terça-feira, maio 30, 2017

PSB reúne lideranças e traça planos na inauguração de sua nova sede estadual

Em inauguração da nossa sede do partido, lideranças estaduais do PSB revelaram planos do partido para 2018. 

Por Diógenes Brandão

Com a presença de lideranças do partido, entre os quais o seu presidente nacional, o PSB apresentou sua principal estratégia eleitoral para 2018: Lançar a candidatura do atual deputado estadual Sidney Rosa ao governo e do deputado estadual Cássio Andrade como deputado federal.

Realizada na noite desta segunda-feira (29), em Belém, a inauguração da nova sede estadual do PSB contou com a presença de diversas lideranças política. Na abertura do evento, o presidente estadual do partido, Cássio Andrade, fez um breve resgate sobre a história da legenda no estado, lembrando da importância do ex-senador Ademir Andrade, seu pai que fundou e levou o PSB aos quatros cantos do Pará. Ao lado de deputados e vereadores, Cássio fez a apresentação dos presentes, entre os quais, o convidado de honra da noite, o presidente nacional do partido, Carlos Siqueira.

Entre os presentes, o vereador eleito por Ananindeua e atual secretário de cultura de Ananindeua, Fábio Figueiras, que lembrou do legado do partido no estado e no cenário nacional, destacando a campanha de Eduardo Campos a presidente do Brasil em 2014, quando com seu nome, o partido foi muito longe.

O vice-prefeito de Belém, Orlando Reis, deu as boas vindas ao presidente nacional do PSB em nome do prefeito da cidade e depois de revelar que não será mais candidato nas próximas eleições, disse que vai se dedicar à campanha de eleitoral de Cássio Andrade para a câmara dos deputados, uma das prioridades do partido para 2018.

Michel Durans, atual secretário de Justiça e Direitos Humanos do Estado do Pará, disse que se orgulha de fazer parte do PSB e que o Brasil e o Pará precisam se preocupar com o desenvolvimento social para fazer com que haja justiça de fato.

O prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro (PSDB), admitiu ser pré-candidato ao governo do Estado, dizendo de forma metafórica de que joga melhor como centro-avante, mas se for para ocupar outra posição, ele certamente atuará e quer jogar junto com times como o do PSB.

Presidente da ALEPA, Márcio Miranda (DEM) falou da importância do PSB no Brasil e no Pará.

O presidente da ALEPA, dep. estadual Márcio Miranda (DEM), saudou os integrantes do partido e destacou os valores e a importância das duas principais lideranças do partido no Pará: Cássio Andrade e Sidney Rosa, pré-candidatos do PSB a deputado federal e ao governo do Estado, respectivamente.  

Márcio Miranda foi enfático ao dizer que acredita que mesmo que o DEM e o PSB sejam partidos de porte mediano, “com o esfacelamento das estruturas partidárias e as investigações que recaem sobre as principais lideranças políticas, as chances de renovação são promissoras”.

Cotado para ser candidato a governador, Sidney Rosa disse que PSB ainda vai dialogar muito sobre 2018.

Bastante aplaudido, o deputado estadual Sidney Rosa destacou que a crise política brasileira, embora traga abalos à nação, ao mesmo tempo abre espaço para que mudanças possam acontecer. Ao se referir sobre a sua pré-candidatura, abordada por quem o antecedeu, Sidney foi comedido: “O PSB continuará dialogando para ver o que é mais importante para o partido e por consequência, para o nosso povo”.

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, iniciou sua fala dizendo o quanto gostou de ouvir novamente o sotaque dos paraenses e que nestes 70 anos de fundação do partido, 25 anos foram de suspensão dos direitos partidários por causa da ditadura. Com o retorno à democracia, o partido de lança ao desafio de contribuir com o enfrentamento das desigualdade sociais e destacou: “Com a crise política que atravessamos, o PSB tem o compromisso de fazer diferente”.

Carlos lamentou a ausência de Ademir Andrade, fundador do partido no Pará e nas palavras do presidente nacional, um grande político. O dirigente dos socialistas brasileiros disse que quanto mais se conhece o país, mas orgulho dá de ser brasileiro.

“Alguma coisa errada está acontecendo com o Brasil, pois o nosso povo é trabalhador e cheio de energia, sendo um dos países com mais possibilidade de crescer, de se desenvolver”. E prosseguiu: “Acredito que estamos chegando ao fim de um ciclo que nos trará uma nova visão. Com o avanço tecnológico, as pessoas passam a exigir uma nova forma de fazer politica”, enfatizou ao falar das novas tecnologias da informação, que com as redes sociais possibilitou mais participação no debate político público.

