domingo, maio 21, 2017

Belém conclama o Fora Temer e eleições diretas


Por Diógenes Brandão

A praça da República, em Belém do Pará recebeu na manhã deste domingo (21), cerca de 300 manifestantes. Ligadas à diversos movimentos sociais, as lideranças se revezavam no microfone ligado a um mini-trio e discursavam com uma pauta em comum: A renúncia de Temer, a suspensão das reformas da previdência e trabalhista e eleições diretas já.

Muitos dos que participavam da manifestação, conclamavam a população para ocupar Brasília, no ato convocado pelas Frentes “Povo Sem Medo” e “Brasil Popular”, no dia 24 deste mês. Financiados por sindicatos e suas centrais sindicais, cerca de 22 ônibus deixarão Belém em direção à capital federal, onde pretendem demostrar força e pressão popular para derrubar Temer e convocar eleições diretas para presidente da República.

Na avaliação da ativista cultural Telma Saraiva, “o cenário político está incerto, tendo a casa grande se movendo para se manter de pé. Exemplo disso é a rede Globo que derrubou algumas peças do tabuleiro, mas de forma estratégica, seu objetivo final é incriminar Lula e tirá-lo da disputa eleitoral em 2018”.

A presidente do Sindicato dos Professores das Instituições Federais de Ensino Superior do Pará, professora Socorro Coelho aproveitou para convocar os educadores e estudantes paraenses, que não tiverem condições de ir à Brasília, para participarem da Conferência Livre de Educação. Socorro Coelho também informou que o Governo Federal excluiu 08 entidades do Fórum Nacional de Educação e por isso, entidades como o PROIFES, estão em alerta contra as arbitrariedades cometidas por Temer.

Entre os demais participantes, parlamentares como o deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL), o deputado estadual Carlos Bordalo (PT) e a vereadora de Belém, Marinor Brito (PSOL) estiveram presentes com suas assessorias, no ato onde esperavam-se muito mais políticos, representantes sindicais e dos diversos movimentos sociais, que em tese, lutam contras as reformas e pela queda de Michel Temer.