Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, outubro 30, 2017

Exclusivo: Por que a mãe do prefeito de Tucuruí foi presa?

Josy Brito acusada de ser mandante do assassinato de Jones William é empresária e mãe do atual prefeito de Tucuruí.

Por Diógenes Brandão

Segundo informações obtidas com exclusividade pelo blog, uma queima de arquivo deixou um lastro de outros cinco (05) assassinatos, logo após a morte de Jones William. Os nomes das vítimas são: Zé Davi, Edvaldo, Elden, Juan e Miúdo.   

Uma delação de um parente de Zé Davi, fazendeiro assassinado 02 meses após a morte de Jones William, teria citado o nome da acusada, a empresária Josenilde Silva Brito, mais conhecida com Josy Brito, mãe do atual prefeito Artur Brito (PV), que acabou presa hoje em Tucuruí, após prestar depoimento à polícia.

A acusada é proprietária de uma empresa chamada Fé em Deus empreendimentos.

DELAÇÃO E QUEIMA DE ARQUIVO  

Zé Davi, é como era conhecido o fazendeiro José David de Lucas, de 76 anos, assassinado com cinco (05) tiros na noite do dia 22 de Setembro, na rodovia BR-422, próximo ao município de Tucuruí, no sudeste pararense. 

Uma das hipóteses levantadas pela polícia na época e que serviram para montar o quebra-cabeça que permitiu chegar à conclusão de que o crime tenha sido uma queima de arquivo, foi de que José Davi estava sendo investigado por envolvimento no assassinato do prefeito da cidade, Jones William, em julho deste ano.

Leia também >> Exclusivo: Mãe do prefeito de Tucuruí é presa após prestar depoimento à polícia

O carro do fazendeiro foi encontrado capotado ao lado da pista, apoiado em um poste de energia, com a vítima já morta dentro do veículo. O caso foi inicialmente tratado como um acidente de trânsito, mas após a chegada da polícia militar, foram encontradas as marcas de bala no veículo e no corpo do fazendeiro.

O caso inicialmente foi tratado como um acidente de trânsito, mas policiais encontraram marcas de tiros no veículo e na vítima. (Foto: Reprodução/Sistema Floresta).
Segundo as primeiras informações levantadas pela polícia, José David voltava para casa, localizada na Vila Permanente, dirigindo o próprio carro, quando dois homens de moto o perseguiram e dispararam diversas vezes contra ele, acertando cinco tiros. Baleado, José David perdeu o controle do veículo, batendo no canteiro central da rodovia e capotando em seguida.    

A morte do fazendeiro ocorreu coincidentemente um dia depois da prisão de Bruno Marcos, suspeito de executar o prefeito e capturado em Belém, após tentar embarcar em um vôo no aeroporto internacional Júlio César. Bruno foi identificado como executor de outro crime em Itaituba, onde câmeras de segurança do posto da vítima, registraram o momento em que o matador de aluguel encostou a arma na cabeça dele e atirou.   

Um retrato falado e o vídeo foram peças fundamentais para a polícia chegar ao acusado que permanece preso e deve ter revelado os nomes dos mandantes e contratantes do "serviço", que já ceifou a vida de três prefeitos da mesma região, no período de um ano e meio, tal como esse blog vem apurando. 

Assista: A pistolagem que mata prefeitos e empresários no Pará


Exclusivo: Mãe do prefeito de Tucuruí é presa após prestar depoimento à polícia



Por Diógenes Brandão


Em Tucuruí, depois de alguns depoimentos coletados pela polícia, com os suspeitos do assassinato do ex-prefeito Jones William (PMDB), morto no mês de Julho deste ano, com tiros na cabeça, o juiz Leonardo Frota de Vasconcelos decretou a prisão de Josy Brito, mãe do atual prefeito de Tucuruí Artur Brito (PV).

A prisão ocorre após contradições em seu depoimento e pelo fato da empresária ter sido delatada por Marlon Posebom, como sendo a mandante do crime que ceifou a vida do ex-prefeito. A acusada está sendo transferida neste momento para a Região Metropolitana de Belém, onde deve ficar presa por no mínimo 30 dias, para não atrapalhar as investigações em curso.

A população revoltada clama por justiça. Assista o vídeo enviado ao blog por populares presentes em frente ao


Delegado-geral diz que não houve prisão de Arthur Brito, prefeito de Tucuruí

Artur Brito e Jones William, após eleitos como vice-prefeito e prefeito de Tucuruí, respectivamente.

