Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, setembro 28, 2016

Pesquisa IDESA: Vilaça lidera com 47% das intenções de voto em Barcarena


Por Diógenes Brandão, com informações exclusivas do IDESA

A nova pesquisa realizada pelo Instituto IDESA, em Barcarena, demostra que com 47% das intenções de voto, Vilaça segue na liderança na preferência do eleitor.  Em segundo lugar, Laurivalzinho vem com 35,4% e Pr. Medeiro ocupa a terceira posição com 2,1%. Os votos nulos e brancos totalizam 6,3% e os indecisos somam 9,2% dos entrevistados.

PESQUISA ESTIMULADA



PESQUISA ESPONTÂNEA

Ao serem perguntados em quem votariam, caso a eleição fosse hoje, Vilaça continua liderando com 42,3% das intenções de votos, Laurivalzinho mantém a segunda posição com 32,8% e PR. Medeiro segue na terceira posição com 0,8%. Os votos brancos totalizam 6,6% e os indecisos somam 17,5% dos entrevistados.


CONSISTÊNCIA DO VOTO

Perguntados se os entrevistados mudariam de voto, 72,0% disseram que não mudariam e 15,05% afirmaram que podem mudar, enquanto 3,8% afirmaram que não votaram em ninguém e 8,7% não sabem ou ficaram sem responder.


EXPECTATIVA DE VITÓRIA

Perguntados sobre quem os entrevistados acham que vai vencer as eleições, independente de quem eles disseram que votariam, Vilaça obtém 46,3%, seguido de Laurivalzinho que vem com 30,3% e Pr. Medeiros com 0,7%. Os que optaram pelo voto em branco e/ou nulo foram 2,6% dos entrevistados, enquanto 20,1% ainda estão indecisos. 


REJEIÇÃO

Quando questionados quem é o candidato mais rejeitado de Barcarena, Laurivazinho foi o mais citado, por 35,63% dos entrevistados, os quais dizem que não votariam de jeito nenhum nele. Vilaça vem com 29,2% das citações, enquanto Pr. Medeiros é tido como o mais rejeitado para 9,9% dos eleitores que responderam os questionários. Nulos e Brancos totalizam 4,8% e os Indecisos chegam em 20,5%.



Registra no TSE sob o nº PA-7651/2016, a pesquisa IDESA realizou 601 entrevistas no período de 19 a 21 de setembro de 2016, tendo uma margem de segurança de 95% e uma margem de erro de 4,0%, para mais, ou para menos.