Pesquisar por palavra-chave

sábado, janeiro 02, 2016

Programa do PCO defende o governo melhor que o próprio PT



Por Diógenes Brandão

Mesmo mantendo as críticas ao governo e a política econômica do PT, o programa do Partido da Causa Operária (PCO), que foi ao ar na noite deste réveillon (31), chamou a atenção de muitos telespectadores que encheram de comentários as redes sociais do partido, tanto pró, quanto contra o seu conteúdo. A página do partido desde então foi atacada por fakes e perfis de pessoas claramente defensoras dos ideias da direita.

Já entre os militantes dos partidos de esquerda, o programa ganhou o título de "melhor do ano", seja pela objetividade de seu conteúdo e firmeza nas afirmações contra o golpe, quanto pelo visível descarte dos efeitos especiais e grandes investimentos em pirotecnias pérfidas, comuns aos onerosos marqueteiros que encarecem os programas de TV dos demais partidos.

Além disso, chama a atenção o fato do programa ter feito um raio-X contundente sobre as tentativas de golpes da direita do Brasil e demais países da América Latina.

A blogueira Conceição Oliveira (Maria Frô) usou seu perfil pessoal em uma rede social, para comentar o vídeo com entusiasmo:

Como não amar o PCO?
Em seu programa político dá nome aos bois
chama tucanos de golpistas
explica o projeto entreguista do privateiro Serra
explica o horror promovido pelo fechador de escolas, o tucano Alckmin
explica como os moralistas sem moral não tem a menor intenção de combater à corrupção porque são os maiores corruptos
Mostra quem foram os agressores de Chico Buarque e a herança escravista e caloteira do patrimônio público deles.
deixa claro que é preciso sair à ruas, enfrentar a direita golpista, botá-la pra correr
deixa claro para Dilma que não foi lhe entregue um cheque em branco
Se todos os dias houvesse um programa didático deste, essa ladainha da direita lacerdista e golpista seria desmascarada mais cedo.


Dilma acaricia os leões

Assim como em 2011, Dilma privilegia o jornal Folha de São Paulo e despreza a poderosa rede de voluntários na internet.

Por Diógenes Brandão

Duas horas após os fogos de artifícios, brindes e abraços anunciarem a virada do ano de 2015 para o de 2016, o jornal Folha de São Paulo publicou com exclusividade, mas sem nenhuma foto, o artigo com a primeira mensagem do ano, enviada pela presidenta Dilma ao povo brasileiro, sob o título "Um feliz 2016 para o povo brasileiro".

Como já havia dito ontem, este meticuloso blogueiro, mesmo controlando sua ansiedade ainda não conseguiu entender o motivo de tamanho privilégio concedido ao impresso da família Frias. Dilma sabe, ou deveria saber, que tem uma gama de mais de 10.817 outros veículos - como já foi dito aqui - pagos com verbas publicitárias estatais, sem falar das centenas de milhares de blogues e redes sociais de ativistas digitais que compartilham e reproduzem os conteúdos de seu governo voluntariamente.

Mais estranho ainda é o fato do Blog do Planalto, veículo oficial do governo só ter feito a publicação da mesma mensagem da presidente, às 13:39 da sexta-feira (1), ou seja, 12 horas depois do jornal da família Frias ter publicado o conteúdo exclusivamente para seus leitores assinantes.

Ambos os fatos causaram um tremendo mal estar entre blogueiros e ativistas digitais que já sentiram o mesmo embrulho no estômago, quando Dilma compareceu na festa de aniversário dos 90 anos da Folha de São Paulo, em 2011. Naquela oportunidade única de não ir, Dilma foi e fez um discurso que deixou blogueiros como eu, de cabelo arrepiado. 

Em um trecho de seu discurso, Dilma chegou a elogiar a qualidade do jornalismo da Folha. "A mesma Folha que estampou uma ficha falsa da atual presidenta em sua primeira página, dando início a uma campanha oficial que pretendia estigmatizá-la, às vésperas da campanha eleitoral de 2010, como terrorista, assaltante de banco e assassina. A ela e a seus companheiros de luta, alguns mortos no combate à ditadura. Ditadura, aliás, chamada de “ditabranda". A Folha jamais pediu desculpas (nem a seus próprios leitores, diga-se de passagem) por ter ostentado uma ficha falsa fabricada por sites de extrema-direita e vendida, nas bancas, como produto oficial do DOPS. Jamais", conforme o jornalista Leandro Fortes lembrou à época, em seu artigo Dilma na cova dos leões, publicado na Carta Capital.


