Pesquisar por palavra-chave

terça-feira, julho 25, 2017

Jones William é o 3º prefeito assassinado no sudeste paraense, durante o período de um ano e meio

O prefeito Jones William (PMDB) foi vítima de um atentado a balas que tirou sua vida em Tucuruí.

Por Diógenes Brandão

O prefeito de Tucuruí Jones William foi atingido por tiros na tarde desta terça-feira (25), quando fiscalizava obras de pavimentação de uma estrada que dá acesso ao aeroporto da cidade. Depois do atentando, ele foi levado a um hospital, mas não resistiu e veio a óbito. 

Os assassinos o abordaram e fugiram em uma moto, logo depois dos disparos fatais. O vice-prefeito, Arthur Brito (PV) deve assumir imediatamente a prefeitura.

Jones iniciou sua carreira política aos 17 anos. Foi vereador pelo PSB, passou pelo DEM e filiou-se ao PT e foi eleito por mais um mandato como vereador até tornar-se prefeito. Convidado por Helder Barbalho a filiar-se ao PMDB no início de 2016para disputar a prefeitura de Tucuruí, acabou eleito poucos meses depois, com 53,50% dos votos.

Logo depois de assumir o cargo, o prefeito tornou-se investigado pelo MPE por problemas nas primeiras licitações realizadas em seu mandato. Jones teve seu pedido de afastamento solicitado à justiça, mas garantiu o direito de defender-se no cargo.

Os dois Jornais paraenses não confirmam a morte do prefeito, mas fontes do blog em Tucuruí afirmam que depois de ser baleado, inclusive na cabeça, ele não resistiu e faleceu deixando a esposa e 04 filhos, aos 42 anos.

TERRA SEM LEI: SUDESTE CONTABILIZA 03 PREFEITOS ASSASSINADOS

Com Jones William, a região sudeste do Pará já contabiliza a morte de 03 prefeitos, em um ano e meio.

O primeiro prefeito assassinado na região foi o prefeito de Goianésia do Pará, João Gomes da Silva (PR), morto no dia 25 de janeiro de 2016, durante velório de um amigo. Conhecido como 'Russo', a vítima foi alvejada quando tinha 62 anos. 

O suspeito teria tido ajuda de um comparsa para fugir em uma moto, logo após o crime. Segundo a polícia, a morte do prefeito teria sido encomendada pelo vereador José Ernesto da Silva, o Zé Ernesto, que foi o mandante do crime por motivos políticos: ele planejava concorrer ao cargo municipal, mas João Gomes era cotado para a reeleição. Outros suspeitos de terem participado da morte são Benedito Peres Campelo e o filho dele, Kleberson Deibe Campelo, que seriam os executores. 

O intermediário na contratação dos executores seria conhecido como Chicão. Dos quatro suspeitos está preso Benedito Campelo. Kleberson e Chicão estão foragidos, e Zé Ernesto foi assassinado em fevereiro de 2016 por dois homens - identificados como Murilo e Nego Bala - que também foram presos.

O outro prefeito da região assassinado foi do município de Breu Branco, Diego Kolling, no dia 16 de Maio deste ano. O crime aconteceu enquanto a vítima pedalava uma bicicleta na companhia de amigos em um trecho da rodovia PA-263, que liga Tucuruí a Goianésia do Pará. 

Novamente, os assassinos também usaram uma moto para fugir do local do crime. A polícia diz que continua investigando o caso, mas nunca ninguém foi preso.

Ministros usaram jatinhos 1.112 vezes este ano

Osmar Terra, Raul Jungmann e Helder Barbalho são os ministros de Temer, campeões em voos de jatinho esse ano.

Por Cláudio Humberto, no Diário do Poder

Os 28 ministros do governo Michel Temer já realizaram este ano, até esta segunda (24), 1.112 viagens em jatinhos da FAB, que fazem parte do chamado Grupo de Transporte Especial (GTE), responsável pelas viagens de autoridades no Brasil. Em média, cada ministro usou jatos da FAB em 37 trechos, mas o campeão fez 92 voos, quase o triplo da média de todos os colegas: Osmar Terra (Desenvolvimento Social).     

OS VICES 

Os ministros Raul Jungmann (Defesa) e Helder Barbalho (Integração) fizeram cada um 90 viagens nas asas da Força Aérea Brasileira.

TRANSPARÊNCIA 

Enquanto estava na Transparência, Torquato Jardim não usou jato da FAB uma só vez. O interino, Wagner Rosário, também está invicto.     

SURPRESA

Os paulistas Gilberto Kassab (Ciência e Tecnologia) e Aloysio Nunes e José Serra (somados), no Itamaraty, têm 67 voos de jatinho cada.     

IRONIA 

O comandante da Aeronáutica é o chefe militar que menos usa jatos da FAB: 11 vezes este ano, contra 17 da Marinha e 26 do Exército.

