Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, julho 07, 2017

E quando os escândalos de corrupção envolvem o meu candidato ou partido?

Pela manutenção de nossas crenças é fácil compreender o porquê de sermos tão céticos quando tomamos conhecimento de informações que nos contrariam.

Por Ruiz Ritter, no Justificando

Acreditar espontaneamente nos escândalos de corrupção envolvendo nossos candidatos ou partidos políticos é, sem dúvida, um desafio. Afinal, ainda que ninguém se auto considere intolerante de modo geral (e aqui mais especificamente no que diz respeito àquilo que contraria o que previamente acreditamos), a verdade é que somos, sim, naturalmente céticos em relação a tudo que desafia nossas crenças, valores e ações passadas ou planejadas. E isso pode não ser bom. Principalmente, levando em consideração que a persistência em crenças, valores e ações equivocados, costuma nos custar caro nos mais variados contextos.

Uma teoria que aborda com precisão esse fenômeno e que deve ser aqui mencionada é a teoria da dissonância cognitiva, desenvolvida no âmbito da psicologia social pelo psicólogo norte-americano Leon Festinger e que trata essencialmente da cognição e do comportamento humano.[1]

Fundamentada na premissa de que o indivíduo tende sempre a buscar um estado de coerência (consonância) entre seus conhecimentos (opiniões, crenças e atitudes), desenvolve-se no sentido de comprovar que há um processo involuntário, por isso inevitável, para se chegar a essa “correlação”, admitidas naturais exceções. Assim, atenta às situações em que há o rompimento desse estado e o indivíduo se encontra diante de incontestável incoerência (dissonância) entre seus próprios pensamentos, ou entre sua ação e sua razão (sujeito que fuma habitualmente – ação – toma conhecimento de que a nicotina é extremamente nociva para sua saúde – razão -, e permanece com o hábito), identifica e apresenta reflexos cognitivo-comportamentais decorrentes desse contexto antagônico e inquietante.

O âmago da teoria em questão pode ser sintetizado em duas hipóteses:

(a) existindo dissonância cognitiva haverá também uma pressão involuntária e automática para reduzi-la; e,

(b) quando há essa dissonância, além da busca pela sua redução, há também um processo de evitação ativa de contato com situações que possam aumentá-la.

É dizer que, admitindo-se que o indivíduo tenta sempre estabelecer uma harmonia interna entre suas opiniões, ações, crenças e etc., havendo dissonância entre essas cognições, dois efeitos subsistirão imediatamente: uma pressão para a eliminação dessa “incoerência” entre os “conhecimentos” ou “entre a ação e a razão”; e, um afastamento ativo de possíveis novas fontes de aumento dessa incongruência; cenários responsáveis pelo desencadeamento, no indivíduo, de comportamentos involuntários direcionados à recuperação desse estado de consonância plena que tanto é favorável.

Sendo assim, sem adentrar em tais processos involuntários, repita-se, que se desencadeiam a partir daí (em busca da retomada da consonância cognitiva), o que particularmente interessa aqui, é que se há, de fato, uma preferência de nosso sistema psíquico pela manutenção de nossas crenças, é fácil compreender o porquê de sermos tão céticos quando tomamos conhecimento de informações que as contrariam: elas geram dissonância cognitiva e estamos sempre tentando evitá-la ou eliminá-la.

Daí não ser surpresa alguma vermos eleitores do Partido dos Trabalhadores (PT) descartarem de plano e refutarem com veemência notícias de possíveis práticas criminosas envolvendo o ex-Presidente Lula, de forma idêntica à que vemos eleitores do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) contestarem notícias dessa natureza ligadas ao senador Aécio Neves, para dar apenas dois exemplos.

Enfim, tencionar nossas próprias crenças e valores dando espaço para opiniões divergentes pode ser um bom exercício de tolerância, além de muito contribuir para a diminuição da polarização estúpida que domina o cenário político do País e impede um debate sério e enriquecedor capaz de nos tirar desse buraco.

Ruiz Ritter é advogado criminalista, Mestre e Especialista em Ciências Criminais pela PUCRS.

[1]  FESTINGER, Leon. Teoria da dissonância cognitiva. Trad. Eduardo Almeida. Rio de Janeiro: Zahar Ed., 1975.

Edsel: "O círculo é real, o Marco Civil é ficção"

O Marco Civil da Internet tão comemorado, durante uma árdua batalha entre a sociedade e as companhias telefônicas, no Brasil, virou lenda. 

Por Edsel Ferri, no Tribuna de Debates

O cineasta James Ponsoldt é o idealizador do filme “O Circulo”, que utiliza a ficção para fazer uma critica ao crescente monopólio das redes sociais. Esses canais digitais, além de invadir a privacidade das pessoas, as induzem a fazerem coisas, com o pretexto de ser para “o seu bem”, ou enquadrar-se em tipos socialmente aceitos.

Na vida real, o Facebook e o Google já ganham mais em anúncio do que todos os jornais e rádios juntos. Segundo o prestigiado site Bluebus, somados chegam a quase US$ 130 bilhões, por ano, sem esquecer que, ainda vendem seus dados de navegação e preferências de consumo ao mercado, em total desrespeito à privacidade e ao anonimato.

No caso do buscador, chegou a ser multado, recentemente, pela União Européia, por infringir as regras de antimonopólio; Facebook e Twitter não são diferentes, seus algoritmos são segredos de estado e mudam a todo o momento, dificultando a vida de quem utiliza essas ferramentas para distribuição de conteúdo.

Agrega-se tudo isso ao fato de que o Telegram, principal concorrente do Whattsapp, que pertence ao Facebook como o Instagram, vem sendo ameaçado de bloqueio, com o pretexto de ser a ferramenta utilizada pelos “terroristas”, haja vista sua impenetrabilidade ou melhor segurança e privacidade dos usuários.