Leia também 




13 anos de PT e o grosso da publicidade do governo vai para os barões da mídia

Por Diógenes Brandão

Em dezembro de 2014, este blog reproduziu a postagem A desonestidade da mídia ao falar sobre blogs e publicidade estatal, de Pedro Muxfeldt, que esclareceu como a mídia se esforça com o ilusionismo para transformar água em vinho e bandidos em mocinhos. 

A matéria do jornal Folha de São Paulo que publicou um levantamento realizado no período de 13 anos (2000-2013), onde mostrou que o investimento em propaganda estatal feito pela União, teria aumentado cerca de 65%, totalizando 15,7 bilhões, sendo que só naquele ano, a soma chegou ao recorde de 1,48 bilhão. 

Não é difícil perceber que as empresas estatais que mais investiram em propaganda foram a Petrobras, a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil, com 86% do investimento total. Os anúncios destas empresas são facilmente encontrados em TVs, rádios, jornais, revistas e internet.

Para se ter ideia de como andam as coisas, a TV Liberal, empresa pertencente à família Maiorana, que controla rádios, jornais e uma emissora de TV no Pará, recebeu a soma de R$ 655.841,68,00, enquanto a revista VEJA que é de circulação nacional, obteve no mesmo período R$ 209.007,75, segundo dados divulgados pela SECOM (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), responsável pela comunicação do governo federal. 

Antes de 2014, o governo federal, nunca havia divulgado os valores gastos com a área de propaganda, mas uma ação ganha pelo jornalista e colunista do portal UOL, Fernando Rodrigues no STJ, garantiu a socialização das informações, mantidas em sigilo por todos os governos anteriores, sob o argumento de que prejudicava a negociação de preços, entre a SECOM e seus anunciantes. Fernando e a empresa onde trabalha (UOL) é óbvio, não gostam de concorrência.

O gráfico abaixo, publicado pelo jornal da poderosa família Frias, revela os principais investidores e seus respectivos beneficiados com as verbas destinadas no período de 13 anos, sendo que os 02 primeiros, foram os últimos anos do governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB).



Um dos poucos veículos da imprensa alternativa que recebe verba publicitária de órgãos do governo, o site Brasil 247, reagindo à provocação do jornal Folha de São Paulo, revelou que a maior parte do investimento em propaganda estatal continua concentrada nos velhos barões da mídia brasileira. 

Assim como a Folha, outros veículos de imprensa se mostram incomodados com a destinação de verbas publicitárias para quem não é do clã dos barões da mídia.

Voltando ao que Pedro Muxfeldt escreveu, um gráfico e um trecho de seu artigo fazem um importante esclarecimento dos fatos: 



Na imagem, ele apresenta a audiência do mês de dezembro das páginas, que por causa das festas de fim de ano costuma ser um período de baixa em qualquer portal da internet, e a compara com o ganho anual em publicidade que elas tiveram. A tática seria burra se não fosse canalha.

Se dividirmos por 12 a verba obtida pelas páginas, fica mais claro o quanto elas lucraram de verdade. A revista Fórum, por exemplo, recebeu, em média, R$ 4.800 por mês, quase nada para sustentar uma redação. Dono do maior ganho, o Brasil 247, teve cerca de R$ 90 mil por mês para tocar sua estrutura.

AS FALAS DA PÓLIS, que no (fraco) mês passado teve uma audiência de cerca de quase meio milhão de visitantes (Blog e Funpage), lembra que tanto Lula, quanto o ex-ministro das comunicações, Ricardo Berzoini chegaram a defender regulamentação da mídia em entrevista a blogueiros e que neste período de 13 anos, o número de empresas e veículos de comunicação que receberam verbas de publicidade da União, pulou de 4.398 em 2000 (governo FHC) para 10.817 (governo Dilma), ou seja, mais que o dobro.

No entanto, o governo petista mantém a concentração da maior fatia deste investimento, estratégico para o governo e o desenvolvimento do país, nas mãos de poucas famílias de grandes empresários. 

Isso precisa mudar!