Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, julho 26, 2017

Priante e Miriquinho: PMDB pode ter mais um ministro e o PT mais um deputado federal

Se deixar a Câmara para assumir Ministério, Priante abre vaga para Miriquinho.

Por Diógenes Brandão, com informações do Estadão

O deputado federal José Priante (PMDB-PA) pode assumir o Ministério das Cidade. Caso o pedido do PMDB a Temer se confirme, a Câmara dos Deputados teria o retorno do ex-deputado federal Miriquinho Batista (PT-PA), primeiro suplente da chapa PMDB/PT, nas eleições de 2014.

A informação da possível nomeação de Priante foi levantada pelo jornalismo do Estadão e replicada pelo Metrópoles.

Leia a matéria:

PMDB pede a Temer o Ministério das Cidades, chefiado por tucano 

Pasta é comandada pelo deputado federal licenciado Bruno Araújo (PE). Peemedebistas reclamam de que a bancada está “sub-representada”

Com o presidente Michel Temer (PMDB) fragilizado pela votação na Câmara da denúncia contra ele por corrupção passiva, a bancada do PMDB na Casa pressiona o Palácio do Planalto. A legenda pleiteia a nomeação de um deputado próprio como ministro das Cidades, cargo, atualmente, ocupado pelo parlamentar licenciado Bruno Araújo (PSDB-PE).

A reclamação dos peemedebistas é de que a bancada está “sub-representada” no governo. A legenda sustenta também que o PSDB não merece comandar uma pasta de tamanha capilaridade política como Cidades, diante das críticas a Temer. Além disso, o PMDB destaca as ameaças de desembarque da base aliada que tucanos têm feito desde que a delação da JBS atingiu o presidente.

O líder do PMDB na Câmara, deputado Baleia Rossi (SP), já levou o pedido da bancada ao presidente. Peemedebistas querem que Temer nomeie um deputado do partido para a pasta durante a reforma ministerial que pretende fazer após a votação da denúncia, marcada para 2 de agosto. 

“Se houver alguma mudança ministerial, a bancada tem expectativa de se fortalecer”, afirmou Rossi. Hoje, o PMDB comanda seis dos 28 ministérios existentes no governo Temer. Desses, três são comandados por deputados: Esportes, com Leonardo Picciani (RJ); Turismo, com Marx Beltrão (AL), e Desenvolvimento Agrário, com Osmar Terra (RS).

A um ano e dois meses das eleições gerais de 2018, a bancada reclama que a maioria dos ministérios que comanda não dá margem para uso político. Com um orçamento robusto de R$ 20 bilhões para este ano, Cidades é considerado uma das pastas com maior capilaridade.

Na bancada do PMDB, pelo menos dois nomes são defendidos para substituir Bruno Araújo: o do deputado Carlos Marun (MS), vice-líder da sigla e um dos mais aguerridos defensores de Temer na Câmara, e o do deputado José Priante (PA). Peemedebistas mineiros também têm interesse em indicar um representante para o cargo.  

Procurado, Marun negou pleitear a vaga e disse que seu desejo é que PSDB continue no governo. Ressaltou, porém, que tem currículo para assumir o posto. “Fui membro do Conselho Nacional das Cidades por mais de 10 anos e possuo um relacionamento antigo com movimentos sociais de habitação”, salientou. A reportagem não conseguiu contato com Priante.

O comando do Ministério das Cidades também é pleiteado pelo Centrão, grupo de partidos médios da Câmara, com retribuição por terem dado 100% dos votos a favor de Temer na votação da denúncia na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). 

O bloco quer ainda indicar o substituto do ministro Antonio Imbassahy (PSDB) na Secretaria de Governo. Placar do jornal O Estado de S. Paulo indica que, dos 63 deputados do PMDB, 25 não quiseram responder se votarão pela aceitação ou não da denúncia e sete se disseram indecisos. Outros 28 disseram que são contra e três, favoráveis ao prosseguimento da denúncia contra o presidente.

Polícia Militar prende primeiro suspeito de assassinar o prefeito de Tucuruí

Suspeito foi preso a 160 km distante do local do crime.


Informações da Policia Militar do município de Pacajá dão conta que uma guarnição comandada pelos Sargentos Benchimol e Gonçalves, cabo Wagner, soldados Junior, Cardoso e Francisco, efetuaram a prisão do nacional conhecido por Paulista. Ele é suspeito de assassinar o prefeito Jones Willian, de Tucuruí, A prisão se deu por volta das 14h30 no município de Pacajá, distante 160 quilômetros do local do crime. 

