Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, fevereiro 26, 2018

Eleições 2018: A diferença entre a pesquisa IBOPE, ACERTAR e DOXA



Por Dornélio Silva*

Três institutos de pesquisa (Ibope, Acertar e Doxa) divulgaram suas primeiras pesquisas registradas no TRE sobre a corrida eleitoral no Pará. É evidente que a divulgação de uma pesquisa causa muitas movimentações, especialmente entre militantes partidários, apoiadores, políticos que agitam os bastidores a todo instante, na busca de dados para tomada de decisões ou simplesmente criticar e colocar em descrédito quando os números aferidos não lhes são satisfatórios. 

E nas redes sociais, as torcidas, deste ou daquele candidato, ficam em polvorosa.  

É imperioso lembrar que, nesse processo, existe um ator político fundamental: o governador. 

Tanto os políticos da oposição, quanto os da situação, esperam a decisão de Simão Jatene para tomarem suas decisões e formularem as suas estratégias. Essa decisão virá até o dia 7 de abril, por força de lei, pois essa é a data limite para desincompatibilização. Até lá, o campo político gira em torno da especulação, dos boatos e disse-me-disse, comum nas vésperas de um processo eleitoral polarizado como esse.  

Lembro-me agora do que publiquei em 2014, nesse período que antecedia a eleição daquele ano. Disse, naquele momento, que a Doxa havia feito uma pesquisa em novembro de 2013. Nesse levantamento, Simão Jatene estava 10 pontos à frente de Helder Barbalho, quando ambos se enfrentaram pela disputa ao governo do Estado. De novembro de 2013 até a decisão final de que Jatene, de fato, seria candidato à reeleição, aconteceu um vácuo, dada a indecisão política no ninho tucano.

Os comentários nesse período foram os mais diversos, entre os quais destacamos: “Jatene vai renunciar ao mandato pra disputar fora do cargo por que não concorda com o instituto da reeleição”; “Jatene não será mais candidato…”  

Essa indefinição causou estragos internos tremendos ao PSDB e aliados, bem como entre apoiadores históricos do partido. Nesse quadro nervoso, Helder Barbalho e seus aliados ocuparam o vácuo deixado pela indefinição tucana. E seu potencial de intenção de voto cresceu. Helder e seus aliados começaram a jogar sozinhos, sem concorrentes à altura.  

Quando as arestas tucanas foram aparadas e Jatene definiu-se como candidato – o único que poderia enfrentar o avanço de Helder –, os aliados históricos, apoiadores e financiadores de campanha tucana se animaram, se levantaram e se prepararam para a luta eleitoral.  

Naquele momento, o Ibope publicava sua primeira pesquisa estadual, indicando empate técnico entre os dois principais concorrentes – com uma pequena vantagem percentual para o candidato Helder Barbalho.  

Olhando o que a Doxa havia detectado em novembro de 2013, dissemos que Simão Jatene estava recuperando o espaço perdido devido à sua demorada tomada de posição, àquela altura, em ser ou não ser candidato.  

Vivemos hoje algo semelhante, aguardando a definição de um dos principais players deste Estado: Simão Jatene. 

Sabendo que ele já não pode mais ser candidato à reeleição, as perguntas da hora são: “Jatene sai para ser candidato ao Senado?”, ou “Jatene fica até o final no governo?”. Seja qual for a decisão, o quadro político-eleitoral tende a se rearmar, com todos os demais aliados e adversários reprogramando e se ajustando para a campanha eleitoral.  

Enquanto isso, Ibope, Acertar e Doxa divulgam seus números. Como não existem, ainda, os candidatos oficiais, cada instituto testa nomes notórios, isto é, de possíveis candidatos. No sentido de contribuir com as análises feitas, considero as três maiores forças políticas do Estado posicionadas neste processo eleitoral, que são: o MDB, o DEM e o PT.