Por Diógenes Brandão 

Cumprindo sua imparcialidade no trato trato das informações que nos chegam e em busca de uma apuração isenta de todas as versões, o blog AS FALAS DA PÓLIS cumpre sua função social e prima pela ética na cobertura das investigações sobre os assassinatos dos prefeitos paraenses, pois considera um tipo de crime que não pode ficar impune de forma alguma.

O blog ainda aguarda o envio da gravação do teor de toda a Coletiva de Imprensa, concedida pelo delegado Rilmar Firmino para publicá-la aos nossos leitores, mas adiante que além de termos trazido aos nossos leitores, a Nota de Esclarecimento da Prefeitura de Tucuruí e ter apresentado a versão da defesa do prefeito Artur Brito (PV), trazemos agora a matéria do blog Jornal de Tucuruí, com o seguinte título: Delegado Geral reafirmou a inexistência de prisão contra o prefeito Artur Brito.

Leia:

Em entrevista coletiva à imprensa na tarde desta segunda-feira (30), Rilmar Firmino, Delegado Geral da Polícia Civil do Estado do Pará, reafirmou o que foi divulgado em nota de esclarecimento expedida pela Prefeitura de Tucuruí na manhã desta segunda-feira (30), que em nenhum momento existiu contra o prefeito Artur Brito mandado de prisão preventiva ou condução coercitiva. E reafirmou que “o prefeito Artur Brito foi apenas notificado para prestar esclarecimentos, e de forma espontânea o prefeito compareceu perante a autoridade policial na sede da Superintendência da Polícia Civil da Região do Lago de Tucuruí”.   

A ação da Polícia Civil realizou 12 mandados de busca e apreensão, sendo um na sede da Prefeitura de Tucuruí e 11 em diversas residências, além de 8 conduções coercitivas e 3 prisões preventivas temporárias.    

Firmino esclareceu que “as pessoas que foram conduzidas de forma coercitiva para prestar esclarecimentos, não efetivamente tem envolvimento no crime que culminou com a morte de Jones William, apenas seus depoimentos são de grande importância para colaborar com o andamento das investigações”.   

O delegado Rilmar Firmino foi bastante contundente em cobrar de alguns meios de comunicação que são responsáveis de levar informações verídicas a população, de terem maior critério de apuração de suas pautas, a exemplo, do noticiário nas primeiras horas do dia de hoje, com informações inverídicas que a Polícia Civil estaria cumprindo mandado de prisão contra o prefeito Artur de Jesus Brito e seus familiares, e mais a frente, divulgaram que os mesmos estariam foragidos sendo os culpados pelo assassinato do ex-prefeito Jones William.    

Segundo o delegado Geral são notícias desta extirpe, por meios de comunicação que não tem compromisso com a verdade que atrapalham as investigações e colocam em risco a integridade de pessoas de bem como o foi o caso do prefeito Artur Brito e seus familiares, que tiveram seus nomes enlameados pelo erro de condução dos meios de comunicação.   

Ao final, o Delegado Geral reafirmou o compromisso de no menor tempo possível elucidar a autoria intelectual do crime, haja vista, que os autores do assassinato já foram presos e os que figuram como os apoiadores da execução também já foram identificados, e suas prisões preventivas decretadas. “Nosso maior desafio e desvendar a autoria intelectual, haja vista, os autores do crime já estarem presos”, conclui Firmino.

População hostiliza e a polícia escolta vice-prefeito de Tucuruí. Advogada é presa após tentar impedir o trabalho da imprensa

A chegada de Artur Brito (PV) à sede da Superintendência Regional da Polícia Civil, em Tucuruí.

Por Diógenes Brandão

Veja o momento em que o vice-prefeito de Tucuruí, Artur Brito (PV), chega para ser interrogado:


Em audio recebido do municípios de Tucuruí, a procuradora do município, conhecida como Glaucia Brasil, diz que o prefeito e nem ninguém de sua família foi preso e em vídeo aparece tentando impedir o trabalho da imprensa. 

Assista o momento em que a procuradora avança contra a reportagem.



