Pesquisar por palavra-chave

quinta-feira, outubro 11, 2018

Militante desabafa: O PT lança a pior mensagem à sociedade paraense

O relato e a indignação de um militante histórico, sobre a manutenção da aliança PT/MDB no Pará



É por essas e outras razões que nós vamos perder e o Bozo vai ganhar. 

E o PT não poderá se eximir da responsabilidade histórica de ter contribuído pra vitória do Fascismo. 

A história já nos ensinava que o fascismo viceja onde os justos mostram vacilação e tibieza. 

Nem sequer se exigiu como contrapartida a decretação de apoio ao Haddad, para se derrotar o obscurantismo. 

Não! 

Resta flagrante o propósito menor e mesquinho de sob o cadáver da democracia participar da pilhagem do Governo do Estado do Pará, sob a batuta da "famíglia" Barbalho

Caminhamos a passos largos para o cadafalso. 

O oportunismo já se prenunciava no horizonte, quando ainda sob a fumaça do canhonaço do golpe, Lula fazia suas caravanas abraçado com Renan Calheiros e até ontem flertava indecentemente com Eunício Oliveira


No futuro, essa triste página da nossa história será como aquele momento que podia ter sido evitado se não nos tivesse faltado, na hora mais importante, a coragem e a firmeza de propósito para derrotar o inimigo mais perigoso, que ora se abate sobre nossa jovem democracia. 

Com esse gesto o PT lança a pior mensagem à sociedade paraense. 

E isso jamais será esquecido.


*Marcelo Costa é Advogado e Militante de Direitos Humanos. Militante do PT desde 1999.


Leia também: 






PT decide apoiar Helder Barbalho, mas militância lembra do golpe e reage

Helder Barbalho mantém PT aliado do projeto do MDB no Pará, mas militância reage e ameaça não fazer campanha.

Por Diógenes Brandão

A decisão tomada pela executiva estadual do PT-PA, nesta quinta-feira (11), deixou a sociedade paraense sem entender os motivos que levaram o partido a declarar apoio a Helder Barbalho, neste segundo turno das eleições para o governo do Estado.

Representantes dos grupos de Paulo Rocha, Beto Faro, Dilvanda Faro e Carlos Bordalo, já chegaram com posição definida: Apoiar Helder Barbalho

Já o grupo de Zé Geraldo, Airton Faleiro e Dirceu Ten Caten confirmaram o que o blog AS FALAS DA PÓLIS anunciou na madrugada de hoje: Fecharam posição em apoio a Márcio Miranda para governador. 

Só o grupo liderado pelo ex-deputado federal Cláudio Puty defendeu que a estratégia prioritária para este segundo turno deveria ser a reunião de forças para eleger Fernando Haddad e que qualquer candidato que quisesse o apoio do PT, deveria igualmente declarar o apoio ao candidato a presidente do partido. 

Para tal, o grupo defendida a criação de uma ampla frente multi-partidária para conseguir juntar a maioria das forças políticas e barrar a ameaça fascista representada na candidatura de Jair Bolsonaro.

No entanto, por maioria simples, a reunião da executiva estadual do PT aprovou a posição de apoio a Helder Barbalho e soltou uma nota justificando a decisão. 

Nela, o PT diz que em 2003, durante o primeiro ano do segundo mandato de Lula como presidente, deu-se início a um projeto que representa uma política de destruição do ideário de nação, de liquidação dos direitos sociais e econômicos da grande maioria da população, de mutilação da soberania do Brasil, e de incentivo do ódio e da intolerância como método de disputa política. Confuso, né? Mas é isso que você pode ler abaixo, na fanpage do partido: 


Militância não foi ouvida e reagiu contrária à aliança com o MDB

O anúncio da decisão deixou a maioria da militância confusa e quem não é petista ficou sem entender o que leva o PT a manter-se aliado aos representantes de Michel Temer no Pará, já que o PT e a esquerda como um todo, desenvolveram a narrativa de que sofreram um golpe orquestrado pelo MDB, que tomou o poder após um impeachment forjado.

Através de métricas e análise de sentimento nas redes sociais é possível identificar diversas manifestações de filiados e simpatizantes do PT, se colocando contrários à decisão dos dirigentes do partido e ameaçando ignorar o acordo eleitoral feito com o MDB, o que pode fazer com que só seja cumprido pelos que participaram das negociações, enquanto a maioria dos votos entregues aos candidatos do PT, no primeiro turno, até agora tem rumo desconhecido, neste segundo turno das eleições para o governo do Estado.

E o Haddad?

Preocupados que a decisão adotada pelos membros da executiva do PT não contamine a campanha do presidenciável, um grupo de militantes e simpatizantes da candidatura de Fernando Haddad criaram um grupo no Whatsapp, com o intuito de discutir estratégias para ajudar e priorizar a campanha presidencial, ao invés de priorizar a campanha de Helder Barbalho ou de Márcio Miranda.

O mais votado do PT declara apoio a Márcio Miranda (DEM)

Dirceu Ten Caten faz parte de uma nova safra de políticos petistas, que dialogam com amplos setores da sociedade e seus mais variados partidos. Ele foi o mais votado entre os deputados estaduais que o PT elegeu no Pará.

Por Diógenes Brandão

Dirceu Ten Caten, o deputado estadual mais votado pelo PT no Pará, assumiu que apoia Márcio Miranda (DEM), que disputa o segundo turno com Helder Barbalho, do MDB. 

Para um dirigente estadual do PT, a escolha abre um debate interno caloroso e que o partido protelou até aqui. 