Primeiramente chama a atenção o crasso desvio que o Ibope fez quando divulgou os números da questão espontânea, dando 5% para Helder Barbalho. O Acertar nessa mesma questão deu 14,9% para Helder e a Doxa 15,5%. Os dois institutos paraenses se aproximaram nos números coletados do público entrevistado. Somente o Ibope destoou completamente.

Segundo o Ibope, Helder tem 5%, para o Acertar tem 14,9% e a DOXA apresenta com 15,5%.

Outro dado nessa mesma questão diz respeito aos votos flutuantes (indecisos, brancos e nulos). No Ibope, esse percentual foi para 89% de eleitores paraenses que não têm candidato ou que pretendem votar branco ou nulo. No Acertar, os votos flutuantes somaram 68%; na Doxa, 59,7%. 

É evidente que há forte desgaste dos políticos e que, em função disso, há forte tendência de eleitores votarem em branco ou anular o voto. Mas atingir índices estratosféricos como a pesquisa Ibope chegou é de se repensar a metodologia adotada pelo Instituto.  

Analisando as intenções de voto de Helder (MDB), apurados pelos três institutos de pesquisa, vejamos: Ibope, 36,0%; Acertar, 30,3%; Doxa, 33,4%. Comparando com a margem de erro estipulada por cada Instituto (para mais ou para menos dos resultados encontrados), identificamos o seguinte: no Acertar, que deu margem de erro de 3,5%, Helder pode estar com 38,7% ou 31,7%. Já no Ibope, que deu margem de erro de 3,0%, Helder pode chegar a 39,0% ou 33,0%. Na Doxa, que deu margem de erro de 2,2%, Helder pode estar com 35,6% ou 31,2%.


Verifiquemos que novamente os números do Instituto Acertar e da Doxa Pesquisas se aproximam, enquanto que o Ibope se afasta significativamente.  

Quanto ao senador Paulo Rocha (PT), vejamos: Acertar, 8,7%; Ibope, 17,0%; Doxa, 7,8%. No Acertar, Paulo Rocha pode estar com 12,2% ou 5,2%. No Ibope, o senador pode estar com 20,0% ou 14,0%; na Doxa o pré-candidato petista pode chegar a 10,0% ou 5,6%. Verifique que os números do Acertar e Doxa se aproximam novamente, enquanto do Ibope repete a distância. 

O deputado estadual Márcio Miranda (DEM) tem o seguinte desempenho nos três institutos de pesquisa: Acertar, 8,0%; Ibope, 6,0%; Doxa, 13,8%. No Acertar, Márcio Miranda pode estar com 11,5% ou 4,5%; no Ibope o deputado estadual pode estar com 9,0% ou 3,0%; na Doxa Márcio Miranda pode chegar a 16,0% ou 11,6%. Novamente os números do Ibope destoam dos dois institutos paraenses.  

Comparando as três pesquisas, realizadas praticamente no mesmo período de tempo, podemos afirmar, com a maior segurança, que houve um viés metodológico de aplicação na coleta do Ibope. Enquanto que as duas metodologias do Acertar e Doxa mostraram maior probabilidade dos resultados retratarem o atual momento eleitoral.  

Após a decisão de Jatene, evidentemente o quadro será outro. Até o momento, Márcio Miranda não declarou oficialmente que é candidato ao governo. Ao fazê-lo, certamente os ânimos também serão outros. Então, os institutos farão novas fotografias da realidade e encontrarão novas imagens, alegres ou tristes para as torcidas, mas as equipes de marketing e planejamento dos candidatos, certamente terão muito trabalho a realizar, para consolidar ou correr atrás dos votos que as nossas aferições apresentam ao conjunto da sociedade.  

*Dornélio Silva é mestre em Ciência Política e diretor do Instituto Doxa Pesquisa.

Doxa: Helder patina em torno de 30% desde julho de 2017

Com 33,4% das intenções de voto, Helder Barbalho estaciona em uma margem preocupante para sua eleição como governador do Estado do Pará.

