norte do Projeto de Integração do Rio São Francisco (PISF), em Cabrobó, Pernambuco, que contou com a participação de dezenas de lideranças políticas e sociais, entre as quais, a presidenta nacional do PCdoB, a deputada federal Luciana Santos.

“Vivemos um momento histórico porque essa obra foi concebida pela primeira vez quando Dom Pedro era imperador. Tem 150 anos que essa obra não saia do papel. E hoje estamos comemorando, pois ela é uma realidade”, enfatizou Dilma.

A presidenta fez questão de salientar que a obra se tornou realidade graças ao empenho e compromisso do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

“Há nessa obra uma questão de vontade política. Eu me refiro ao presidente Lula. É uma obra que esteve em pauta durante 150 anos. Precisou que um nordestino fosse eleito presidente. Que esse nordestino tivesse sido praticamente expulso de sua casa aqui em Pernambuco, que tivesse vindo para São Paulo e soubesse o preço, o custo em termos de vidas, de perspectiva de futuro e esperança que a seca impunha para a população do Nordeste. E aí, a vontade de fazer foi muito importante, por isso eu me refiro a ele porque teve um papel decisivo para que essa obra ocorresse”, salientou Dilma.

Vontade política e Lula

A presidenta recordou que há exatamente um ano, ela e o ex-presidente Lula estiveram em Cabrobó, para acompanhar o andamento das obras. “Naquele dia já ficamos impressionados. Mas a gente achou que era pouca. Ficamos mais admirados com essa estação de bombeamento e a de energia, que ainda estava em construção. Ficamos admirados com a grandiosidade dessa obra’, lembrou.


“O presidente Lula quer muito inaugurar essa obra e eu assumi com ele o compromisso de que nós vamos, juntos, inaugurar porque ficará pronta em 2016”, garantiu a presidenta.

Seca

Dilma também disse que não é possível evitar a seca, mas que o governo age para amenizar os impactos que tem sobre a população.

“Conviver com a seca é saber que mais cedo ou mais tarde ela chega, mas quando chegar, não nos pega sem proteção. É isso que queremos com esse canal", disse.

Dilma afirmou que tudo na obra é grandioso e complexo. “Agora é bom que a gente conte pra todo mundo o tamanho dessa obra porque muita gente falava 'isso não sai do papel'. Pois saiu do papel”.

São cerca de 500 quilômetros de canais, nove estações de bombeamento, 27 reservatórios, 4 túneis e 14 aquedutos, e junto de cada uma das nove estações de bombeamento terá uma subestação de energia para elevar a água a 35 metros de altura.



“Tudo nela é grande, mas tem uma coisa mais importante: é que essa obra vai beneficiar 12 milhões de pessoas. A gente mede uma obra não pela quantidade de concreto que ela tem ou pelo tamanho dos andares, mas a quem ela beneficia. E ela beneficia 12 milhões de brasileiros e brasileiras de 390 municípios do Nordeste”, frisou a presidenta.

Capacidade de abastecer o Uruguai e Paraguai juntos

Para se ter uma ideia da relevância da obra, 12 milhões de pessoas é mais do que a soma da população do Uruguai e Paraguai. “É como se tivéssemos um Uruguai e Paraguai dentro do Brasil e esses países fossem beneficiados com essa obra de integração do Rio São Francisco”, declarou a presidenta, salientando que uma das principais preocupações foi garantir que as comunidades que vivem no entorno do canal fossem atendidas, como pequenos agricultores rurais, assentados da reforma agrária, população quilombolas e indígenas.

“Seria um horror que as pessoas que moram aqui vissem a água passar e não tivessem acesso a ela”, ressaltou Dilma.

Obra

Como destacou a presidenta, a primeira estação de bombeamento inaugurada levará a água por 45,9 quilômetros. O investimento nesse trecho é de R$ 625 milhões e a execução do empreendimento gerou 9.980 empregos.

De acordo com a Agência Nacional das Águas (ANA), a obra vai ter capacidade de captar 26,4 m³/segundo, mesmo em períodos de seca. Isso representa 1,4% da vazão média do rio, ou seja, duas colheres de sopa para cada litro d'água despejado no mar. Na cheia, a captação pode chegar a 127 m³/segundo sem prejudicar o rio.