Contrariando as informações de que a polícia destacou 50 agentes e dezenas de viaturas de Belém e outras cidades, para dar cumprimento de 10 mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária dos suspeitos, além de outras 13 conduções coercitivas, a advogada diz que foram apenas convites para que o vice-prefeito e seus familiares fossem depor.


Segundo uma rádio local, logo após agredir uma equipe de reportagem, a procuradora recebeu voz de prisão.



Neste exato momento populares acampam em frente da Superintendência Regional da Polícia Civil, em Tucuruí e exigem que seja feita justiça contra os acusados da morte do prefeito Jones William (PMDB), atingido por tiros na cabeça, no mês de Julho deste ano, enquanto fiscalizava uma obra na cidade.


Página da Prefeitura de Tucuruí defende vice-prefeito suspeito de ser o mandante do assassinato do prefeito

Suspeito de ser o mandante da morte do prefeito de Tucuruí, Artur Brito tem seu nome defendido por página da prefeitura.

Por Diógenes Brandão

Em nota de esclarecimento, a página da prefeitura de Tucuruí defende a inocência de Artur Brito, principal suspeito de ter sido o mandante do assassinato do prefeito Jones William (PMDB) e que ele continuará governando o município.

Segundo a publicação, o vice-prefeito do município "foi convidado para prestar depoimento perante a autoridade policial responsável pela apuração dos fatos, assim como outras pessoas ligadas à vítima". Na verdade, todas as pessoas levadas pela polícia são ligadas ao suspeito, inclusive sua mãe, seu irmão, chefe de gabinete, além de amigos, sócios e funcionários de Artur Brito.

Polícia procura o principal suspeito de ser o mandante do assassinato de Jones William, prefeito de Tucuruí. Artur Brito (PV) chorou no velório da vítima

Graciele Galvão esposa do prefeito assassinado recebe o afago de Artur Brito, principal suspeito de ter sido o mandante do assassinato de seu marido.

Por Diógenes Brandão  

Três meses após o assassinato do prefeito de Tucuruí, Jones William (42), atingido por tiros na cabeça, a Polícia Cívil deflagrou uma operação que já ouviu a mãe do vice-prefeito, o irmão (vereador) e está na caça do suspeito de ser o mandante do crime, vice-prefeito na época e atual prefeito da cidade, Artur Brito (PV).

Fontes do blog AS FALAS DA PÓLIS já haviam adiantado a autoria do crime, mas o mesmo ainda não foi solucionado, mesmo após a prisão do pistoleiro Bruno Oliveira, preso dias após ter sido acusado de matar um empresário em Itaituba.


Segundo fontes do blog, a mãe, o irmão (vereador) e diversos assessores do vice-prefeito já estão sendo interrogados. Resta agora, o principal suspeito do crime. A cidade aguarda ansiosa pelo desfecho deste caso que chocou o Pará. A procuradora do município nega que tenham ocorrido prisões.

Artur Brito (PV) está foragido da polícia por ser o principal suspeito de ter planejado o assassinato de Jones William.

O vice-prefeito, que não foi encontrado em sua casa, chegou a chorar pela morte do prefeito, ao lado da esposa, durante e após o velório da vítima e em suas redes sociais é comum ter fotos ao lado da vítima.


A cena em que o vice-prefeito Artur Brito (PV) chora sobre o caixão do prefeito Jones William (PMDB).

Ainda segundo as informações exclusivas recebidas pelo blog, uma queima de arquivo deixou um lastro de outros cinco (05) assassinatos após a morte de Jones William, todas ligadas à morte do prefeito. Os nomes das vítimas são: Zé Davi, Edvaldo, Elden, Juan e Miúdo.



Comandada pelo delegado geral da Policia Civil Rilmar Firmino, a equipe composta por 50 agentes de segurança pública que participam da operação, cumprem 10 mandados de busca e apreensão e três de prisão temporária e mais 13 de condução coercitiva, entre elas das seguintes pessoas citadas no inquérito. São eles: Artur Brito (Vice-prefeito), Josy Brito (Mãe do vice-prefeito), Lucas Brito (Vereador e irmão do vice-prefeito), comandante Wilson (Chefe de Gabinete), Patrick (Pistoleiro e segurança da mãe do vice-prefeito) Marlon (Amigo e sócio do vice-prefeito), Birinha (Assessor do vereador Lucas Brito), Tiago Canaã (Motorista do vice-prefeito), Clóvis e Cleiton (Agiotas e sócios do vice-prefeito).