Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, julho 23, 2018

Quem deve ser o vice de Márcio Miranda?

Diante diversos nomes, o pré-candidato ao governo do Estado, Márcio Miranda, ainda não escolheu seu vice.

Por Diógenes Brandão

Em um evento que lotou o ginásio do SESI, o PR anunciou na última quinta-feira (19), que o deputado federal Lúcio Vale (PR) será o vice de Helder Barbalho (MDB) na chapa em que disputarão o governo do Estado. Embora Lúcio tenha anunciado que o evento seria transmitido ao vivo pela redes sociais, isso não aconteceu. 

Faltando 15 dias para o início da campanha eleitoral, circulam pelas redes sociais especulações de nomes que estariam sendo cogitados para serem o vice de Márcio Miranda (DEM). Entre eles, tucanos como Ana Cunha, Adnan DemachkiAlexandre Von e José Megale. Mas além do PSDB, outros partidos também podem apresentar interesse pela vaga. É o caso do PPS, que teria como alternativa, o deputado federal Arnaldo Jordy para a tarefa. 


O PSB também goza de muito prestígio junto ao pré-candidato do DEM, mas até agora não apresentou um nome com a envergadura suficiente para se configurar entre os "concorrentes". Segundo uma servidora da ALEPA, o deputado estadual Sidney Rosa poderia ser o vice de Márcio, mas é orgulhoso demais para recuar e retirar sua pré-candidatura ao senado.

Ouvindo cientistas e analistas políticos de peso, o blog AS FALAS DA PÓLIS conclui que assim como Helder Barbalho escolheu seu vice por ele vir com a força de uma região estratégica, o nordeste paraense, Márcio Miranda também precisa de uma região com o peso político necessário para ajudá-lo a chegar ao segundo turno.


Nas últimas eleições, os vices foram escolhidos, representando regiões do estado. 

O de Ana Júlia (2006) veio de Santarém, Odair Corrêa; o vice do segundo governo de Jatene veio, também, de Santarém, Helenilson Pontes (2006); do terceiro governo Jatene veio do sul do Pará, Zequinha Marinho (2010). Helder escolheu para seu vice na sua 1ª eleição de 2014, Lira Maia, de Santarém. Agora, Helder muda sua estratégia e escolhe alguém com trâmites maiores na região Nordeste paraense que representa 24% do total dos eleitores paraenses: Lúcio Vale (PR).

Uma cartada de mestre, já que Helder precisa aumentar sua estimativa de votos e seu tempo na propaganda de rádio e tv.

Diante deste fato concreto, Márcio Miranda precisa valorizar a região metropolitana ou do nordeste paraense, assim como sinalizar para os tucanos, que embora queira iniciar uma nova era no Estado, está alinhado com o conjunto de apoiadores.

Para um atento observador e leitor do blog, o nome ideal para ser o vice de Márcio Miranda seria alguém articulado em comum acordo com o prefeito de Ananindeua, Manoel Pioneiro (PSDB). 

Para o nosso colaborador, essa escolha teria um efeito duplo: Acabaria de vez com rebeldia que metade da base de Pioneiro faz para adentrar de corpo e alma na campanha de Márcio Miranda e colocaria a força da máquina de duas prefeituras tucanas: A de Belém e de Ananindeua, que junto com outros municípios da RBM representam 32% do eleitorado paraense.

Parece uma conta óbvia, mas não é. Afinal, Márcio Miranda não é tucano e setores do PSDB não escondem que não querem largar totalmente o poder nas mãos do aliado, por mais que ele não demostre sinais de que pretende centralizar em si as decisões de governo, pois foi eleito por 3 vezes consecutivas como presidente da ALEPA e indicado com pré-candidato ao governo, por um grupo de quase 20 deputados estaduais, os quais fazem parte de um amplo leque de partidos e não por escolha do governador Simão Jatene, como muitos dizem, como forma de colar no sucessor, a rejeição e o desgaste natural dos três mandatos do tucano.

Já Márcio Miranda, que goza da menor rejeição entre os pré-candidatos ao governo, não pode abrir mão do apoio dos prefeitos das grandes cidades, bem como do próprio governo do Estado, que assim como os prefeitos de sua base, se prepara para inaugurar importantes obras, tanto na região metropolitana, quanto em todo o Estado do Pará.