Além disso, o Ministério da Integração Nacional já investiu cerca de R$1,7 bilhão em ações de revitalização no rio. O total aprovado pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) para esse fim é de R$ 2,5 bilhões. 

Fórum Belém 400 Danos: Protagonistas da ideia de que uma outra cidade é possível.

Manifestantes abraçaram o PSM da 14 com uma grande faixa vermelha, exigindo a imediata conclusão da reforma do prédio que foi parcialmente interditado após um incêndio em uma das enfermarias.

O ato em frente ao PSM, seguida da manifestação que percorreu as ruas do centro de Belém do Pará, na manhã desta quinta-feira (20), foi um pouco diferente das que aconteceram nos demais estados do país. Além de ter uma pauta de reivindicação com assuntos locais, como a agilidade na reforma do Pronto Socorro Municipal e duras críticas às gestões do PSDB, tanto na prefeitura, quanto no governo do estado, os manifestantes mantém vivo um processo de organização iniciado há menos de dois meses e que inclui desde a participação de indivíduos pró e contra Dilma, até pessoas filiadas em partidos e ligadas aos movimentos sociais da esquerda paraense. O consenso fica na defesa por políticas públicas locais e a tentativa de reerguer a força do ativismo social na metrópole da Amazônia.

Belém está para completar 400 anos, desde que foi ocupada pelos Portugueses, que aqui ergueram igrejas para "educar" os índios e fortalezas militares para proteger a cidade de novos invasores, durante o período do imperialismo mercantilista europeu. Alguns séculos depois, foi palco de uma das mais brilhantes, corajosas e legítimas revoltas populares já acontecidas no Brasil, a Cabanagem.

Agora é hora de cobrar por tanto descaso dos governos que prometeram resolver os problemas históricos que a cidade mantém. A falta de saneamento ambiental é um dos mais graves e sérios problemas, mas a violência urbana desenfreada, a falta de atendimento humanizado nos hospitais públicos e o desordenamento urbano, fazem de Belém uma cidade atrasada e sem muitas coisas boas a se falar, a não ser as suas belezas naturais e sua arquitetura, erguida no clico da Belle Époque, trazida com a venda da extração da seringa, a matéria prima da borracha, que abasteceu a indústria automobilística mundial. 

Apesar das críticas ao governo federal, a defesa da democracia foi enfatizada por todos os manifestantes que criticaram as manifestações e ações pró-golpe e o impeachment de Dilma e a criminalização do PT e dos partidos de esquerda.

Movidos pelo espírito de luta e fazendo um contraponto às bandeiras fascistas que pedem intervenção militar e a interrupção democrática através de um golpe, diversos ativistas moradores da região metropolitana de Belém, organizam atos de protestos e pautas de reivindicações, neste ano em que a prefeitura e o governo do estado pensam em festejar os 400 anos da cidade. Por isso, o Fórum Belém 400 Danos - Uma outra cidade é possível, visa mostrar as mazelas que existem e buscar soluções para resolvê-las. 

A manifestação de ontem, foi mobilizada por um coletivo que debate ações e medidas para melhoria das condições de vida da população, bem como sugerir ao poder público a utilização dos espaços públicos com mais participação popular e controle social. Nestes debates, há grupos de representantes de diversos movimentos sindicais, populares, religiosos, culturais, esportivos e até quem não tenha vinculo com nenhuma organização ou partido.  

Representantes do Movimento Marajó Forte e Ação da Cidadania estiveram com seus cartazes em defesa da democracia.

Apesar de protestar contra a prefeitura e o governo do Estado, houveram manifestantes que não deixaram de criticar o governo Dilma, assim como seu ajuste fiscal e a "Agenda Brasil", medidas que o governo federal defende para frear a crise econômica. Além de várias faixas e cartazes trazerem outras pautas, tais como a reivindicação pela democratização da mídia, mais verbas para a educação pública, entre outras bandeiras dos movimentos sociais.

O mais novo sindicato dos professores das instituições federais de ensino superior, esteve presente no ato com dezenas de professores e estudantes da UFPA e IFPA.

Segundo matéria publicada no portal G1 da rede globo, "durante a caminhada, os manifestantes levaram um boneco vestido de presidiário com o número 171 estampado no peito. Segundo eles, a figura representa o presidente da Câmara, deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que foi denunciado ao STF por corrupção pelo procurador-geral da República Rodrigo Janot na tarde desta quinta-feira".

