Pesquisar por palavra-chave

domingo, maio 06, 2018

A classe média, não! OAB-PA exige um basta na violência após assassinato de advogada



Por Diógenes Brandão

24 horas depois da morte da advogada Alessandra Teixeira Romariz Vasconcelos, de 44 anos de idade, a OAB-PA emitiu nota exigindo medidas enérgicas por parte do Estado, no combate à criminalidade. 

Mesmo sem citar o assassinato da advogada, a Ordem resolveu se pronunciar e cobrou das autoridades estaduais, medidas que garantam a segurança da população. Segundo matéria do portal Diário Online, a Polícia Civil acredita que o crime tenha sido motivado por um eventual desentendimento no trânsito e não por uma tentativa de assalto ou alguma retaliação ao trabalho da advogada.

O blog se solidariza não só com a família da advogada Alessandra, assim como todas as demais que diariamente tem sido atingidas pela onda de violência e intolerância que assola o Estado e o país, onde a maioria dos cidadãos comuns e policiais - de baixa patente - viram apenas estatística e matéria jornalística para as páginas policiais.

Leia a nota da OAB-PA:

A Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Pará, vem a público exigir das autoridades paraenses um basta na onda de violência que assola o Estado e amedronta todos os cidadãos indistintamente, que não podem contar com o mínimo de segurança para sair de casa sem se esquecer ainda, que o Estado sofre com a atuação de milícias, investidas de violência contra estabelecimentos prisionais, crimes praticados mediante violência ou grave ameaça em plena luz do dia, dentre outros. 

Recentemente, os noticiários têm revelado que o cidadão paraense está lançado à própria sorte, evidenciando que o Poder Público vem sucumbindo diante de uma criminalidade cada vez mais atuante e ousada, sem que se indique medidas concretas e eficientes no sentido de estancar o caos que se instalou no Pará. 

Do campo à cidade, no interior ou nas imediações dos presídios, dentro ou fora de nossos lares, a violência tem acuado e aprisionado a sociedade paraense, que ainda sofre com a deficiência na prestação de serviço público nas mais diversas áreas, esvaindo-se a esperança de se vislumbrar dias melhores por um povo que não mais acredita no poder de reação estatal.  A vida humana vem perdendo o seu valor e, o pior de tudo, quem teria o dever de salvaguardá-la já não dá mais sinais de existência ou resistência, de modo que é hora de se mostrar, a contento e de imediato, medidas reais de preservação e proteção da população paraense, freando o ímpeto dos grupos criminosos que aterrorizam os cidadãos. 

Não conclamamos apenas pela elucidação dos fatos já ocorridos, mas pela implementação  de ações reais que impeçam tais barbaridades. Isso só se dará através da atuação eficiente e enérgica do Estado, sem se olvidar dos valores republicanos que norteiam o nosso Estado Democrático de Direito. 

O que tem sido feito pelo Estado para conter tanta selvageria em detrimento da vida humana? Articulações politicas pensando nas eleições não estão na pauta do momento e é necessário voltar os olhos para o cidadão paraense, que clama por segurança e presença efetiva do Estado, assegurando convívio harmônico e civilizado a todos sem, contudo, instalar-se um estado policialesco e violador de direitos e garantais fundamentais, sendo obrigação do Estado garantir a segurança de todos, sem que para tanto afronte as direitos consagrados em nossa Constituição Federal. 

A OAB-PA estará cobrando, exigindo na condição de porta voz da cidadania a adoção de medidas enérgicas e concretas de combate à criminalidade por parte do Estado, sob pena de voltarmos ao período da vingança privada e permitir que cada qual faça justiça com as próprias mãos, assumindo o Estado a sua plena incapacidade e incompetência na área de segurança pública.

Alberto Campos  
Presidente da Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional do Pará.

Pesquisa DOXA para governador, senador, deputados federais e estaduais na região metropolitana

Nomes de 04 pré-canditados ao governo do Estado foram avaliados pela pesquisa DOXA.

Por Diógenes Brandão, com informações da DOXA Pesquisas

A primeira pesquisa Eleitoral do Instituto DOXA realizada na Região Metropolitana de Belém, registrada no T.R.E sob o nº PA-02860/2018 para Governo do Estado do Pará, Senado, Presidente da República e deputados federal e estadual mostra um quadro de muita incerteza entre os eleitores desta Região.

