Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, julho 30, 2012

A confusão do queridinho do PIG*



Por Daniel Dantas, via email.

O senador José Agripino (DEM) falou ontem ao Jornal de Hoje, diário vespertino natalense, sobre a lista produzida por Marcos Valério - e registrada em cartório, juntamente com comprovantes de pagamento - de beneficiários do Mensalão Tucano em Minas Gerais. Pela lista, divulgada na edição desta semana da CartaCapital, o senador potiguar teria recebido R$ 70 mil.

Na denúncia à justiça do Mensalão Tucano, o Ministério Público deixou claro que o valerioduto na campanha de Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo mineiro de 98 serviu como espécie de ensaio ao que veio a ser conhecido como Mensalão do PT, no escândalo deflagrado em 2005. Mas são, evidentemente, momentos e partidos diferentes beneficiados.

Importante ressaltar isso porque a resposta de José Agripino ao Jornal de Hoje visa confundir o leitor - ou então denota que o senador não anda muito bem de suas faculdades mentais. Veja:

O Jornal de Hoje ouviu na manhã deste sábado o senador José Agripino sobre a denúncia feita pela CartaCapital e, para ele, tudo não passa de uma “piada de mau gosto”, com o intuito de desviar o foco do mensalão, que está previsto para ser julgado em agosto, pelo Supremo Tribunal Federal (STF).
 
“Tudo não passa de uma piada de mau gosto. De extremo mau gosto. Veja se cabe na cabeça de alguém eu ser um dos beneficiários de um esquema de caixa 2 do PT (porque teria sido organizado do Marcos Valério). Não dá. É uma tentativa clara de desviar o foco para o julgamento do mensalão”, respondeu Agripino.
 
Segundo o senador, também, não é possível ressaltar nem bom argumento que justifique a situação dele como beneficiário do esquema. “Não dá. A matéria é frágil demais, carente de qualquer fundamento e publicada logo a onde? Na CartaCapital, uma velha conhecida do PT”, acrescentou o senador.
 
José Agripino também ressaltou que tanto é sem fundamento a notícia que o próprio Marcos Valério, a quem a lista seria atribuída, se manifestou dizendo que desconhece a informação – ou a relação de beneficiários. “Ele já falou que não tinha lista alguma e que vai pedir aos advogados para se manifestarem. Ora, se ele está dizendo que não existe, como pode? É uma coisa antiga, requentada, mas sem validade”.

Veja se é possível, estimado leitor: o senador "confunde" o Mensalão Tucano com o Mensalão do PT.

"Veja se cabe na cabeça de alguém eu ser um dos beneficiários de um esquema de caixa 2 do PT", disse ele. Ninguém disse isso: a denúncia diz respeito ao esquema fraudulento de Caixa 2 na eleição de 98, operado em favor do PSDB e seus aliados - inclusive o antigo PFL, que mantinha o vice-presidente da República, Marco Maciel.

O que você acha? Agripino se confundiu ou quer confundir? Será que ele considera a média dos leitores de jornal imbecilizados ao ponto de não saberem que se trata de dois episódios semelhantes, mas distintos?

Depois do milhão recebido de George Olímpio, da máfia da inspeção veicular, e do Caixa 2 nas eleições de 2006, a notícia da CartaCapital prova que as coisas não andam bem no universo do senador.

(*) "Em nenhuma democracia séria do mundo, jornais conservadores, de baixa qualidade técnica e até sensacionalistas, e uma única rede de televisão têm a importância que têm no Brasil. Eles se transformaram num partido político – o PiG, Partido da Imprensa Golpista." Paulo Henrique Amorim.