Pesquisar por palavra-chave

domingo, maio 20, 2018

Eder Mauro: O deputado-delegado que decepcionou a sociedade paraense ao esquecer da polícia e da segurança pública

Eder Mauro: Nenhuma lei ou projeto em defesa da polícia e da segurança pública do Pará?

Por Diógenes Brandão

Eleito em 2014 com mais de 265 mil votos, o deputado federal Eder Mauro  (PSD) apareceu para os eleitores com os punhos assentados no peito esquerdo e bradou para todo o estado que faria da luta contra a violência, a razão de ser de sua candidatura para representar o povo paraense em Brasília.  

No entanto, a pergunta que fica no ar é se Eder Mauro chega ao fim de seu primeiro mandato parlamentar, depois de quatro anos como deputado, sem ter nenhuma lei aprovada e nenhuma ação efetiva em defesa dos policiais, assim como nenhuma emenda para a área da segurança pública? Absolutamente nada que viesse a valorizar a sofrida categoria de profissionais da segurança em nosso País e do Estado que o elegeu?

Mas se este deputado não conseguiu produzir legislação voltada para a segurança pública, sua letargia não parou por aí.  

Eder Mauro poderia ter alocados emendas parlamentares para melhorar o alojamento de seus colegas policiais no Pará.

Poderia ter destinado emendas para a compra de coletes, armas, viaturas e demais  equipamentos de proteção e locomoção dos policiais de nosso estado.  

Mas não! 

Eder Mauro esqueceu de investir, como deputado, na segurança pública em nosso estado, e agora, passados 4 anos, o deputado-delegado volta a abraçar o povo pobre com promessas infundadas para tentar, mais uma vez, surfar na onda de violência que varre nosso país e o nosso Estado.?

Nestes últimos quatro anos em que a onda de violência se alastrou em nosso estado, qual foi a ação pública deste deputado para mobilizar o seu mandato ou a “bancada da bala” no congresso em defesa de nossa sociedade?  

Ao receber de Michel Temer mais de 80 milhões de reais em Emendas Parlamentares, o deputado Eder Mauro também poderia ter destinado recursos para reformar 800 delegacias de polícia, considerando que cada delegacia reformada custa cerca de R$ 100 mil reais. 

Com esse dinheiro, também daria para comprar casas populares para boa parte dos policiais que hoje moram em bairros considerados “área vermelha” e que muitos estão sendo assassinados.   

Daria para comprar 40.000 coletes especiais para todos os policiais civis e militares do Estado e ainda sobraria coletes de reserva para todos.  

Além disso, daria para o deputado-delegado fazer seminários e cursos de capacitação para ajudar com que os policiais e demais agentes de segurança pública tivessem suas vidas preservadas, com um pouco mais de preparo para sua auto-proteção.  

Mas se absolutamente nada disso foi feito por Eder Mauro, porque ele continua se apresentando como defensor dos "colegas de farda", se nem ele nunca vestiu qualquer farda, já que é da polícia civil e não militar?

Onde estava Eder Mauro que não fez nada para combater a violência que assola o país e o Estado onde ele foi eleito deputado?  

Pra onde foi o dinheiro que ele recebeu para apoiar o presidente Temer que se livrou das investigações de corrupção, com seu voto e da maioria dos demais deputados que apoiam seu corrupto governo em Brasília?

Edir Veiga e Dornélio Silva falam sobre as eleições de 2018 no Pará



Por Diógenes Brandão

Em entrevista ao blog AS FALAS DA PÓLIS, os cientistas políticos Edir Veiga e Dornélio Silva analisam o cenário das eleições deste ano, destacando o alto índice de abstenções, votos brancos e nulos que suas pesquisas revelam. 

Ou seja, o resultado das eleições está indefinido. 

Além disso, as novas investigações da Lava Jato e a alta rejeição do pré-candidato que lidera as intenções de voto, podem fazer uma reviravolta na cabeça do eleitor. O povo espera por outros candidatos ao governo do Estado? 

Assista! 



PM diz que violência diminuiu com investimentos na área da segurança, mas associação dos cabos e policiais reclama de 03 anos sem reajuste salarial

PM e governo dizem que investimento na segurança pública reduz índices de criminalidade no Pará.

Por Diógenes Brandão

Matéria do portal Agência Pará noticia que de janeiro a abril de 2018, houve redução de 12% nos índices de furtos, 14% no número de roubos, e 17,44% nos registros de latrocínio (roubo seguido de morte) e lesão corporal seguida de morte, em comparação ao mesmo período de 2017. Além disso, o governo fala da aquisição de novas armas e viaturas para a capital e interior. 

Quanto aos benefícios aos policiais, o comando da PM diz que nos últimos anos houve aumento do vale alimentação, de R$ 100 para R$ 650 reais; os auxílios de invalidez permanente e por morte, que aumentaram, respectivamente, de R$ 5 mil para R$ 30 mil e de R$ 10 mil para R$ 70 mil; a vantagem por tempo de serviço, de 5%, que hoje é automática para todos os militares; o adicional de risco de vida, que aumentou de 50% para 100%; o auxílio fardamento, que equivale a um mês de soldo, e passou a contemplar sargentos e tenentes, além de soldados e cabos, duas vezes ao ano; e, por fim, a remuneração inicial dos praças, que aumentou de R$ 1.681 para R$ 3.090.  

Segundo o governo do Estado, a categoria também foi beneficiada com a promoção de 7 mil militares nos anos de 2015 e 2016 e que passou a ser possível um praça se tornar oficial a partir de 15 anos de serviço, com dois anos de graduação de 3° Sargento, se este possuir diploma de nível superior ou com o certificado de curso de aperfeiçoamento de sargento. Anteriormente, esta patente era possível apenas para 1º sargento e subtenente.

Leia aqui

Já a Associação dos Cabos e Soldados relata em seu site a seguinte informação: 

Associação de Cabos e Policiais diz que está na luta pelo reajuste da classe.

Reunião na Secretaria de Segurança Pública do Estado -SEGUP com autoridades representativas do Estado! 

Diretores das entidades representativas presentes na reunião, demonstraram total revolta em relação aos anos que os Policiais Militares estão exercendo suas funções sem receber reajuste salarial.  Ocasião em que também foi apresentada todas as nossas insatisfações com o descaso do Governo frente a situação caótica da segurança pública no Estado do Pará.

Leia aqui