Citando uma frase do falecido Eduardo Campos, Carlos Siqueira disparou: “Enquanto o mundo é cada vez mais digital, os políticos continuam analógicos”. E continuou: “Quando eu olho para o Pará e vejo esse PMDB do Jader Barbalho, percebo o quanto está superado. Ai eu olho para vocês e vejo tantas pessoas que podem substituir essa classe política. 

Se depender da direção nacional, o Sidney Rosa será sim, candidato ao governo do Pará, mas ele é quem vai decidir depois de conversar com vocês e o povo paraense. E se essa sinergia funcionar, o PSB vai governar o Pará com homens e mulheres de bem, assim como o Brasil, que tanto precisa de pessoas bem-intencionadas”, preconizou.

Carlos Siqueira destacou a importância de pensar no futuro do país, com mais pessoas de bem e menos partidos.

Da safra política de Miguel Arraes, Carlos Siqueira deu um destaque primoroso em seu entendimento do que seja um dos principais desafios do Brasil e da classe política, considerando que o principal problema por quase toda a unanimidade, seja a corrupção, ele abordou sobre a necessidade da descentralização de recursos e impostos da União para os estados e municípios e da importância do equilíbrio fiscal.

Em seus argumentos, há uma necessidade de união de todos os partidos em prol do desenvolvimento do país, capaz de pensar e aplicar uma nova carga tributaria e esta seja distribuída de forma equilibrada. Citou que Lula e Dilma em suas campanhas falavam da construção de creches pelo governo federal, assim como de UPAs, quadras de esporte e outros aparelhos que poderiam ser construídos pelos estados e municípios.

Sem falar o termo reforma política, disse 35 partidos no país é inviável. “Com 05 a 08 partidos já seria suficiente para garantir o pluralismo político, econômico, cultural e religioso brasileiro. Precisamos sim é de instituições mais consistentes, entre elas, os órgãos públicos, os partidos, os sindicatos”.

Tendo evitado até então falar a palavra “socialismo”, a qual o partido traz em seu nome, Carlos Siqueira insistiu na necessidade dos seus filiados pensarem sempre no social e do compromisso do PSB em diminuir as distâncias entre as classes sociais. “Precisamos acima de tudo reconhecer a existência delas, pois somos um partido socialista, mas também temos empresários que contribuem com a economia do país”.

Ainda que também não tenha falado da palavra “reformas”, mas com referências que  introduziram a elas, disse que os investidores optam por países com segurança jurídica, mão de obra qualificada, infraestrutura sólida, como malha viária, portos, ferrovias e sistemas de comunicação eficazes, para poderem produzir com eficiência, gerando empregos e desenvolvimento no país”.   E foi além ao tratar da reforma tributária: “Há um grave problema no Brasil que não se fala. A carga tributária do Brasil equipara-se aos países escandinavos, e se pagamos tanto, deveríamos ter a saúde, educação e segurança de primeiro mundo.

E continuou: “Não e só a corrupção, a dívida pública, potencializada pelos juros cresceu de forma assustadora. Saiu de 120 bilhões do governo Itamar para o de FHC e deste para Lula chegou em 650 bilhões. De Lula a Dilma foi a um trilhão e hoje com Temer se encontra nos 03 (três) trilhões. Esse é um nó que precisa ser desatado para reorientar a nossa economia, para que nossos recursos financeiros façam o país crescer. 

Precisamos debater isso na campanha de 2018, para alertar todos dos problemas que isso nos traz, para isso precisamos nos unir, independente das diferenças políticas para superar esses desafios. Esse e o momento de ter esperança para organizar as mudanças”.

A respeito da ética partidária, o presidente nacional do PSB lembrou do Papa: “Precisamos fazer a boa política, pois não há solução fora da política. O papa Francisco, que falou que a política é uma das atividades mais sublimes que existe, se a política fizer o seu melhor para as pessoas. O exemplo está lançado e precisamos encontrar boas pessoas para o nosso partido. Estamos fazendo isso, chamando pessoas que estão fora da política para contribuir com o nosso momento político”.
  
Finalizando sua fala, o pernambucano Carlos Siqueira foi taxativo: “Por sua grandeza e riqueza, o Pará e a Amazônia são o futuro do país”.