Pesquisar por palavra-chave

domingo, fevereiro 26, 2017

Carnavalesco se irrita e dá bronca em jornalista “globeleza”

Chico e Monalisa ficaram sem saber o que dizer após a reação do carnavalesco.

Por Diógenes Brandão

Faltando apenas duas escolas se apresentarem para o fim do desfile das escolas de samba de São Paulo, uma grande confusão levou mais de uma hora para ser resolvida. Sentindo-se prejudicado pela pista molhada no desfile da Vai-vai, após a escola ter jogado água do alto de um carro alegórico, Mantega, presidente da Nenê de Vila Matilde, não permitiu que sua escola entrasse na avenida do samba, antes da LIGA enxugá-la e deixá-la em plenas condições de receber os brincantes.

Ocorre que ao ser provocado por uma repórter que repassou de forma insistente a pergunta da jornalista Monalisa Ferrone, que apresentou o carnaval Globeleza ao lado do jornalista Chico Pinheiro, do alto do estúdio da Globo, na dispersão do sambódromo, o presidente da Nenê de Vila Matilde "pagou o sapo" e mandou Monalisa descer do estúdio da Rede Globo para ir ver como a pista estava escorregadia. 

O “climão” deixou todos de saia justa, enquanto os repórteres de chão se esforçavam para buscar informações sobre quanto tempo demoraria para o reinício do desfile da escola, que calou a boca de um time inteiro de jornalistas globais.

O desfile então seguiu sob o amanhecer de um novo dia e nos mostrou que quem sabe faz ao vivo e não permite que a toda poderosa mídia se meta no trabalho alheio.

Assista o vídeo.




DOXA aprofundará suas análises sobre as eleições de 2016 e 2018



Por Diógenes Brandão

Ao ler alguns comentários sobre a entrevista do cientista político da DOXA pesquisas, Dornélio Silva, publicada no jornal O Liberal deste domingo de carnaval, a percepção é de que a publicação que ganhou quase uma página inteira no jornal, agitou as redes sociais ao trazer uma análise sensata e imparcial sobre as eleições de 2016 e suas considerações sobre o a disputa para 2018.

Diferente de outros colegas, que se arvoram em sair em defesa deste ou daquele pré-candidato ao governo do Estado, Dornélio demostra o que o diferencia dos demais colegas, ao dar como resposta aos que reclamam dos seus resultados sempre certeiros: “Os grupos políticos e empresarias deveriam corrigir rumos, aperfeiçoar estratégias e metodologias de trabalho, ao invés de reclamarem dos resultados obtidos nas ruas, quando estes lhes são desfavoráveis”.

Sentindo a necessidade de aprofundar os temas abordados, principalmente no que concerne o fato de ter sido bastante criticado por ser o único pesquisador que vem acertando os últimos resultados eleitorais, o blog entrevistará Dornélio ainda essa semana. Aguardem!

Jornais paraenses encalham nas bancas



Sucessivas edições dos dois jornalões paraenses, Diário do Pará e O Liberal, encalham nas bancas de revistas e pontos de vendas espalhados por Belém. Nem o tablóide Amazônia, "filho" caçula das ORMs, que mesmo sendo vendido a preço de bombom, consegue esgotar suas vendas. Em Abril, o "Amazoninha", como é chamado pelos jornalistas que lá trabalham, completa 17 anos de existência e não terá muito a comemorar.

Mesmo reduzindo o número de impressos, os barões da mídia paraoara, assistem dia após dia, grande parte das suas edições serem devolvidas para as empresas das famílias Maiorana e Barbalho. 

Em compensação, as versões digitais ampliam seus acessos paulatinamente. 

O jornal Diário do Pará criou sua versão online, deixando todas as edições liberadas para os internautas, enquanto o concorrente ainda cobra assinatura para que os leitores tenham acesso ao seu conteúdo na web.