A PM chegou até o suspeito após uma denúncia anônima. Paulista teria se envolvido em uma confusão com uma garota de programa em Pacajá. Durante a briga, o suspeito teria deixado vazar a informação de que participara da execução do prefeito.  

Paulista está detido na delegacia de Policia Civil de Pacajá aguardando a chegada de duas viaturas da Rotam, de Belém,  trazendo o superintendente da Polícia Civil para interrogar Paulista. A Polícia não confirma a participação dele no assassinato, mas não descarta. Segundo fontes ouvidas pelo Blog, pode ser que ele tenha dito isso para intimidar a garota de programa, A Polícia pretende levar o suspeito para Tucuruí para que ele seja reconhecido por testemunhas que presenciaram o crime.

Após assassinato de prefeito do PMDB, PT critica Temer, Jatene e pede intervenção no Pará



Em nota pelo assassinato de Jones William, o PT relembrou casos recentes de ataques à lideranças políticas e populares no Pará e pediu a intervenção de entidades com a Anistia Internacional, CNBB, OEA e OAB. 

Via PT-PA

O Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores do Pará e o Diretório Municipal de Tucuruí vêm a público manifestar profunda consternação pelo assassinato do prefeito de Tucuruí Jones William, na tarde de hoje (25), e prestar solidariedade aos familiares e amigos enlutados por mais esse crime bárbaro ocorrido em nosso estado. 

Jones foi mais uma vítima da crescente utilização da violência e da pistolagem como método de disputa política no estado do Pará. Em janeiro de 2016, João Gomes da Silva, prefeito de Goianésia do Pará – cidade à 98 km de Tucuruí – foi assassinado quando participava de um velório no município. Um mês depois, no mesmo município, o vereador José Ernesto da Silva Branco foi morto por dois homens. Em abril de 2017, o vereador do município de Rio Maria, Paulo Chaves Marinho, após ter escapado de um atentado no mês anterior, foi executado com tiros na cabeça. 
Em maio desse ano, Diego Kolling (Alemão), prefeito de Breu Branco – à 38 km de Tucuruí – foi morto enquanto andava de bicicleta na PA-263; 10 trabalhadores e trabalhadoras rurais foram executados na fazenda Santa Lúcia, no município de Pau D’arco; e Kátia Martins, presidente da Associação dos Agricultores Familiares do Acampamento 1º de Janeiro, em Castanhal, foi morta com cinco tiros, diante de sua casa. Mês passado, a líder quilombola Maria Trindade foi assassinada no município de Moju. A sociedade assiste atônita e estarrecida a política paraense voltar a ser contaminada pela pistolagem e pelos crimes de encomenda – uma realidade que suponhamos ter ficado no passado – sem que haja qualquer reação efetiva do governo federal, governo estadual ou TJE/PA para coibir o banho de sangue em curso. 

Como na década de 80, novas listas de “prometidos para morrer” são elaboradas e circulam em um reaquecido mercado da pistolagem, cada vez mais encorajado pelas sinalizações de impunidade que recebem do governo golpista de Michel Temer, como a aprovação da PEC da Grilagem e a indicação de um ruralista para o Ministério da Justiça. 

Por outro lado, o governo do tucano Simão Jatene parece-nos tão refém do crime organizado quanto a sociedade paraense, demonstrando uma imensa incapacidade e falta de vontade política de enfrentar as ações criminosas e cotidianas de milícias e jagunços. 

Em face a este brutal cenário, o PT/PA reitera o pedido de apoio aos órgãos internacionais de defesa dos direitos humanos – como Anistia Internacional, CNBB, Comissão de Direitos Humanos da OEA e OAB para que intervenham, cobrando das autoridades públicas brasileiras e paraenses que combatam a violência e a pistolagem em nosso estado, que prendam os executores e os mandantes dos crimes por encomendas e que se solidarizem no sentido de cobrar proteção da Policia Federal aos sobreviventes e testemunhas de crimes e aos militantes de Direitos Humanos que vem denunciando o caos na segurança pública do Pará. 

A melhor homenagem que podemos prestar é continuar lutando para que tais crimes não fiquem mais uma vez impunes. Por Jones William e por todas as vítimas, exigimos justiça! 

Diretório Estadual do PT Pará. 
Diretório Municipal do PT Tucuruí.