"Estamos diante de uma eleição em que o PT não pode dar-se ao luxo de ser egoísta e mesquinho. O DEM sempre foi um aliado do PSDB, sabidamente o nosso principal adversário em muitos anos de luta política no Brasil, mas aqui no Pará, o Márcio Miranda se revelou um dos melhores líderes políticos do Estado, se distanciando de posturas adotadas pelas velhas raposas da política paraense, conseguiu apoio para se eleger e se reeleger duas vezes como presidente da ALEPA, liderando todos os deputados, com respeito, democracia e apoio irrestrito em todas as demandas a ele confiadas. 

Precisamos deixar de olhar pelo retrovisor e entender que a sociedade não nos quer mais defendendo partidos e sim boas práticas e todos os partidos possuem bons e maus políticos, inclusive o PT. Por que no DEM não pode haver aliados e bons nomes para apoiarmos?", perguntou o petista que assim como Dirceu, faz parte de uma nova safra de dirigentes do PT paraense, os quais apostam que seja importante abrir canais de diálogo com partidos distintos, inclusive aqueles que podem ajudar o PT a eleger Fernando Haddad, ao invés de Jair Bolsonaro

O dirigente petista que nos informou sobre o clima político dentro do PT, preferiu não ter seu nome revelado, pois segundo ele, isso causaria certo desconforto dentro da direção partidária, pelo fato de que o PT Pará ainda não reuniu seu diretório para fechar posição, neste segundo turno. 

Dirceu é filho da ex-deputada Bernadete Ten Caten e Luiz Carlos, duas fortes lideranças do PT paraense e pelo apurado com a nossa fonte, eles certamente arrastarão outros petistas para a campanha que rivaliza com o candidato do partido que impulsionou o golpe contra a ex-presidente Dilma e foi um dos principais ministros do presidente Michel Temer, quem o PT sempre não esquece de ser o maior golpista e traidor do país.

Além de Dirceu, o PT reelegeu Carlos Bordalo, com 49.854 votos e elegeu pela primeira vez, Dilvanda Faro, que obteve 43.796 votos. Dilvanda é esposa de Beto Faro, deputado federal também reeleito no último domingo.

Beto, Dilvanda e Bordalo integram o mesmo grupo interno no PT, mas Bordalo tem mais afinidade com Márcio Miranda, enquanto Beto e Dilvanda sempre foram muito próximos a Helder Barbalho, no entanto, nenhum dos três se manifestou sobre qual candidato apoiarão para o governo, no segundo turno, aqui no Estado do Pará.

Nos debates internos do PT, a opção de liberar a militância para que ela vote em quem bem entender, é muito maior do que a perigosa tese de que o partido precisa fechar apoio em um dos candidatos na disputa pelo governo do Estado.

Para a maioria dos militantes que se manifestam nas redes sociais, a prioridade agora é eleger Fernando Haddad presidente, contra Bolsonaro. Mas o côro de que petista não vota em golpista, anda crescendo entre diversos grupos internos, que não engoliram o golpe que sofreram do MDB.

Leia também: 

PT apresenta 04 pré-candidatos ao governo e cobra saída de petistas que permanecem com Temer

PT-PA mantém DASs no governo Temer e alianças eleitorais com o PMDB estão liberadas

PT escolhe neste domingo se muda ou fica do jeito que está

#FicaTemer: Petista comemora 10 anos em DAS no governo federal

Jefferson Lima pagou o preço da traição. Outros também irão pagar!

 Dos 741.427 votos recebido em 2014, Jeferson Lima, já aliado a Helder Barbalho, recebeu no último domingo apenas 21.699. Ou seja: 2,9% dos votos recebidos quando era aliado de Simão Jatene. 

Por Diógenes Brandão

Baseado nos números obtidos nas urnas e em seus estudos eleitorais realizados há cerca de 30 anos no Estado do Pará, Dornélio Silva, cientista político da DOXA Pesquisas falou com exclusividade ao nosso blog, onde disse que o eleitor não perdoa o político traidor e o pau mandado e lembra do caso Jeferson Lima, que disputou o primeiro turno das eleições de 2014, ao lado do governador Simão Jatene e no segundo turno pulou para o lado de Helder Barbalho

Ouça:


Após ouvir o audio acima, o blog AS FALAS DA PÓLIS verificou que Helder Barbalho (MDB) só não venceu as eleições no primeiro turno, em 2014, pela falta de 50.551 votos.  

Jeferson Lima, então candidato ao senado pelo PP, saiu deste mesmo primeiro turno com 741.427 votos e bastava que pudesse transferir 6,8% dos seus votos para Helder Barbalho e este seria eleito governador.  

E qual foi o resultado do apoio de Jeferson Lima no segundo turno de 2014? 

Helder Barbalho ao invés de aumentar sua votação, acabou diminuindo seu eleitorado perdendo 74.513 votos e Simão Jatene (PSDB) foi reeleito governador do Estado, com 137.390 votos a mais que o concorrente.

Jeferson Lima ganhou um programa de rádio e de TV na RBA, empresa de comunicação da família Barbalho e veio candidato a prefeito de Ananindeua nas eleições municipais de 2016 pelo PMDB, sendo fragorosamente derrotado, ainda no primeiro turno, por Manoel Pioneiro (PSDB), com uma diferença de 79.011 votos, quando este reelegeu-se prefeito com 55,64% dos votos válidos, enquanto Jeferson Lima teve menos da metade: 25,62%.

Agora em 2018, Jeferson Lima disputou novamente as eleições para deputado estadual e foi derrotado pela terceira vez consecutiva, tendo recebido 21.699 votos. 

Se compararmos com a votação da sua primeira votação obtida nas eleições de 2014, quando disputou as eleições aliado de Simão Jatene e recebeu 741.427 votos, veremos que o resultado da aliança com Helder Barbalho, deixou Jeferson Lima com apenas 2,9% dos seus eleitores.