Pesquisar por palavra-chave

sábado, fevereiro 27, 2010

Zé Dirceu: Não dá para aceitar calado

Do Blog do Zé Dirceu A desfaçatez com que nossa imprensa abre espaços para funcionários do Departamento de Estado Americano criticar o Brasil e sua política externa e nuclear, não tem limites e beira o servilismo colonial. Como podem os Estados Unidos, que tem a pena de morte instituída, falar em direitos humanos? Um país que financia ditaduras e onde um ex-vice-presidente da República admite publicamente que autorizou a tortura como meio de se obter informações de supostos terroristas, que manteve as prisões de Guantánamo e de Abu Ghraib, verdadeiros campos de concentração e tortura, falar sobre nossa política nuclear e nossas relações com o Irã? Que autoridade tem os Estados Unidos, que promove uma corrida armamentista e testa novas armas, violando o Tratado de Não Proliferação Nuclear, exigir do Brasil um protocolo adicional para fazer inspeções sem aviso prévio, quando nosso país tem na Constituição a proibição de uso da pesquisa nuclear para fins militares? Na verdade, o objetivo é impedir que nosso país e outros tenham acesso ao ciclo completo de enriquecimento de urânio -- e dependam de grandes potências nucleares -- e ao mesmo tempo, às grandes reservas de minério de urânio. Fora o fato de que os Estados Unidos permitiram que Israel, Paquistão e Índia, com este país firmou acordos de apoio para o desenvolvimento nuclear, tenham não só pesquisa, enriquecimento de urânio, mas bombas atômicas. Não dá para aceitar calado.