Pesquisar por palavra-chave

sábado, janeiro 20, 2018

Enquete: Quem será o próximo governador do Pará?



Por Diógenes Brandão

Com o intuito de avaliar o desempenho nas redes sociais dos pré-candidatos até aqui apresentados aos eleitores paraenses, o blog AS FALAS DA PÓLIS criou a enquete sobre a intenção de voto para governador do Estado do Pará. 

Nela, o eleitor é obrigado a se identificar, evitando assim a votação anônima e só é permitido escolher um dos pré-candidatos apresentados, podendo o eleitor incluir outro nome de sua preferência, caso este não esteja entre os apresentados pela enquete. 

O resultado será totalizado às 20h do próximo sábado (27/Jan) e será amplamente divulgado nas redes sociais.


O blog agradece a participação e o compartilhamento!

O link direto para a enquete é http://www.ferendum.com/pt/PID119532PSD78147



Brasil Mitômano: Banda de rock "bomba" com Vídeo Lyric contra os golpistas e o "Bolsonazismo"



Por Diógenes Brandão


Com pouco mais de três meses depois de ser lançado na fanpage da banda paraense Delinqüentes, o Vídeo Lyric "Brasil Mitômano" já tem quase 50 mil visualizações e traz uma mensagem forte e direta aos atuais governantes brasileiros. Com cenas e frases que mostram e citam diversos personagens do golpe parlamentar e midiático que ocorreu no Brasil, o vídeo é um tapa bem dado na cara de todos os que patrocinaram, torceram e emudeceram diante deste cenário caótico que foi imposto ao país.

Antes que apareça alguém com preconceitos e que diga que a banda Delinqüentes é de petistas ou fãs do Lula, aviso logo que não são e nunca foram. Pelo contrário, além de alguns de seus integrantes pregarem o voto nulo, as letras de diversas de suas músicas são críticas aos partidos e o sistema político como um todo.  

Quer mais sobre eles? Digite no Google: Banda Delinqüentes

Mas antes assista Brasil Mitômano:



Sobre a banda Delinqüentes

A veterana banda de Hardcore Delinqüentes já é uma velha conhecida do público. Com 32 anos de estrada, o som já variou bastante, mas hoje tocam um Hardcore bem rápido e agressivo mesclado a outros estilos como Thrash Metal, Industrial, Punk Rock e Alternativo, desembocando num som moderno, peculiar e também agressivo e contagiante, sempre com letras atuais e que tentam fugir do lugar comum.  

1º CD  

Em 2000 teve seu 1º CD oficial lançado (Pequenos Delitos – Na Figueredo Records), que teve uma boa repercussão pela mídia especializada e pelos amantes do estilo, chegando a receber nota 9 na revista Rock Brigade (SP), sendo considerada pela revista como um dos melhores lançamentos de Hardcore do ano.  

TURNÊS  

Na mesma época sai em turnê pelo nordeste, tocando posteriormente em São Paulo e Rio de Janeiro, dividindo o palco com grandes bandas do estilo como o Cólera, Ação Direta, Devotos (PE) e outros.  

SHOWS  

Em Belém, já teve a honra de fazer o show de abertura de: Ratos de Porão, Raimundos, Replicantes, Shelter (E.U.A.), Daniel Beleza, Inocentes, Garotos Podres, D.F.C. (DF), Macakongs (DF), Rock Rocket, Superguids, Matanza e vários outros, tendo participado também de grandes festivais na cidade, tanto no passado (Rock 24 Horas, Variasons), como nos eventos atuais (Todas as edições do festival Se Rasgum e duas do Fest Rock, para ficar em alguns), sendo sempre destaque pelo seu som impactante e performance contagiante, em completa interatividade com o público, que participa cantando as músicas numa catarse coletiva.  

VIDEOCLIPE  

Em 2006, a banda participou da 3ª mostra competitiva de curta metragem Paraense, concorrendo com seu clipe Suíno Homo Sapiens ao prêmio Ná Figueredo, ficando em 2º lugar. Seu mais novo clipe, Vagamundo, produzido pela rede Funtelpa, tem sido bastante veiculado na programação da TV Cultura local.  

NOVO CD  

Atualmente, a banda divulga o seu 2º CD, Indiocídio, contendo 17 músicas do mais puro hardcore crossover e que já vem colhendo boas críticas, tanto pela elogiada arte gráfica, quanto pela boa qualidade de gravação.  

ÚLTIMAS APRESENTAÇÕES  

Entre seus últimos shows, destacam-se: 4ª e 5ª edição do Festival Se Rasgum (novembro de 2009 e de 2010 – sendo a única banda à tocar em todas as edições do evento), 2ª edição do São Luís Rock Festival (Maranhão), 2º Festival Quebramar (Macapá – AP), Grito Rock América do Sul em Taguatinga (DF), Festival Megafonica e o show Bodas de Ouro.  

FORMAÇÃO ATUAL: 

Jayme “Katarro” 
Neto: Vocal Pedrinho: 
Guitarra Pablo Cavalcante: Baixo e backing vocal 
Raphael Lima: Bateria e backing vocal  

DISCOGRAFIA: 

INFECTO HUMANO (Demo, 88)
GRITOS DE AGONIA E DESESPERO (Demo coletânea, 93)
A VERDADEIRA FACE DA LOUCURA HUMANA (Demo, 94)
AÇAÍ PIRÃO (CD coletânea - Ná Records, 99) 
PLANETA DOS MACACOS (Demo, 2000) 
HC SCENES (CD Coletânea de Londrina - PR) 
MINUTOS DE INTOLERÂNCIA (CD Coletânea de João Pessoa – PB) 
EXPRESSO HC (CD Coletânea de Rio de janeiro – RJ) 
PEQUENOS DELITOS (CD individual - Ná Records, 2000) 
A GUERRA NOSSA DE CADA DIA (Demo, 2002) 
MATANÇA DE ANIMAIS (Demo, 2003) 
VAGAMUNDO (Promo, 2004) 
INDIOCÍDIO (CD individual - Ná Music / TacaKaos Records, 2009)


Folha revela a farsa da direita sobre a proibição ao cristianismo na Bolívia

 O presidente boliviano, Evo Morales, entrega presentes ao papa Francisco no Vaticano em 2016.


