Pesquisar por palavra-chave

sábado, maio 27, 2017

Diante da crise política, novos nomes podem surgir em 2018



Por Diógenes Brandão, com informações da DOXA Pesquisas

Se as coisas já não andavam bem para tucanos e pmdebistas, com o novo “Tsunami” em Brasília, as ondas provavelmente chegarão com força ao Pará, abalando os palanques que muitos já davam como certos e montados, tanto para a eleição de Helder Barbalho para o governo, quanto de Simão Jatene para o Senado.

Além do clima fúnebre que a cúpula do PMDB enfrenta por causa da delação do dono da Friboi, Helder foi delatado por um ex-executivo da Odebrecht e Jatene enfrenta a reta final do processo da CERPASA, empresa que teve dívidas perdoadas pelo tucano e hoje se encontra próximo de um desfecho negativo para o atual governador, que já teve seu diploma cassado por abuso de poder econômico nas eleições de 2014 e perdeu os direitos políticos, segundo o TRE-PA. No entanto, o processo que pode condenar o governador ainda está sub judice, com recursos impetrados pelos seus advogados. 

Com o quadro indefinido, o horizonte é visto promissor para nomes que observam os reis ficando nus e os outros players começam a vislumbrar oportunidades de serem novos protagonistas, ao invés de meros coadjuvantes.

Pesquisa indicam nomes com potencial

O blog consultou o cientista político Dornélio Silva, que através de estudos realizados pelo Instituto DOXA está aferindo como o eleitorado paraense está avaliando o cenário político e qual a sua intenção de voto para 2018. 

Os últimos números trazidos por pesquisa realizada durante este mês em todo o Estado, trouxeram um quadro surpreendente, até mesmo para os mais céticos integrantes, tanto dos partidos da esquerda, quanto da direita paraense. 

Já no terceiro mandato como presidente da ALEPA, Márcio Miranda (DEM) é um destes nomes que despontam como terceira via na linha sucessória de Simão Jatene. Outro nome é do deputado estadual Sidney Rosa (PSB) e o do secretário de Desenvolvimento Econômico, Mineração e Energia do Pará, Adnan Demachki (PSDB), ambos ex-prefeitos de Paragominas e em disputa visceral por apoio do setor produtivo do Pará. O vice-governador Zequinha Marinho (PSC) também aparece, mas não no topo da preferência do eleitorado.

Infelizmente, segundo Dornélio, os levantamentos feitos pela DOXA são de consumo interno e não há pretensões de divulgá-los por enquanto. "No entanto, muitas supressas ainda devem surgir no cenário político nacional e refletir ou não aqui no Pará", conclui sem indicar verdades absolutas e previsões mirabolantes, como fazem muitos outros profissionais da área.

A chacina de Pau D’arco já é considera pior do que a de Eldorado dos Carajás

Intervenção policial para cumprimento de mandato judicial ceifou a vida de 10 trabalhadores rurais em Pau D'arco (PA).

Por Diógenes Brandão


Antecedidos por torturas implacáveis, os assassinatos dos 10 trabalhadores rurais sem terra, no município de Pau D’arco já se revela como mais violento e por isso, pior do que a chacina de Eldorado dos Carajás.  

Fonte do blog que esteve no município e conversou com policiais, familiares das vítimas e testemunhas dos assassinatos, revela que entre os 10 mortos, 07 eram de uma mesma família e que estes teriam sido mortos sem chances de defesa e sequer de reação.  

A versão apresentada pela polícia e confirmada pelas autoridades do governo do Estado do Pará é contrária dos demais: Houve um confronto, no momento em que se cumpria mandatos de prisão no local de uma ocupação de terra e os policiais agiram em legítima defesa.  No entanto, a versão de confronto é questionada por todos que tomam conhecimento dos fatos, pois nenhum policial foi ferido e não há provas que colaborem com essa tese, a não ser espingardas e algumas cápsulas de armamentos que foram apresentadas pela polícia.  

A forma da polícia civil e militar do Pará em lidar com os conflitos agrários não é a nem uma novidade e muito menos digna de ser considerada legal, se quer mantida com aceitável. É preciso que esses casos ganhem visibilidade e investigações de organismos federais e internacionais.

A chacina de Eldorado dos Carajás é um dos exemplos de como o direito à terra e ao protesto são sumariamente negados e reprimidos pelo aparato policial do Estado.  Setores vulneráveis como trabalhadores sem-terra, representam uma ameaça aos interesses de fazendeiros que grilam terras públicas na Amazônia e dizem defenderem a propriedade privada.   

Com parte da sociedade sendo jogada contra os trabalhadores rurais, apresentadores de telejornais e programas de rádio, formam uma opinião pública favorável aos grupos empresarias e latifundiários, criminalizando e defendendo o uso da força e até da pena de morte, aos que ousam lutar por seus direitos.  

Como se não bastassem as milícias urbanas que agem de forma descarada com o “motoqueiro fantasma”, o “carro prata”, o “carro preto”, o Pará se mantém recordista de crimes no campo, com a existência de milicianos que se vestem com a farda oficial da polícia para agirem como capangas de fazendeiros e madeireiros espalhados pelos municípios do interior do estado.