Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, outubro 12, 2018

PT em Marabá diz “não” ao apoio a Helder




A decisão da Executiva Estadual do PT, de apoiar o nome de Helder Barbalho (MDB) no segundo turno das eleições, continua rendendo insatisfação dentro do partido vermelho. Na manhã desta sexta-feira, 12, Dia da Criança, o Diretório Municipal de Marabá emitiu nota na qual “recomenda ao Diretório Estadual rever sua posição” e “indica que libere os filiados sem indicação de apoio na disputa do Governo do Estado”. Ou seja, que cada um vote no candidato que melhor lhe convier. A nota destaca que a manifestação foi decidida democraticamente em votação da qual participaram os dirigentes da Executiva Municipal com a maioria apoiando à tomada de posição por 6 votos a 3.  

A nota explica os motivos pelos quais o PT marabaense se manifestou contrariamente à decisão tomada em Belém: diz que quando, em 2014, Dilma Rousseff foi eleita para o segundo mandato o País registrava 4,3% de desemprego e lembra que, ao final de 2017, mais de um ano após o impeachment, esse índice já era de 12,9%, três vezes mais, portanto. E responsabiliza o governo Temer, do mesmo partido de Helder, por essa “política de terra arrasada”.  

Nota destaca a situação do  País no governo do MDB    

Diz ainda o PT local em sua manifestação quem esse quadro resulta das medidas adotadas pelo governo Temer: “O congelamento dos investimentos públicos por 20 anos e a reforma trabalhista travaram o País. A estagnação da economia promovida pela política de cortes de investimentos públicos cujo maior símbolo é a Emenda 95 do teto dos gastos, derivada da ‘PEC da Morte’ sobre os direitos dos trabalhadores, patrocinada pela reforma trabalhista que só aumentou o desemprego no País, o que reflete uma total responsabilidade do Governo Michel Temer, representado no Pará por Helder Barbalho – ex-Ministro da Integração Nacional”.  

Assinam a nota: o vereador Marcelo Alves dos Santos; presidente da Executiva Municipal; Ademir Martins dos Reis, vice-presidente; Luiz Carlos Pies, secretário de Organização; Dariane Cardoso Souza, secretária de Formação Política; Jovelina Souza Barros, secretária de Mulheres.  

LEIA ABAIXO A NOTA NA ÍNTEGRA  

Partido dos Trabalhadores  
Diretório Municipal de Marabá   
NOTA DA EXECUTIVA MUNICIPAL DE MARABÁ  

A comissão Executiva do Partido dos Trabalhadores, Diretório Municipal de Marabá, por 6 votos a 3, vem a público se manifestar sobre a decisão da Executiva Estadual (Pará) que decidiu por sua maioria apoiar o candidato Helder Barbalho (MDB), no segundo turno das eleições 2018 no Estado do Pará.  

DA MOTIVAÇÃO  

No final de 2014, quando Dilma Rousseff conquistou nas urnas seu segundo mandato, o Brasil registrava 4,3% de desemprego.  

Ao final de 2017, o contingente dos que procuravam trabalho havia triplicado: 12,9%, segundo dados do relatório do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud) com base em informações da Organização Internacional do Trabalho (OIT).  

TERRA ARRASADA  

As informações do Pnud, compiladas pelo jornal Valor , são eloquentes em demonstrar a política de terra arrasada desencadeada por Temer e seus aliados (Helder Barbalho) a partir do golpe de 2016.  

Esse quadro é fruto das medidas adotadas pelo atual governo. O congelamento dos investimentos públicos por 20 anos e a reforma trabalhista travaram o País.  ARROCHO E 

EXTINÇÃO DE DIREITOS  

A estagnação da economia promovida pela política de cortes de investimentos públicos cujo maior símbolo é a Emenda 95 do teto dos gastos, derivada da “PEC da Morte” sobre os direitos dos trabalhadores patrocinada pela reforma trabalhista que só aumentou o desemprego no País, o que reflete uma total responsabilidade do Governo Michel Temer representado no Pará por Helder Barbalho ex-Ministro da Integração Nacional.  

DA ORIENTAÇÃO DA EXECUTIVA MUNICIPAL  

A Executiva Municipal do Partido dos Trabalhadores de Marabá, em sua maioria, recomenda ao Diretório Estadual rever sua posição de se manifestar em apoio à candidatura de Helder Barbalho ao Governo do Pará. E Indica que Libere os Filiados Sem Indicação de Apoio na disputa do Governo do Estado.  

TAREFA PRINCIPAL PARA O SEGUNDO TURNO  

O momento político é decisivo e exige o empenho dos democratas, não podemos permitir o processo de autoritarismo disfarçado de democracia. Quem tem responsabilidade tem que vir para dentro da proposta democrática e popular. 

Defendemos a união para defender as liberdades no País. Essa luta pela democracia está a exigir dos democratas um posicionamento, para que possamos defender a nossa jovem democracia, que só tem trinta anos.  

É preciso seguir na luta sem medo, temos que fazer o enfrentamento político, nós somos o lado que defende a democracia e isso não é algo abstrato. 

Queremos um Brasil que não tenha fome e que as pessoas tenham oportunidades de educação emprego e renda. Isso é democracia concreta, por isso precisamos eleger Fernando Haddad, Presidente do Brasil.  

ASSINAM ESTA NOTA  

Marcelo Alves dos Santos – Presidente Municipal e Líder da Bancada na CMM  
Ademir Martins dos Reis – Vice Presidente.  
Luiz Carlos Pies – Secretário de Organização.  
Cidiléia Lima dos Santos – Secretaria de Finanças e Planejamento.  
Dariane Cardoso Souza – Secretaria de Formação Política.  
MARAJovelina Rosa Sousa barros – Secretaria de Mulheres.

Vote em mim como blogueiro do ano, no Prêmio Sistema FIEPA de Jornalismo



Por Diógenes Brandão

Confesso que eu sempre vi de longe e a pedido de amigos que disputaram as edições anteriores, votei algumas vezes, mas nunca havia me interessado em participar. 

Mas como esse ano fui indicado ao Prêmio Sistema Fiepa de Jornalismo, na modalidade Profissionais do Ano, onde uma comissão, integrada por representantes da FIEPA, me indicou para concorrer com outros 21 grandes profissionais da área, não tenho outra opção a não ser encarar o desafio e pedir o seu voto.

Quero frisar que só de estar entre os demais profissionais que dedicam horas, madrugadas e quase enlouquecem para manterem seus blogs atualizados, com conteúdo de qualidade, já me sinto um vencedor. 

Pelo que entendi do regulamento, se eu tiver o seu voto agora e dos amigos que compartilharem, posso ficar entre os cinco (05) mais bem votados, aí passo para outra etapa, onde serei novamente colocado em um novo processo eleitoral e de lá serei julgado por outros profissionais do mercado de comunicação, mas o júri composto por influenciadores, formadores de opinião, representantes de entidades de classe do setor produtivo, instituições do terceiro setor, MPF, MPE, além dos poderes legislativo, executivo e judiciário.

Bom, para quem iniciou a escrever este blog em dezembro de 2006 e de lá pra cá já totalizou 3.336 publicações, contando com a ajuda e inspiração de Deus, das músicas, amigos e livros que influenciaram em minha formação intelectual, que somadas à todas as fontes e profissionais de diversas áreas, como advogados, professores, técnicos, entre outros, que nutrem este espaço com suas informações e opiniões, eu já me dou por satisfeito.

Mas se eu conseguir sair vencedor do prêmio com a estatueta de blogueiro do ano, me comprometo a manter a qualidade da informação jornalística e do conteúdo opinativo, respeitando as leis e a ética profissional, que dedico a este blog e às minhas redes sociais, nestes quase 12 anos de atividades.

Por isso, minhas amigas e amigos leitores do blog AS FALAS DA PÓLIS, participe da primeira fase de votação, acessando o site www.premiosistemafiepa.com.br e procurando o nome deste seu amigo, Diógenes Brandão, na categoria BLOGUEIRO

Qualquer pessoa pode votar. Basta acessar o site e clicar no meu nome. 

Desde já, eu agradeço de montão! 

Por que campanhas não souberam usar o potencial das redes sociais?

Para o jornalista Carlos Mendes, as campanhas eleitorais foram feitas por amadores e impediram que os candidatos tirassem melhor proveito do potencial existente nas redes sociais.

Por Diógenes Brandão


A campanha eleitoral dos candidatos que disputaram as vagas de senadores, deputados federais e estaduais terminou no último domingo (07) e continua para os dois candidatos que disputam a cadeira de governador e de presidente, até o dia 28 deste mês.

Comparado com o que consegui acompanhar em outros Estados, sobretudo nas campanhas eleitorais no sudeste e no nordeste do país, as agências de propaganda e produtoras de TV aqui do Pará não conseguiram realizar um trabalho criativo, surpreendente, lançando mão de linguagens voltadas às redes sociais, as quais podemos ver empregadas em peças utilizadas no webmarketing ou no marketing digital propriamente dito. 

No Pará, devo concordar com muitas das críticas feitas pelo jornalista Carlos Mendes, tanto em seu blog Ver-O-Fato, quanto em diversas edições do seu programa "Linha de Tiro", transmitido ao vivo pelo blog e suas redes sociais: As campanhas majoritárias e proporcionais foram e continham enfadonhas, sem conseguirem atrair os jovens e o público internauta. 


Esse é o recado deixado por Mendes, que junto com o jornalista Rui Baiano, do blog Ananindeua Debates, registraram a ausência de Márcio Miranda, candidato convidado e confirmado para conversar com os internautas paraenses e responder suas perguntas no Bate-Papo da Pólis, programa que estreou mês passado e visa conectar o público da blogosfera e das redes sociais, com personalidades do mundo político, artístico e empreendedor, em uma linguagem realmente sintonizada com o universo das novas mídias digitais, onde a interação entre os convidados e o respeito a liberdade de expressão, assim como o bom senso e a dinâmica do envolvimento gradual e continuo é que ditam o tempo e o número do acesso e da permanência de cada usuário conectado. 

A pergunta que fica é: Qual o segredo para que haja o engajamento e audiência desejada através das infovias? 

Tentativa de resposta: Ainda estamos descobrindo e muitos ainda nem sabem por onda começar. Atuam no mundo digital com a cabeça ligada na expertise e com os métodos da era analógica. 

Enquanto o mercado do marketing político e eleitoral não admitir que precisa se apropriar do conhecimento específico do marketing digital, ao invés de manter o mais do mesmo, nada ou muito pouco será apresentado como mudança neste segundo turno.