A evangelização é um crime —tão grave quanto exploração sexual, venda de órgãos, turismo pornográfico e mendicância forçada, todos passíveis de sete a 12 anos de prisão na Bolívia, segundo o novo Código Penal do país.  Essa é, ao menos, a interpretação que grupos católicos e evangélicos vêm dando ao artigo 88 do texto, que inclui no pacote de crimes que tratam do tráfico de pessoas o "recrutamento para a participação em conflitos armados ou organizações religiosas ou cultos".

A relação entre o presidente Evo Morales e denominações cristãs, que nunca foi das melhores, degringolou com a aprovação, em setembro, de uma lei que legaliza o aborto antes de oito semanas de gestação e quando a mãe é estudante ou tem dependentes.  

O caldo entornou de vez com o novo código, que entupiu ruas bolivianas com protestos de religiosos. O pastor paulista Antonio de Novais Santos participou de um deles na quarta-feira (17), na cidade de Cochabamba.  

Ele mantém por lá sua Iglesia La Vid (Igreja A Videira) e, com outras lideranças evangélicas, acusa Morales de querer impôr na marra um "regime comunista-marxista" na Bolívia.  

"A lei coloca a evangelização, fazer proselitismo, que é o que nós fazemos com o intuito de melhorar a vida da pessoa, no mesmo patamar de escravizar e traficar pessoas. Como pode?", exclama.  

Outro cisma: "Evo opta por ritos, feiticeiros incas em vez de chamar padres, pastores, de usar a Bíblia, para cerimônias oficiais", diz o pastor. Em 2016, o presidente irritou líderes cristãos ao participar de um ritual indígena aimará para invocar chuvas no combate à pior seca do país em 25 anos.  

Para Santos, não é o único indício de que o presidente busca conflito com a cristandade. Em 2010, o Legislativo aprovou uma lei que respaldava um currículo escolar regionalizado, podendo incorporar "componentes de espiritualidade e cosmovisão indígena", como definiu à época o ministro da Educação.  

No Censo de 2012, 58% se declaravam não indígenas, embora Morales diga que são bem menos —muitos temeriam o racismo e prefeririam esconder as raízes.  

BOKO HARAM  

Com os ânimos acirrados pela legislação penal sancionada em dezembro, inicia-se novo round entre governo e religiosos. Políticos alinhados a Morales apontam uma "guerra de mentiras" nas redes sociais. O artigo 88 serve, segundo o presidente do Senado, José Alberto Gonzales, de vacina contra um correlato latino ao Boko Haram, grupo fundamentalista da Nigéria.  

Porta-voz do MAS, partido governista, David Ramos Mamani acusa a "oposição de direita", servil a "interesses internacionais do imperialismo", de inventar "uma perseguição a igrejas". O que de fato se mira, afirma, são "o sequestro de fiéis ou conversões forçadas, e isso não é novo, já estava em leis anteriores".  

Papo furado, diz à reportagem Carlos Alarcón, advogado constitucionalista e ex-vice-ministro de Carlos Mesa (2003-05), que precedeu a atual Presidência. "É provável que a intenção real seja aniquilar todos os direitos e liberdades que impedem [Evo] de ter o controle total da sociedade boliviana, como as liberdades do pensamento, a consciência, a religião e a expressão."  

Para Iván Lima, ex-ministro do Tribunal Supremo de Justiça boliviano, as igrejas sabem, no fundo, que o código não ameaça a evangelização. "Nossa Constituição protege amplamente a liberdade religiosa. O artigo 88 não pode ser lido isoladamente", diz.  

O que esses religiosos realmente querem, ao pleitearem a revogação de todo o Código Penal, é não permitir o abrandamento da legislação sobre o aborto, afirma.  

O Brasil entrou na peleja via bancada evangélica da Câmara. Seu presidente, o deputado Hidekazu Takayama (PSC-PR), enviou ofícios à embaixada da Bolívia e ao Itamaraty questionando o código "que vem consternando a população cristã não só do país, mas de todo o hemisfério".  

O embaixador do país no Brasil, José Kinn Franco, lamentou, em resposta a Takayama, a ação daqueles que "usam a mentira como arma" e destacou que a maioria dos militantes do governista MAS "professa uma religião".  

IGREJA VS. EVO  

O arsenal de ilações, segundo o deputado Mamani, vem da "hierarquia eclesiástica boliviana, porta-voz da direita e com intenções políticas".  

Influente no clero local, a Opus Dei, movimento católico conservador, é uma das vozes mais críticas a Morales.  

A Igreja Católica ainda tem a preferência de três em cada quatro bolivianos, segundo o Pew Research Center (no Brasil, metade segue o Vaticano).  

O bispo Eugenio Scarpellini, da populosa El Alto, tachou de "hipócrita" a visita do presidente ao papa Francisco pouco após a aprovação do Código Penal. "Que ironia é isso ocorrer no dia em que o presidente está com o papa".  Morales não se fez de rogado. No mesmo dia, postou no Twitter: "Meu irmão Francisco, como sempre solidário, humano e integracionista".