Na questão espontânea, em que não são apresentados os nomes dos candidatos aos entrevistados, Helder Barbalho (MDB) aparece em primeiro lugar com 11,1% das intenções de voto. Em segundo lugar vem o deputado estadual e presidente da Assembleia Legislativa, Márcio Miranda (DEM) com 4,2%. O senador Paulo Rocha (PT) é o terceiro colocado com 2,1% das intenções de voto. Fernando Carneiro (PSOL) está com 0,8%. Outros nomes somam 3,8%. 

Chama a atenção o alto índice de votos flutuantes, isto é, eleitores que estão indecisos ou que pretendem votar em branco ou anular o voto. Esse percentual é de 77,9%. Percebe-se, aqui, que o campo está aberto na corrida eleitoral.
 

Quando se estimula, isto é, apresentamos os nomes dos candidato, Helder Barbalho (MDB) vai para 28,5% das intenções de voto. Márcio Miranda (DEM) permanece em segundo lugar com 12,6%.  O senador Paulo Rocha (PT) continua em terceiro lugar com 6,7% das intenções de voto. Fernando Carneiro (PSOL) alcança 2,0%.

Verificamos que os votos flutuantes, mesmo estimulando os nomes de candidatos, permanece alto, somando 50,1%. Destacamos, aqui, os eleitores que pretendem anular ou votar em branco. 

Na questão espontânea esse índice era de 14,9% , na estimulada esse percentual subiu para 32,1%, demonstrando a rejeição forte contra a classe política. O Instituto DOXA vem acompanhando o comportamento do eleitor ao longo de cinco (05) pesquisas desde o ano passado. 

Na linha histórica na Região Metropolitana, Helder Barbalho tem uma média de intenção de voto de 23,7%; enquanto Márcio Miranda tem 10,2%.

 

Em se tratando de rejeição na Região Metropolitana, Helder Barbalho (MDB) aparece como o mais rejeitado pelos eleitores, somando 22,9%. O senador Paulo Rocha (PT) é o segundo mais rejeitado, aparecendo com 10,2%. Fernando Carneiro (PSOL) é o terceiro mais rejeitado, 4,6%. Márcio Miranda (DEM) é o menos com 3,6%. Outros 49,0% não avaliaram.


Estimulamos 21 pré-candidatos a deputado estadual que disputam voto na região. Veja o ranking desses 21 pré-candidatos:

 

Estimulamos 17 pré candidatos a deputado federal que disputam voto na região.  Veja o ranking desses 17 pré-candidatos abaixo:

 

Assim como para governador, a corrida ao senado ainda está em campo muito aberto. Mesmo estimulando alguns pré-candidatos, 55,3% dos eleitores da região metropolitana de Belém não sabem em quem votar. 

A DOXA estimulou o primeiro e segundo voto, depois fez a consolidação. O resultado mostra a candidata do PSOL, Úrsula Vidal, em primeiro lugar com 9,7%. O deputado federal Arnaldo Jordy é o segundo colocado na região com 7,1%. O senador Jader Barbalho vem em terceiro lugar com 6,9%. 

Mário Couto é o quarto colocado com 4,6%. O senador Flexa Ribeiro vem em quinto lugar com 3,4% das intenções de voto. Em sexta posição aparece o advogado Jarbas Vasconcelos com 2,4%. O empresário Romulo Maiorana aparece em sétimo lugar com 2,2. O deputado federal Zé Geraldo é o oitavo colocado com 1,4%.  Os demais podem ser vistos no gráfico abaixo:

 
A pesquisa foi realizada entre os dias 19 a 25 de abril de 2018 com uma amostra de 2.000 entrevistas. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% dos resultados retratarem o atual momento eleitoral. A margem de erro da pesquisa é de 2,2% para mais ou para menos sobre os resultados encontrados no total da amostra.  

O universo da pesquisa abrange os seguintes municípios: Belém, Ananindeua, Marituba, Benevides, Santa Bárbara, Santa Izabel, Castanhal e Barcarena. 

Essa região compreende 32% do total dos eleitores do Estado do Pará. A opinião que a pesquisa retratou não é do conjunto do estado, mas, apenas desse subconjunto.

Nesta segunda-feira (06), divulgaremos outros importantes dados desta pesquisa do Instituto DOXA, como a preferência dos eleitores para a escolha do futuro presidente do Brasil, o impacto da lava-jato e os principais problemas apresentados pelos eleitores entrevistados.

Tenha um bom domingo!