Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, janeiro 05, 2016

Belém 400 danos: Promessa de creches ficou só na propaganda eleitoral


Por Diógenes Brandão

O vídeo acima, com a promessa do então candidato a prefeito de Belém Zenaldo Coutinho em 2012, hoje serve como prova de mais uma mentira criada pelo marketing da campanha eleitoral do PSDB, que criou expectativas que foram sumariamente ignoradas, tão logo o prefeito foi eleito com o voto da maioria da população.

Anunciada para esta segunda-feira, a fila para matrículas dos seus filhos levou pais e responsáveis a madrugarem em frente aos locais pré-determinados pela prefeitura, mas nem todos que amanheceram em condições humilhantes conseguiram garantir o direito de educar seus filhos.

Por isso, de ontem para hoje, os dois maiores veículos de comunicação do Estado do Pará confirmaram a falta de vagas para as crianças pobres de nossa cidade, quando realizaram a cobertura da busca por matrículas.

"Mayara Lima tenta desde 2014 matricular em uma creche a filha Júlia, de 3 anos, pois ela estuda e quer voltar a trabalhar, mas não tem onde deixar a menina. 'A gente tem esperança que no futuro alguém desista e a gente consiga pegar uma vaga', afirma a estudante na matéria publicada no portal G1 Pará, que noticiou a informação repassada pela Secretaria Municipal de Educação (Semec), de que 5.700 crianças de até 5 anos de idade podem ficar sem vagas para o ano de 2016.

Já o Diário OnLine informa que o déficit de vagas em creches em Belém chega a 74%. "Já na creche da Unidade de Educação Infantil Encantos do Saber, na rua dos Caripunas, também na Cremação, a fila estava menor durante a noite. Cerca de 15 pessoas aguardavam sentados na calçada. Com 53 anos, Dulce Trindade precisa matricular os netos de 2 e 3 anos no Maternal I (que tem 14 vagas) e Maternal II (que oferta apenas 3 vagas). “É complicado para a gente ficar aqui na madrugada, sem poder dormir ou se alimentar direito”, informou outra matéria do jornal.

Suposta "pegadinha do assalto" acaba em prisão de advogada paraense

Imagem meramente ilustrativa. Fonte: Google.
Por Diógenes Brandão

Uma advogada que prefere não se identificar, contou com exclusividade ao blog AS FALAS DA PÓLIS, a sua versão sobre a prisão dela e de mais dois amigos, após a gravação de um vídeo que seria divulgado nas redes sociais como "pegadinha". 

O fato aconteceu na noite do último domingo (03), no município de Rio Maria, na região sul do Pará, onde um grupo de amigos foi preso na delegacia da cidade por 24h, acusados de roubo à mão armada e porte ilegal de arma, sendo liberados após o pagamento de fiança no valor total de R$ 8.100,00.

Segundo a advogada, ela e mais quatro amigos, sendo dois jovens de 18 anos e duas adolescentes resolveram fazer uma pegadinha, escolheram um jovem que estava sozinho e simularam um assalto, levando o celular da "vítima". Logo em seguida, após consumado o fato, voltaram e devolveram o aparelho. 

No entanto, o rapaz "assaltado" não gostou da brincadeira e pediu ajuda para alguns mototaxistas que perseguiram o grupo, que adentrou uma festa. O rapaz assaltado acionou a polícia militar e uma viatura capturou o trio brincalhão, levando os acusados para prestar esclarecimentos na delegacia da cidade e 24h depois, o grupo foi liberado, após o pagamento de fiança arbitrada pelo delegado de plantão. A brincadeira custou a bagatela de R$ 2.700 para cada um dos envolvidos.

Segundo uma fonte do blog, o boletim de ocorrência consta das acusações de corrupção de menor, associação criminosa, porte ilegal de arma (arma com numeração raspada) e roubo. Ainda segunda a mesma fonte, membros da OAB-PA foram notificados sobre o fato, mas até agora a entidade não emitiu nenhuma nota sobre o ocorrido.

Além disso, nenhum veículo de comunicação local noticiou o ocorrido, talvez pelo fato de envolver pessoas de classe média alta e influência política. "Se fossem negros e pobres, teriam suas fotos publicadas nas páginas policiais e exibidas em programas de TV do gênero", resume a fonte do blog.

A oposição e os "salvadores da pátria"


No blog do Mauro Santayana

As divulgação de "acusações" de delatores “premiados” contra os senadores Renan Calheiros, Randolfe Rodrigues, Fernando Collor e Aécio Neves vêm corroborar o que afirmamos recentemente em O impeachment, a antipolítica e a judicialização do Estado. 

A criminalização da política, na tentativa e na pressa de retirar o PT do Palácio do Planalto por outros meios que não os eleitorais, iria descambar para a condenação, paulatina, geral e irrestrita, da atividade como um todo.

