segunda-feira, março 14, 2016

Aécio Neves pensando em faturar foi xingado e expulso da balada


Por Diógenes Brandão

Duas análises sobre as manifestações abrem a semana de forma contundente e demarca uma nova etapa na disputa política travada nas ruas: Aécio Neves definitivamente não lucra com as manifestações que pipocaram pelo país. Pelo contrário! Sua presença ao lado do governador Geraldo Alckmin, na avenida Paulista, em seus planos seria épica e gloriosa, mas acabou sendo rápida, desastrosa, e extremamente decadente. 

Dois blogueiros registram o fato e sua relação com outro momento histórico parecido com o de hoje: O golpe de 1964, quando o "Aécio da época", Carlos Lacerda, também "levou o farelo" - como se diz na periferia de Belém, para quem quebra a cara ou perde algo que pensava que conquistaria. 

*****

Leia "Vagabundo". Aécio engole seu veneno!, por Altamiro Borges, em seu blog

O cambaleante Aécio Neves vai dormir de ressaca na noite deste domingo. Ele imaginava que seria o grande herói das marchas golpistas, que derrubariam Dilma e o levariam, inevitavelmente, ao Palácio do Planalto. O tucano não esperava, porém, ser xingado de "vagabundo", "oportunista", "corrupto" e outros palavrões quando chegou, acompanhado pelo governador Geraldo Alckmin e por outros falsos moralistas, na Avenida Paulista. A comitiva teve que deixar o local às pressas, temendo agressões. A mídia chapa-branca até tentou ofuscar a cena constrangedora, mas Aécio Neves sentiu na pele o ódio dos fanáticos que ele mesmo ajudou a chocar!

Um pouco antes do incidente, segundo relato do Estadão, a cúpula tucana estava toda excitada com o protesto na capital paulista. Ela apostava que iria capitalizar a manifestação. Mas o sonho não durou muito tempo. "O governador Geraldo Alckmin recebeu no início da tarde deste domingo (13) na ala residencial do Palácio dos Bandeirantes, uma comitiva formada por senadores e deputados, entre eles o presidente nacional do PSDB, senador Aécio Neves (MG). O grupo seguiu junto para a Avenida Paulista, palco da manifestação, e vai se concentrar na esquina da Paulista com a Alameda Campinas. Em entrevista coletiva, Alckmin falou que 'é preciso virar a página'. O senador Aécio Neves preferiu não falar com a imprensa e disse que iria se pronunciar quando chegasse à Avenida Paulista".

Segundo o jornalão oposicionista, o acertado é que os líderes tucanos iriam discursar no carro de som do grupelho Vem Pra Rua. Mas o roteiro previamente estabelecido não deu certo e Aécio Neves teve que sumir às pressas da Avenida Paulista. O episódio grotesco bombou nas redes sociais e o PSDB logo tentou jogar panos quentes. No final da noite, a direção da sigla divulgou nota na qual jurou que "Aécio e Alckmin foram convidados por movimentos sociais e entidades. Nunca estiveram previstos discursos de qualquer um deles. É, portanto, mentirosa e equivocada a informação que eles desistiram de suas falas", afirma a nota mentirosa. O próprio jornal O Globo, porém, desmentiu o desmentido! 

Desde a derrota nas eleições de outubro de 2014, o rejeitado Aécio Neves apostou todas as fichas na despolitização da sociedade. Ele solicitou a recontagem de votos, tentou suspender a posse de Dilma Rousseff e questionou o financiamento da campanha da sua adversária - feito pelas mesmas empresas que bancaram sua própria candidatura. Desde a posse, em janeiro de 2015, a oposição golpista jogou na desestabilização da economia, no "quanto pior, melhor", e na turbulência política. Ela não deu um segundo de paz à presidenta reeleita. Achava que iria capitalizar com esta campanha de destruição do próprio Brasil. A despolitização, porém, gerou autênticos midiotas - manipulados pela mídia golpista.

