Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, abril 11, 2017

Eleições PT Belém: Candidato denuncia fraude. A eleita agradece os votos

Em meio a maior crise da história do PT, Paulo Gaya e Milene Lauande ofereceram seus nomes para presidir o PT.

Por Diógenes Brandão

Tal como havia sido dito aqui, as eleições internas do PT agitaram o domingo (09) em diversos municípios brasileiros. Ao todo 200 mil petistas foram às urnas e elegeram os novos presidentes, presidentas e chapas zonais e municipais, assim como os delegados e delegadas que participarão dos Congressos Estaduais, de 05 a 07 de Maio e do Congresso Nacional, que acontecerá de 1 a 3 de Junho deste ano.

Em 2013, mais de 420 mil eleitores foram votar enquanto agora apenas 200 mil, ou seja, menos da metade. Diante deste resultado, parte do PT comemora, enquanto outra parte lamenta os números deste pleito, que no Pará, levou em média de 10 mil votantes, enquanto que nas eleições de 2013, foram 20 mil eleitores, sendo que em Belém, apenas 1.233 petistas compareceram às urnas, ou seja 7% do total de filiados.

Em Belém, Milene Lauande e Paulo Gaya disputaram a presidência do PT municipal. 12 horas depois do fim da votação, com uma apuração sob fortes denúncias de diversas irregularidades, o atual presidente municipal do partido, Apolônio Brasileiro, anunciou o resultado: Milene obteve 758 votos, enquanto Gaya obteve 475, ou 61,5% e 38,5%, respectivamente. Uma diferença de 283 votos, ou de 23%.

Com o resultado totalizado, o candidato Paulo Gaya publicou a seguinte mensagem em seu perfil no Facebook:



Milene Lauande, candidata que venceu o pleito, publicou em sua fanpage, o seguinte:



Em apoio à Milene Lauande, a ex-governadora Ana Júlia emitiu a seguinte mensagem:


Já em apoio a Paulo Gaya, o ex-secretário de Educação, no governo de Ana Júlia, Luis Cavalcante disparou:


Lindbergh Farias e Paulo Rocha não estão aptos a votar no PT

Pré-candidato a presidente do PT nacional, Lindbergh Farias e o pré-candidato ao governo do Pará, Paulo Rocha não puderam votar no PED 2017. Falta de pagamento de suas obrigações partidária tirou os inadimplentes das eleições internas.

Por Diógenes Brandão

Matéria da Folha de São Paulo, "Baixa participação em eleição interna leva a troca de acusações no PT", confirma que o clima eleitoral esquentou neste PED, realizado em todo o país neste domingo (09). 

Leia e depois voltaremos..

Mesmo sem a conclusão da apuração, a primeira etapa da eleição do novo comando do PT já é alvo de divergências internas dentro do partido.

Um dos líderes do movimento de oposição interna, o Muda PT, o secretário nacional de Formação, Carlos Henrique Árabe, responsabilizou nesta segunda-feira (10) a corrente majoritária –CNB (Construindo um Novo Brasil)– pela baixa participação de militantes nas eleições ocorridas neste domingo (9).

"Essa queda geral a 50% é de responsabilidade da CNB", acusou Árabe, para quem o atual comando não faz uma autocrítica acerca de seus procedimentos.

"Eles se negam a reconhecer que existe uma crise", acrescentou.

CANDIDATO A PRESIDENTE

Árabe reclama também do fato de o senador Lindbergh Farias (RJ) não ter votado na véspera porque pagou sua contribuição partidária no dia 28 de março.

Para ter direito a voto, os detentores de mandato, ocupantes de cargos comissionados e candidatos nas eleições internas teriam que pagar sua contribuição partidária até o dia 20 de março. Do contrário, não poderiam votar.

Candidato à presidência do PT, Lindbergh não pode votar e alega não ter sido avisado dos prazos para participação no PED.

"Como eles querem falar de unidade usando esse tipo de artifício?", queixa-se Lindbergh.

Irritado com a divulgação de boatos de que Lindbergh não poderá concorrer à presidência do PT, Árabe chama a proibição de "mais um aspecto vil da burocracia petista".

Presidente do PT do Rio, Washington Quaquá diz que os prazos para participação no PED eram públicos e rebate: "Jogo sujo é jogar a culpa numa suposta burocracia quando se é pego no erro. Ele diz que quer mudar o partido, quer ter um partido militante, orgânico, socialista. E sequer paga suas obrigações estatutárias com o partido".

Leram? Pois é, aqui no Pará, outro senador petista também incentivou a militância, mas também não foi votar. 

Após a pergunta de um leitor do blog, que estranhou o motivo do senador Paulo Rocha não ter exibido foto, votando nestas eleições internas do seu partido, fomos averiguar  e constatamos que mesmo se quisesse, não poderia, pois não estava apto para tal. Só há dois motivos para que isso aconteça: Ou o petista não está mais filiado, ou o mesmo não está com suas contribuições em dia, o que o deixa na lista de inadimplente, perdendo, portanto, o direito de votar e ser votado em qualquer pleito partidário.


A informação pode ser obtida por qualquer cidadão no site do PT, que por uma questão de transparência, disponibilizou acesso de todo o processo eleitoral, incluíndo as teses, a composição das chapas e a situação de todos os filiados, inclusive os aptos e não aptos a votar.

Considerado a maior liderança do PT no Pará, o senador Paulo Rocha dialoga com partidos e lideranças como pré-candidato ao governo do estado, para as eleições do ano que vem.