Esse é um processo que parece estar focado, além de, principalmente, no PT, também nos partidos ou candidatos que possam fazer sombra, no campo adversário ao do governo, ao projeto messiânico de um “novo Brasil” que está sendo engendrado à sombra da ambição e do deslumbramento das forças surgidas da “guerra contra a corrupção” e da “Operação Lava-Jato”.

A entrevista da semana passada, com o procurador Deltan Dalagnoll, na primeira página do Correio Braziliense  e a capa da retrospectiva de Veja, com a cara fechada do Juiz Sérgio Moro, com o título de “Ele salvou o ano” (a segunda, se não nos enganamos) que - será por mera coincidência? - lembra a capa da mesma revista com o rosto de Fernando Collor, com o título de “O caçador de Marajás”, publicada muito antes de ele anunciar-se candidato a presidente da República – são emblemáticas do que pode vir a ocorrer - do ponto de vista midiático - nos próximos três anos.

Só os cegos, os surdos, ou os ingênuos, não estão entendendo para que lado começa a soprar - quase como brisa - o vento - ou melhor, para tocar que tipo de música está começando a se preparar a banda.

Mineração está matando outro grande rio no Pará. Quem liga?


O Rio Tapajós como está hoje, o verde-azul de suas águas vai ficando amarelado por causa da poluição avassaladora dos garimpos ilegais. Desastre econômico, à saúde pública, aos cardumes e ao turismo. (Foto: Nilson Vieira).

Por Manoel Dutra em seu blog, sob o título "A morte anunciada chegou: Adeus Tapajós, adeus encontro das águas, adeus praias, adeus Alter do Chão..." 

De nada adiantou mostrar, pedir, denunciar, publicar carta aberta ao governador do Estado, fazer abaixo-assinado, solicitar a interferência do vice-governador que nasceu às margens do Tapajós, prefeitos, vereadores, deputados. Até mesmo parte da sociedade da região Oeste do Pará parece ter imaginado que isso nunca aconteceria, aliás, que isso nunca se repetiria, como se verificou há quase três décadas: a contaminação de mais de 700 quilômetros de extensão do Rio Tapajós e de seus principais afluentes chegou à sua foz, diante de Santarém.

E agora, como ficará a nascente indústria do turismo que hoje emprega milhares de pessoas ao longo do rio entre Santarém e Itaituba? E a saúde pública, ameaçada pela contaminação dos cardumes por metilmercúrio? E a economia, de modo geral, do Oeste do Estado? E as decantadas belezas daquela região, que atrai os próprios moradores e visitantes de muitas outras partes do Brasil e do exterior? 

Talvez ainda agora, hoje, alguém haverá de negar a realidade que está aí diante dos olhos: a poluição por barro, mercúrio, cianeto, sabões, detergentes, graxas e combustíveis tudo isso está agora chegando à frente de Santarém, matando o o encontro das águas e fazendo desaparecer a coloração verde/azulada cuja beleza sempre foi uma das características da foz do Tapajós, onde o grande rio deságua no Amazonas.

Esta era a cor do Tapajós, na sua foz, até novembro passado, na foz, local em que ele deságua no Amazonas, de cor naturalmente amarelada. (Foto: Nil Vieira).
Hoje de manhã, o engenheiro agrônomo Nilson Vieira, uma voz quase solitária a mostrar a devastação das fontes de vida e beleza do Oeste do Pará, em sua página do Facebook, escreveu o que segue:

"As duas primeiras imagens foram feitas hoje (29/03/15) e mostram o Rio Tapajós com águas sem as cores verde-azuladas que lhe são características. As duas outras foram feitas em um passado bem recente, em agosto e novembro de 2014, apresentando cores bem típicas. Segundo moradores das margens do Tapajós, isso não resulta de um fenômeno natural, sendo consequência da atividade garimpeira no leito do Tapajós e de seus afluentes. Pelo jeito, a mistura de barro, lama e metais pesados chegou à foz do nosso lindo rio azul. E agora, José?" 

Na frente de Itaituba, o Tapajós feito lama, em foto do dia 11 de março passado. Na imagem menor, à direita, o rio como ele foi até pouco tempo atrás. (blog José Parente).
Imagem do Tapajós e do lago de Alter do Chão, de dentro de um avião comercial, em setembro de 2012. À esquerda, a 600 metros de altura, já era possível observar a mudança de cor do Tapajós.

Alter do Chão, em setembro de 2013. Ainda se via a cor natural do rio. E agora, turismo?
Tapajós na frente de Itaituba, em dezembro de 2014. Um mar de lama, sem peixes. Rio morto. (Foto Padre Sidney Canto).