Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, setembro 25, 2017

População desenterra carne que prefeito de Soure mandou enterrar

A cena de populares retirando peças de carne de dentro de um buraco, após ser descartada pela prefeitura chocou diversos internautas que comentam o fato nas redes sociais.

Por Diógenes Brandão.

Um caminhão frigorífico pertencente à prefeitura de Soure, município do Marajó (PA), sofreu um acidente na manhã desta segunda (25). O veículo teve uma das paredes de sua lateral rompida e 1/4 da carga - Carnes bovinas e suínas, dos animais abatidos no Matadouro Municipal - caiu na estrada por onde passava em direção aos açougues da cidade, onde seria vendida à população. 
População cercou o caminhão, mas não o saqueou.
No chão, parte da carne e a parede lateral do caminhão frigorífico que transportava o produto do abatedouro municipal de Soure em direção aos açougues da cidade.
Muitas das peças que estavam no caminhão e fora dele ainda estavam envolvidas com sacos plásticos.
A lateral do caminhão rompeu e cai deixando 30 mil reais de carne no chão.


A DECISÃO DO PREFEITO

Depois de ser levada de volta ao matadouro e ter passado por uma avaliação técnica da vigilância municipal, a carne recebeu um laudo que atestou que o produto estava em plenas condições para o consumo, mas segundo fontes do blog, o prefeito de Soure, Guto Gouvêa (PR) solicitou outro laudo e neste, teria sido identificado problemas que poderiam trazer riscos aos consumidores e por isso deu ordens para enterrar toda a carne, inclusive os 3 terços que não haviam caído do caminhão. Ao saberem do fato, a população foi até o local e retirou todas as peças do buraco cavado por uma máquina da prefeitura. O prejuízo está estimado em volta de R$ 30.000.00 (Trinta mil reais) que deverá ser pago com recursos da prefeitura, ou seja, do povo.



Como é possível ver nos vídeos gravados por celulares de populares e enviados ao blog, a maior parte da carne ficou engatada na estrutura de ferro que havia sido improvisada no interior do caminhão, evitando a contaminação com o solo.

O blog tentou entrar em contato com o prefeito de Soure, que segundo uma fonte está em Belém, para que ele possa apresentar sua versão sobre o ocorrido, mas até o fechamento desta matéria ele não havia sido localizado. 

Pelas redes sociais, diversas críticas foram feitas e uma denúncia sobre o Matadouro Municipal.






Em uma matéria do jornal Diário do Pará, publicada em Julho de 2013, percebe-se a dura realidade que Soure e demais municípios do Marajó atravessam.

Leia abaixo alguns trechos e aqui, a matéria completa:



IDH expõe abandono em que vive o Marajó

Segundo o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal, o IDHM, estudo realizado pelo Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), revela que a qualidade de vida é um termo que passa longe da realidade do povo marajoara.

Para se ter ideia do quadro de miséria existente na região, 16 municípios da ilha, oito estão entre os 50 piores IDHs do Brasil. O IDH mede o nível de desenvolvimento humano de determinada região com base nos dados do Censo Demográfico do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Utiliza como critérios indicadores de educação (alfabetização e taxa de matrícula), longevidade (esperança de vida ao nascer) e renda (PIB per capita).  O índice varia de zero (nenhum desenvolvimento humano) a um (desenvolvimento humano total). Países com IDH até 0,499 têm desenvolvimento humano considerado baixo, os países com índices entre 0,500 e 0,799 são considerados de médio desenvolvimento humano e países com IDH superior a 0,800 têm desenvolvimento humano considerado alto.  Abaixo de 0,499 são considerados Muito Baixos.