Roda Viva histórico: Reinaldo Azevedo desmascara Moro e os promotores da Lava Jato



Por Diógenes Brandão

O blog lamenta por só agora ter visto e trazido à ribalta o programa "Roda Viva", que avalio ter entrado para a história, pelo fato do jornalista Reinaldo Azevedo ter feito comentários contundentes sobre a condenação em primeira instância, do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. 

Autor dos livros "O país dos Petralhas I", "O país dos Petralhas II" e do termo "Esquerdopata", o ex-jornalista da VEJA, detonou as avaliações de Thaméa Danelon, procuradora da República e coordenadora do Núcleo de Combate à Corrupção do Ministério Público Federal em São Paulo, que também participou do programa como debatedora e elogiou o juiz Sérgio Moro e a operação Lava Jato, mas levou uma verdadeira "surra" de Reinaldo Azevedo.

Logo em sua primeira fala, Reinaldo Azevedo chega a dizer que o juiz Sérgio Moro cometeu diversas piruetas e conclui uma avaliação sobre a turma acusatória da Lava Jato: "Quando eu vejo um Procurador da República pedindo cadeia para este político, ou aquele. Ou contestando ao vivo e em cores uma decisão que está sendo tomada no Supremo, eu vejo um homem de Estado se exacerbando e tomando uma posição que não lhe cabe(...) Infelizmente, o Ministério Público hoje transgride a lei de maneira clara, objetiva, indisfarçável". 

Os tucanos devem ter ficado pasmos ao ouvirem Reinaldo Azevedo preconizar: "O PSDB talvez seja extinto agora no processo do Petrolão". 

Outra coisa que chama atenção no vídeo é o chilique do jornalista José Nêumanne - editorialista do jornal O Estado de S. Paulo e comentarista da TV Gazeta e da Rádio Eldorado - reclamando por ter, segundo ele, ter sido chamado de ignorante por Reinaldo Azevedo.

Além do caso de Lula, o programa também abordou a crise política em decorrência da denúncia da Procuradoria-Geral da República contra o presidente Michel Temer.

Assista abaixo os trechos citados acima e logo em seguida, a versão completa do programa:


Aqui, você assiste a versão completa do programa Roda Viva:


Equipe de TV nega apoio à criança atropelada: "Só se estivesse sangrando ou morrido"

Pai: "Achamos muita falta de humanidade deles, muita frieza, não ajudaram em nada". 

O Pará não existe! 

A praia Atalaia e a família Maiorana são a cara de uma elite egoísta e insana.

Embora não tenha sido o fato destacado na manchete da matéria, a informação trazida pelo jornal Diário Online, revela que o pai de um menino atropelado quando empinava pipa, na praia do Atalaia, em Salinas (PA), pediu apoio de uma equipe da TV Liberal (Afiliada à rede Globo) e o cinegrafista disse que só poderia gravar se a criança estivesse sangrando ou morta.

Leia: 


Um garoto de apenas sete anos foi atropelado na manhã deste domingo (23) enquanto empinava pipa na praia do Atalaia, em Salinópolis, no nordeste paraense.  Segundo familiares da vítima, o condutor do veículo fugiu do local sem prestar socorro. Um boletim de ocorrência foi registrado na delegacia do município.  

De acordo com o pai da vítima, Urian Gomes da Silva, após o acidente o motorista alegou que “lá não era local de empinar pipa”, sem demonstrar nenhuma preocupação com o estado de saúde da criança.  

“Depois de 1h20 esperando a polícia, nós decidimos levar o nosso filho por conta própria ao hospital. O motorista do carro que atropelou disse que ia nos seguir, para a gente ir até a delegacia depois, mas quando saímos da areia, ele fugiu”, desabafa Urian.  

O pai do garoto denuncia ainda, que o veículo estava cheio de irregularidades. “A polícia passou para nós que ele estava com o licenciamento atrasado, cheio de multas, todo irregular”, ressalta.  

O pai do garoto também criticou a falta de humanidade de algumas pessoas que acompanharam o atropelamento.

“Nós vimos um carro da TV Liberal que estava fazendo imagens dos banhistas e pedimos ajuda para fazer um enxame e chamar atenção para o caso, mas o cinegrafista disse que só podia filmar se o nosso filho estivesse sangrando ou tivesse morrido. Achamos muita falta de humanidade deles, muita frieza, não ajudaram em nada. 

Depois de uma hora, ele falou para darmos atenção ao nosso filho, que ninguém iria vir. Foi quando decidimos seguir para o hospital”.  

Segundo a família, apesar do susto, o garoto teve apenas escoriações pelo corpo e já recebeu alta.  

O DOL entrou em contato com a Polícia Civil e aguarda um posicionamento sobre o caso.