Pesquisar por palavra-chave

segunda-feira, julho 24, 2017

Lula dá uma entrevista histórica, de mais de 2h e a única coisa comentada é o que disse sobre a frescura do PSOL

Repleta de boas histórias, a entrevista foi usada como um "racha" na esquerda e atiçou orgulhos e mágoas entre militantes. Nela, Lula diz que quem não gosta do PT é o PSOL.

Por Diógenes Brandão

A mais nova polêmica que circula nos meios habitados por filiados aos partidos da esquerda brasileira é por causa do que Lula disse sobre o PSOL, durante uma entrevista que gerou indignação, críticas e apoio ao ex-presidente. A declaração foi dada no programa NA SALA DO ZÉ, comandado pelo jornalista José Trajano, que perguntou sobre o racha existente entre o PT e o PSOL, quando Lula diz que o PSOL é que não gosta do PT.

Para quem não assistiu a entrevista, trago o trecho do vídeo que gerou toda essa polêmica:


Para o jornalista e blogueiro Renato Rovai, Lula deveria pedir desculpas ao PSOL e aos deputados que segundo ele "têm sido aliados de primeira hora", além de terem votado contra o impeachment de Dilma e terem emitido nota condenando o julgamento político do juiz Sérgio Moro contra Lula.

Compartilhando a publicação do Renato Rovai, o deputado federal Edmilson Rodrigues (PSOL-PA) desabafou em sua página no Facebook:

"Nossas posições sobre o Golpe travestido de Impeachment da Dilma ou sobre a condenação sem provas do Lula pelo Moro independem da grandeza do PT ou do Lula em desculpar-se da agressão que este fez gratuitamente e desonestamente contra o PSOL. Entristece perceber que os vocacionados para puxa-saquismo resolvem aplaudir essa violência vinda de quem deveria abandonar o hegemonismo e arrogância política se tivesse responsabilidade com sua própria defesa e com a unidade na luta contra o governo golpista do Temer e sua agenda destrutiva de direitos. O PT é um grande partido, responsável por mudar a política brasileira como nenhum outro partido fez. Entre seus maiores feitos, elegeu o presidente Lula, tornando um ex-operário que saiu do sertão nordestino para São Paulo, onde foi moldado com uma das maiores lideranças políticas do mundo."