E Aécio Neves agora engole o seu próprio veneno. "Vagabundo", gritam os coxinhas! O "justiceiro" Sergio Moro, eleito o "homem do ano" pela Rede Globo, e o fascista Jair Bolsonaro foram os únicos aplaudidos pela horda fascista. Na prática, como afirma o jornalista Paulo Nogueira, do blog Diário do Centro do Mundo, o tucano foi o "grande perdedor desde domingo". Vale conferir a sua análise:

*****

O grande perdedor deste domingo foi Aécio

Por Paulo Nogueira

Outro dia fiz uma comparação entre Lacerda e Aécio.

Lacerda sempre conspirou contra a democracia, e acabou indo para a história com o apelido de Corvo, dado por Samuel Wainer.

Sugeri que Aécio passe para a história como o Abutre, pelo mal que ele vem fazendo à democracia. Ele é a prova dos riscos que maus perdedores trazem às instituições.

Desde o primeiro dia de sua derrota ele vive sabotando a democracia com argumentos esdrúxulos, substituídos sem cerimônia assim que se revelam risíveis.

O protesto deste domingo 13 de março trouxe mais um ponto de contato entre Lacerda e Aécio. Foi sem dúvida o ponto alto, se é que é possível usar tal expressão, na manifestação.

Aécio conseguiu ser vaiado na Paulista. Foi chamado de vagabundo, corrupto e oportunista. Um manifestante disse: “Se ele pensa que tudo vai cair no seu colo está enganado.”

Ora, ora, ora.

Também Lacerda imaginava que tudo iria cair no seu colo depois que os militares derrubaram Jango em 1964, com sua contribuição milionária.

Ele dava como certo vencer as eleições presidenciais pós-golpe. Como governador da Guanabara, era o único grande nome que estava no páreo. Juscelino fora cassado, Jânio estava desmoralizado: a presidência estava praticamente em suas mãos.

Praticamente.

Porque os militares gostaram. Lacerda se desesperou. Chegou a dizer que o general Castelo Branco era ainda mais feio por dentro do que por fora. Acabaria sendo cassado.

A presidência não caiu no seu colo.

As vaias a Aécio num protesto do qual ele pretendia ser um grande líder têm significado parecido. Sou obrigado aqui a repetir um manifestante citado acima. Se Aécio pensa que a presidência vai cair no seu colo, está enganado.

Aécio aprendeu hoje que ele é rejeitado, desprezado pelos que pedem o impeachment. Os ídolos são Moro e Bolsonaro.

É verdade que os manifestantes são tolos e manipulados em sua imensa maioria. Mas mesmo cegos uma hora enxergam a hipocrisia ululante de alguém que várias vezes citado em casos de corrupção, e com um passivo sinistro de delinquências, se atreve a liderar uma “marcha contra a corrupção”.

Pode-se dizer que este domingo representa um marco negativamente poderoso na carreira de Aécio. A pancada pode ter sido definitiva.

A classe média ignara que bate panelas e veste camisa da CBF em protestos não respeita Aécio. Os progressistas que se batem pela democracia o abominam.

Sobrou o que para ele?

O apoio da Globo, é verdade. Agora: o mesmo mal que se abate sobre Aécio alcança a Globo. Ela é, merecidamente, rejeitada pelos dois lados em que se divide a sociedade.

No fundo, o que ela quer, como Aécio agora e Lacerda no passado, é que tudo caia no seu colo. Um governo amigo - Aécio, por exemplo - representa a permanência dos privilégios e mamatas indecentes de que ela sempre viveu.

Publicidade bilionária a despeito de audiências cadentes, acesso ilimitado a bancos públicos – este tipo de coisa que Roberto Marinho chamava na época da ditadura de “favores especiais” a que julgava fazer jus por apoiar os generais.

O Brasil parece ter se cansado enfim da Globo.

Nem ela, com todas as mídias que possui e que usa acintosamente na defesa de seus interesses, será capaz de erguer o amigo Aécio, o Abutre.