Agora, vamos a tragédia anunciada à rede progressista no último dia 30/06 (e já sentido de forma amarga pelo movimento ativista de esquerda, que está assistindo as audiências de seus blogs despencarem). O Facebook de forma ilegal, arbitrária e com intuito comercial e de monopólio da distribuição acaba de catalogar como “spammer ” os perfis de ativistas que distribuem mais de 50 links por dia, links não anunciantes , claro; ou seja, de agora em diante seremos punidos por postar em quantidade no facebook, enquanto o poder econômico abusa de anúncios e “cordialidades” de Zuckerberg.

O editor, do influente blog Falando Verdades, desabafou que a audiência de sua página despencou de 100 para 10 mil views, em um único dia praticamente, inviabilizando os custos de manutenção da página. O futuro, que parece se desenhar para os blogs independentes, é o mesmo que ocorreu para as antigas páginas de memes, que se extinguiram, quando o facebook resolveu limitar o alcance de postagens baseadas em imagens (memes).

E o Marco Civil da Internet tão comemorado, durante uma árdua batalha entre a sociedade e as companhias telefônicas, no Brasil, virou lenda. Letra morta não aplicada, não fiscalizada, não garantista. Está ali, esperando para ser revogado por desuso e dar lugar a última fronteira do monopólio da narrativa: a franquia de dados.

Espera-se que o Ministério Público e o Congresso Nacional atentem-se a essa agressiva violação de direitos, em um momento tão efervescente da sociedade, e que sigam o exemplo da União Européia, penalizando pesadamente tais práticas.

*Edsel Ferri é Gremista, Ativista, Ayuhasqueiro e militante da paz e das causas humanitárias.

Lulinha paz e amor é coisa do passado. Agora o lema é: "A maior defesa é o ataque", diz Lula

Lula disse que o PT precisa reagir além defender seu legado, o partido precisa defender os interesses da população. 

Por Diógenes Brandão

Em vídeo gravado com o deputado federal Carlos Zarattini (PT-SP), eleito como o novo líder do PT na Câmara dos Deputados, durante o intervalo da primeira reunião do novo diretório nacional do PT, o ex-presidente Lula fez uma análise sobre a conjuntura política do Brasil e deu sinais de mudanças para o partido em que ele é o presidente de honra.

Com Gleisi Roffman empossada como presidenta nacional do partido, Lula convocou o PT para ir pra cima dos adversários e inicia sua fala dizendo que é bem possível que Temer consiga sustentar-se no poder, sobretudo no STF, mesmo diante das denúncias e todas as provas apresentadas pelo MPF. E foi adiante dizendo que é preciso explicar a diferença entre as razões do PT querer tirar Temer do poder e os interesses da Globo de fazer o mesmo.

Para o ex-presidente, o PT quer as eleições diretas e não quer as reformas da previdência e trabalhista; não quer as Medidas Provisórias que retiram direitos e quer a retomada democrática, recuperando as políticas públicas que vinham sendo desenvolvidas e estavam trazendo desenvolvimento, emprego, renda, assim como o protagonismo do Brasil no cenário mundial e a soberania do nosso país, diferente da Globo, que segundo Lula, quer encontrar um candidato para 2018.

O ex-presidente enumerou todas as mazelas que Temer trouxe ao país, ao desmantelar todos os programas sociais, educacionais e demais ações que vinham sendo implantadas. Ao relatar a principal diferença entre o atual governo e os do PT, Lula foi emblemático: 

"Nós precisamos mostrar que tem solução, nós já provamos que tem solução. Nós mostramos que o pobre não é problema neste país, o pobre é a solução. Nós provamos que quando o pobre é incluído na economia, que ele arruma emprego, que ele recebe benefícios sociais, que o governo tem que dar sim, sabe? Porque no Brasil é engraçado, quando você dá dinheiro pro empresário é investimento, quando você dá pro pobre é gasto". 

E continuou: É preciso que a gente diga que comer é investimento, que saúde é investimento, que estudar é investimento, que o Bolsa Família é investimento. Olha, quando a gente tá dando comida para uma criança é investimento". 

Lembrando que a legenda foi a mais massacrada e fez questão de dizer que agora é preciso reagir, afirmando que 2017 é o ano dele ser recuperar. Para ele, pobre não pode ser visto como gasto e sim como investimento e criticou os ataques ao PT.

"Eles tentaram distruir o PT. Eu acho que na história do Brasil, eu não sei se na história do mundo, um partido foi tão atacado como o PT tem sido nestes últimos anos. Da forma assim desrespeitosa, achincalharam o PT. (...) e o PT parece que adotou a tese do Lulinha paz e amor, o PT as vezes não reagia". 

Usando mais uma metáfora futebolística, Lula disse que agora é hora de ir pra cima, dizendo: Só tem um jeito da gente vencer esse jogo: Para o PT, a maior defesa é o ataque".

E foi adiante: "Nós temos autoridade moral, porque nós temos legado. Nós temos autoridade moral porque tudo que foi feito para combater a corrupção neste país é graças ao PT, é graças ao que nós fizemos na Polícia Federal, nas mudanças das leis. A lei da Delação premiada é nossa! A liberdade que nós demos pro Ministério Público, o que nós fizemos na inteligência da Polícia Federal".

No entanto, Lula diz que tudo isso não pode ser usado para cometer abusos e punir previamente as pessoas sem provas. "A pessoa tem que ser julgada, tem que ser investigada, tem que ter provas concretas. (...) Não se pode prender alguém pra torturá-lo por 3 ou 4 anos uma pessoa pra pessoa confessar coisas que não estão fazendo".

Confira: