Pesquisar por palavra-chave

domingo, outubro 14, 2018

A vingança de Pioneiro contra Jatene evitou a reeleição de Flexa Ribeiro

Flexa Ribeiro (PSDB)  deixa de ser reeleito por falta de votos que migraram para o Coronel Osmar (PDT), candidato apoiado por Manoel Pioneiro (PSDB).

Por Diógenes Brandão

Ao comentar, via Whatsaap, a matéria Mais um tucano cooptado assume a campanha de Helder Barbalho, um servidor público da prefeitura de Ananindeua, enviou ao blog, uma mensagem privada, onde lembra de um fato político e corrobora com o trecho abaixo:

É isso mesmo, amigos e amigas do blog: A candidatura de Márcio Miranda (DEM) é fruto de uma indicação política estudada, calculada e reiterada em reuniões com o governador e diversos setores ligados aos deputados federais e estaduais, que o elegeram pela primeira vez presidente da ALEPA e o reelegeram por mais duas vezes, de forma unânime e durante todo o ano de 2017, foi indicado com veemência pelo grupo formado por quase metade dos deputados estaduais, os quais a maioria dá suporte e sustentação ao governo tucano, mas que não queriam mais que o PSDB estivesse no comando do executivo estadual a partir de 2018. 

Ou seja, Márcio Miranda não foi escolhido por Simão Jatene e nem pelo PSDB, como reza a lenda.   

Prova inconteste disso é que diversos outros tucanos tiveram que recuar em seus propósitos umbilicais, tais como a filha do governador, Izabela Jatene, o senador Flexa Ribeiro, o secretário especial Adnan Demachki, o prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho e  o diversos outros nomes de peso no PSDB, que passaram a compreender que sem atender esse clamor dos seus aliados, o PSDB não teria um nome competitivo para enfrentar a família Barbalho, seus principais adversários no Pará.  

A história está aí sendo construída e no primeiro turno já mostrou que a estratégia criada no parlamento paraense pode ser consolidada no dia 28 deste mês, após abrirem-se as urnas e o resultado das eleições for anunciado.  

Quem viver, verá!

Pois bem, agora vamos ao que disse, o servidor público de Ananindeua, que por motivos óbvios preza pela anonimato:

"Realmente, Pioneiro age de fato para se vingar de Jatene. Digo isso pois sei que em 2014, após reeleger-se prefeito de Ananindeua, ele foi logo procurado pelo governador, que terminou aquele primeiro turno atrás de Helder Barbalho, que por muito pouco não foi eleito. Naquele momento, Pioneiro foi cortejado, abraçado, homenageado pela família Jatene e dali em diante entendeu que ele é que seria o futuro sucessor de Simão Jatene. Mas acontece que logo que foi reeleito, Jatene passou a novamente a recolher-se em sua reserva aos mais íntimos, onde Pioneiro não participa. Jatene sempre foi assim: Reservado, nunca gostou de receber prefeitos e deputados, pois sempre há pedidos e demandas e ele detesta ser cobrado ou ter que atender pedidos, fora do período eleitoral, quando realmente precisa se submeter a essa prática político-eleitoral. 

Quando foi inaugurar uma obra em Ananindeua, Jatene em seu discurso disse que o governo do Estado do Pará não deveria cair em mãos erradas, as quais estão com seus nomes nas investigações da Lava Jato. Uma DAS de Pioneiro então gritou do meio da platéia que ouvia o governador: "Indique o Pioneiro".

Foi então que Simão Jatene passou a falar das qualidades e vantagens de Márcio Miranda, dizendo que ele moralizou a ALEPA, construindo uma ampla frente de parlamentares que juntos realizaram ações que economizaram recursos, tiraram privilégios e trouxeram uma nova imagem pública da instituição, perante à sociedade. E fez mais, exaltou a competência como gestor, já que Márcio Miranda está em seu terceiro mandato como presidente da ALEPA, nas quais foi reeleito duas vezes de forma unânime, inclusive com os votos dos deputados do MDB e todos os demais partido.

Isso tudo sendo dito, ali, na frente de Manoel Pioneiro, o deixou com a cara "azeda". 

Desde esse dia, nunca mais o prefeito de Ananindeua foi sincero ao tratar de política com Jatene e seu partido, o PSDB. 

Esse ano, ao ter certeza de que não teria forças para disputar na convenção partidária, a indicação de seu nome ao governo e para mostrar o quanto é vingativo, indicou para a disputa ao senado, o seu secretário de obras, que não se elegeu, mais obteve 324.331 votos, os quais se fossem somados aos 1.138,337 votos recebidos por Flexa Ribeiroteriam garantido a reeleição do tucano, que ficaria com 1.462,708 votos e assim seria o senador mais votado nestas eleições, superando Jader Barbalho e Zequinha Marinho.

Bolsonaro abre 10% sobre Haddad, Márcio Miranda cresce e Helder Barbalho estabiliza, aponta DOXA

Mesmo mantendo a liderança na disputa do segundo turno, Helder Barbalho teve uma leve queda, enquanto Márcio Miranda cresceu significativamente, aponta o mais novo estudo eleitoral do Instituto DOXA de Pesquisas.

Por Diógenes Brandão, com informações da DOXA Pesquisas

A divulgação da mais nova pesquisa do Instituto DOXA realizada após o resultado eleitoral do primeiro turno, mostra que Márcio Miranda cresceu 9,3 pontos percentuais, em relação ao resultado das urnas, enquanto Helder Barbalho teve uma queda de 0,89%, em relação ao mesmo resultado eleitoral do primeiro turno.

Quando estimulados, os eleitores entrevistados continuam apontando Helder Barbalho na liderança, mas a diferença para Márcio Miranda continua diminuindo a cada pesquisa. Neste momento, faltando duas semanas para o segundo turno, a diferença entre os dois candidatos é de 7.4% 

Helder Barbalho (MDB) obteve 46,8% das intenções de voto; Márcio Miranda (DEM) ficou com 39,4%. Indecisos somam 6,6%; e os que pretendem votar branco ou anular o voto são 7,2%. 


Já na disputa presidencial, Jair Bolsonaro (PSL) abriu uma diferença de quase 10% sobre seu adversário, Fernando Haddad (PT). 

Na pesquisa estimulada, Jair Bolsonaro (PSL) está com 47,8% e Fernando Haddad ficou com 37,7%. Indecisos são 4,9% e os que pretendem anular ou votar em branco somam 9,5%.

Comparando com o resultado eleitoral do primeiro turno, quando Fernando Haddad teve 41,39% e Bolsonaro 36,19% dos votos válidos, a pesquisa DOXA revela uma virada surpreendente no Estado do Pará.

A pesquisa foi registrada no TRE-PA sob o protocolo PA-07843/2018  e foi realizada no período de 10 a 13 de outubro com 1.896 eleitores, entrevistados nas seis (6) mesorregiões do Estado.  

O nível de confiança utilizado é de 95% e a margem de erro estimada de 2,25% para mais ou para menos.  A pesquisa foi encomendada GRAVASOM/A Província do Pará.

Siga no Twitter