As reuniões acontecem geralmente nas quarta-feiras, a partir das 17h, no Sindicato dos Urbanitários, em Belém do Pará e começaram após uma interrupção do fornecimento d'água, provocado por um incêndio no sistema elétrico da principal estação de tratamento da Companhia de Saneamento do Pará, no fim do mês de Junho deste ano. A faltá d'água provocou grandes transtornos na vida de mais de um milhão de pessoas, em cerca de 28 bairros.

Acesse a página www.facebook.com/ForumBelem400Anos e conheça melhor o que está sendo pensado e feito em busca de uma cidade melhor e participe.

Derrotado em 2014, ex-senador Mário Couto deixará o PSDB

Couto gritava aos quatro ventos que Dilma cairia e como todos sabem, a presidente se mantém no cargo e no seu partido, enquanto Mário Couto perdeu o cargo e agora sai do seu partido, depois de perder a disputa interna que travava com o governador Simão Jatene.
O senador tucano que já foi preso por porte de armas de grosso calibre  e por comandar bancas do jogo do bicho no Pará, Mário Couto anunciou que se desfiará do PSDB, depois de 25 anos na legenda. O rumo do mesmo ainda é incerto, podendo até ir para o PMDB, partido que ele já foi filiado.
Em Brasília, Mário Couto sempre foi um dos senadores do PSDB que mais atacavam o PT e os governo de Lula e Dilma. Em 2014, ano em que tentou a reeleição, chegou a protocolar dois pedidos de impeachment contra Dilma, o primeiro em Abril e o outro em Novembro, já depois de derrotado, pois ficou em terceiro lugar, com apenas 18,46% dos votos válidos, enquanto Paulo Rocha (PT) obteve 46,23% e ocupou a única vaga existe naquele disputa ao senado. 
Bravatas e corrupção
Embora não muito explicada, sua saída do PSDB é tida como resultado de conflitos com seus colegas de partido no Estado do Pará e já havia sido anunciada em junho do ano passado, quando chamou o governador Simão Jatene de mentiroso e safado.

Sempre com discursos recheados de uma falsa moralidade e chamando seus adversários de corruptos, em novembro de 2012, o senador teve seus bens bloqueados por determinação da Justiça do Pará, a pedido do Ministério Público. Mário Couto foi acusado por improbidade administrativa em licitações na Assembleia Legislativa do estado, quando como deputado estadual presidiu aquela casa entre 2003 e 2007. 

Os promotores paraenses alegaram ter encontrado contratações suspeitas em sua gestão, como uma fábrica de tapioca que foi contratada para prestar serviços de engenharia, e solicitaram a devolução de R$13.000.000,00 (treze milhões de reais) desviados do erário. 
Já como senador, Mário Couto foi acusado de financiar o Cuiarana com dinheiro público do DETRAN, órgão que esteve sob o comando de apadrinhados por ele. Segundo matéria do jornal Diário do Pará, "o senador operou a mágica de transformar um clube inexpressivo do interior paraense numa agremiação com ares de Primeiro Mundo, com estrutura de deixar no chinelo até mesmo clubes tradicionais como Remo e Paysandu. Especula-se que, por baixo, a folha salarial do clube alcance R$ 400 mil por mês".
Antes disso, os cofres do DETRAN já haviam sido arrombados por outro esquema coordenado por Sérgio Duboc, amigo de confiança e indicado pelo senador Tucano para operar a gatunagem. Após ser tido como foragido da polícia, pegou o beco e até hoje seu paradeiro é desconhecido. 
Com todos esses indícios e escândalos, Couto agora teme ter que responder pelos crimes e esquemas de corrupção que sempre foi acusado, mas que a imunidade parlamentar lhe aliviada a barra. Por isso, pensa em continuar na política, vindo a "escolher" outro partido e manter-se impune. Especula-se que ele possa engrossar as fileiras do PMDB ou do PSD, mas ele ainda não confirma, só diz em alto e bom som que tem a certeza de que será amigo por toda a vida do presidente nacional do PSDB, o senador Aécio Neves.
Que tal me acompanhar no twitter?!