Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, julho 25, 2017

Equipe de TV nega apoio à criança atropelada: "Só se estivesse sangrando ou morrido"

Pai: "Achamos muita falta de humanidade deles, muita frieza, não ajudaram em nada". 

O Pará não existe! 

A praia Atalaia e a família Maiorana são a cara de uma elite egoísta e insana.

Embora não tenha sido o fato destacado na manchete da matéria, a informação trazida pelo jornal Diário Online, revela que o pai de um menino atropelado quando empinava pipa, na praia do Atalaia, em Salinas (PA), pediu apoio de uma equipe da TV Liberal (Afiliada à rede Globo) e o cinegrafista disse que só poderia gravar se a criança estivesse sangrando ou morta.

Leia: 


Um garoto de apenas sete anos foi atropelado na manhã deste domingo (23) enquanto empinava pipa na praia do Atalaia, em Salinópolis, no nordeste paraense.  Segundo familiares da vítima, o condutor do veículo fugiu do local sem prestar socorro. Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia do município.  

De acordo com o pai da vítima, Urian Gomes da Silva, após o acidente o motorista alegou que “lá não era local de empinar pipa”, sem demonstrar nenhuma preocupação com o estado de saúde da criança.  

“Depois de 1h20 esperando a polícia, nós decidimos levar o nosso filho por conta própria ao hospital. O motorista do carro que atropelou disse que ia nos seguir, para a gente ir até a delegacia depois, mas quando saímos da areia, ele fugiu”, desabafa Urian.  

O pai do garoto denuncia ainda, que o veículo estava cheio de irregularidades. “A polícia passou para nós que ele estava com o licenciamento atrasado, cheio de multas, todo irregular”, ressalta.  

O pai do garoto também criticou a falta de humanidade de algumas pessoas que acompanharam o atropelamento.

“Nós vimos um carro da TV Liberal que estava fazendo imagens dos banhistas e pedimos ajuda para fazer um enxame e chamar atenção para o caso, mas o cinegrafista disse que só podia filmar se o nosso filho estivesse sangrando ou tivesse morrido. Achamos muita falta de humanidade deles, muita frieza, não ajudaram em nada. 

Depois de uma hora, ele falou para darmos atenção ao nosso filho, que ninguém iria vir. Foi quando decidimos seguir para o hospital”.  

Segundo a família, apesar do susto, o garoto teve apenas escoriações pelo corpo e já recebeu alta.  

O DOL entrou em contato com a Polícia Civil e aguarda um posicionamento sobre o caso.