No blog do João Carlos

A pesquisa realizada pela Doxa para medir a intenção de voto dos paraenses, no que se refere à eleição para o governo do Estado, mostra que o pré-candidato do MDB, ministro Helder Barbalho, parece ter mesmo estagnado em torno dos 30%. Desde julho do ano passado, o emedebista não consegue descolar desse número, em todas as medições realizadas pelo instituto.  

Na série de pesquisas realizadas pela Doxa do início do ano passado até agora, Helder Barbalho começou com 21,7% em maio de 2017. Em julho, saltou para 30%, subindo mais de oito pontos em apenas dois meses. Na medição de novembro passado, o pré-candidato do MDB obteve quase o mesmo índice de quatro meses antes e ficou com 30,1% das intenções de votos. Agora, no levantamento divulgado no último sábado (24), alcançou 33,4%.

Na mesma série histórica, o presidente da Assembleia Legislativa do Pará (Alepa), Márcio Miranda (DEM), começou em maio de 2017 com 2,1%. Na pesquisa de julho, obteve 4,9% das intenções de voto dos entrevistados. Em novembro, logo depois de ter seu nome anunciado como pré-candidato da situação, Miranda cresceu mais de sete pontos, ficando com 12,2%. Agora, na pesquisa de fevereiro de 2018, também aparece estável, com 13,8%.  

O senador Paulo Rocha, por sua vez, aparecia com 5,9% na primeira pesquisa. Em julho, caiu para 4,9%, dentro da margem de erro, portanto. Em novembro manteve os 4,9%. Agora, Rocha tem 7,8% das declarações de votos dos dois mil entrevistados pela Doxa neste mês de fevereiro.



Para o pré-candidato do MDB, os números podem não ser tão animadores como parecem à primeira vista. O fato de ser o único nome claramente colocado como postulante à cadeira principal do Palácio dos Despachos até novembro passado – sem falar na enorme visibilidade que tem à frente do Ministério da Integração – deveria ter lhe dado fôlego maior, na visão de alguns experientes analistas políticos. Estar patinando em torno dos 30% há sete meses, mesmo com a enorme exposição nas redes sociais e na Imprensa durante todo esse tempo, já é motivo mais do que suficiente para acender a luz de alerta entre os estrategistas do MDB.  

Pesquisa aponta outros problemas para Helder 

Para aumentar o nível de preocupação, a pesquisa Doxa traz outro dado alarmante para Helder Barbalho e sua assessoria. É que 64,2% dos eleitores afirmam que não votam de jeito nenhum em candidato citado na operação Lava Jato. Como é do conhecimento público, o ministro foi citado, há não muito tempo, por delatores da empreiteira Odebrecht. Segundo o que foi publicado à época, Helder foi acusado de receber recursos de caixa dois da empresa para sua campanha ao governo do Pará, em 2014. Ele nega ter recebido o dinheiro e diz que todas as doações foram contabilizadas na prestação de contas enviada à Justiça Eleitoral.  

Pesquisa aponta alta rejeição a citados na Operação Lava Jato (Fonte: Doxa Pesquisa)

Na semana passada, quem apareceu na delação de dois operadores de propina no esquema da Petrobrás foi o pai de Helder, o senador e ex-governador Jader Barbalho. Segundo os delatores, em depoimentos enviados para homologação do STF pela procuradora-geral da República, Raquel Dodge, Jader, o também senador Renan Calheiros (AL) e o deputado federal Aníbal Gomes (CE), todos do MDB, teriam recebido dinheiro ilícito para dar sustentação política a diretores corruptos da companhia. Todos, claro, negam participação em qualquer irregularidade, mas a Procuradoria-Geral da República (PGR) pede a devolução de R$ 10 milhões aos cofres públicos.  

Dois mil eleitores foram entrevistados pela Doxa, em todas as regiões do Estado, no período de 15 a 21 de fevereiro deste ano. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais e o nível de confiança é de 95%.  

A pesquisa foi registrada no TRE-PA sob o número de protocolo PA-02222/2018. O estatístico responsável pelo levantamento é Luiz Carlos Ferreira Feitosa (CONRE 9477).