Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, agosto 20, 2012

Stefani Henrique: A incógnita do PT e do PSOL

Stefani: Fiel à quem? Militantes do PT e PSOL se perguntam até hoje.

Desde que o PT-Belém me contratou para atividades profissionais, como a criação e administração do seu blog e redes sociais, fazer a cobertura jornalística das prévias, que elegeram Alfredo Costa como o candidato do partido para as eleições deste ano, o PT-Pará para fazer a cobertura de seus encontros e lideranças como a ex-governadora Ana Júlia, assim como parlamentares, me solicitam a prestação de serviços na área de comunicação, venho sendo atacado sistematicamente pelo cidadão chamado Stefani Henrique.

Empresário e dirigente do PT-PA, finge que não sabe que o PSOL é oposição.

Stefani é  filiado ao PT-Belém. Conheci como sendo uma espécie de cão de guarda do então candidato do PT à prefeitura de Belém, Edmilson Rodrigues. Autoritário e arrogante como os reacionários da direita, tinha sempre um jargão esquerdista para justificar seus atos e grosserias. Atuou como um dos coordenadores do Orçamento Participativo, onde recebeu poderes de negociar com empresários das famigeradas empresas de transporte urbano de Belém a concessão de ônibus e estrutura para transportar uma legião de populares para lotarem as assembleias do OP – Orçamento Participativo – e manipular as decisões, que definiam quais obras e serviços seriam realizados nos bairros e distritos de Belém, segundo os interesses de sua tendência interna, num claro ato de manobra à que chamavam de Participação Popular e Controle Social, na gestão petista de Edmilson Rodrigues, durante os dois mandatos que este foi prefeito de Belém.

Profissionalismo? Divulgando a agenda do candidato adversário de "seu" partido?

Conflitos e autoritarismo em busca do poder absoluto.

Os conflitos de condução política também se fizeram presentes no núcleo da SEGEP (Secretaria de Gestão e Planejamento), a qual estava vinculada a CRC, momentos de intensas desavenças com a então secretária Jurandir Santos de Novaes, haja vista, o tom arrogante e autoritário delineado pelo Sr. Stefani, pois este rejeitava idéias ou projetos apresentados pela secretária.


Constam, inclusive, desavenças rancorosas quando do controle e gestão do Orçamento Participativo, pois este queria a centralização em torno de sua órbita de poder, o que lhe garantiria controle sobre os Conselheiros do Orçamento Participativo, eleitos nas diversas instâncias distritais. Nota-se, em decorrência, a possibilidade de controlar todo o orçamento municipal, o que permitiria a cooptação de lideranças comunitárias, visando a consolidação de um projeto meramente antipopular, antítese do que era apregoado pelo suposto “esquerdista” político.


Terminada a gestão petista em 2004, o guru da manipulação tornou-se empresário, passando à prestar serviços de consultoria, comunicação e pesquisa, uma espécie de lobista que terceiriza serviços e ganha com a exploração do trabalho alheio. Com sua lábia e uma deficiência em diversas gestões petistas, acabou prestando esse desserviço à algumas prefeituras do PT e hoje contribui política e profissionalmente em campanhas do PSOL, PPS e quem mais lhe remunerar.

É esse o comportamento de quem se apresenta como "consultor político"?

Por seu comportamento como dirigente partidário, de Julho prá cá, já foi citado em dois documentos protocolados no Diretório Municipal e Estadual do PT, respectivamente, ambos pedem abertura de processo por sua postura diante das candidaturas que se opõem ao Partido onde é dirigente estadual, de uma tendência e membro do Diretório Estadual do PT-PA.

A ficha não pára por aí. Quem conhece o nacional, sabe do que ele é capaz e numa próxima postagem, vou destrinchar um pouco mais a teia que leva o “segurança”, virar empresário e conseguir manter-se dirigindo uma tendência interna do PT e fazer campanha aberta contra o mesmo.

Mesmo assim, sempre que adentra as agendas do candidato Edmilson Rodrigues, Stefani causa grande desconforto à militância do PSOL, onde muitos viram-lhe o rosto para não ter que encará-lo. A desconfiança é tanta que a coordenação de campanha tem se precavido de tê-lo ao lado, em aparições públicas e a direção do PT, por sua vez, já constrangida não consegue explicar porque não aplica seu Estatuto e as decisões tomadas no Encontro que definiu a Estratégia Eleitoral e a Política de Alianças, a qual veda que filiados ao partido, participem ou apoiem candidatutas adversárias.

Segue abaixo uma nota do Jornal OLiberal, que revela os bastidores do PSOL, tão logo este foi fundado e sua rejeição ao “persona non grata”.

Painel/Política Repórter Político – Frank Siqueira.
Belém, sexta-feira, 13 de Janeiro de 2006.

Veto a Stefani no PSOL

                Confirmando informação da coluna, cresce dentro do PSOL, o movimento que pretende vetar o ingresso, no novo partido, de Stefani Henrique, ex-diretor do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Belém (Saaeb). Foi nesta função, aliás, que Stefani teve uma briga com o então prefeito Edmilson Rodrigues, sendo demitido da prefeitura e logo a seguir expulso da antiga tendência do PT Força Socialista, atual Ação Popular Socialista (APS). Stefani decididamente, não é bem visto com muita simpatia dentro do PSOL.

Briga também com Maria

                Contra o ex-diretor da Saaeb pesa ainda, além do desentendimento com Edmilson, a acusação de haver brigado também com Maria do Carmo Martins, depois de atuar como coordenador da campanha dela à prefeitura de Santarém. A controvertida questão do ingresso de Stefani foi um dos temas em discussão no seminário realizado esta semana pelo PSOL. Com a presença de militantes de todas as suas tendências internas, o encontro teve por objetivo principal discutir o programa e o estatuto da nova legenda.

A agenda política, sobre as eleições municipais e outros temas, você acompanha através do meu twitter: @JimmyNight