Pesquisar por palavra-chave

sábado, dezembro 22, 2007

Brincadeira de gente adulta e imprudente


Uma menina de 11 anos morreu afogada em uma das piscinas da sede social do Clube do Remo, no bairro de Nazaré, na manhã deste sábado (22). A estudante Samara Carolina Souza Nascimento estava na companhia de uma irmã de 15 anos e de colegas do colégio Tiradentes I, um deles atleta de basquete do clube, no momento do acidente, por volta das 9h30. A menina não sabia nadar.


Testemunhas contaram que a menor, inicialmente, estava na piscina pequena do clube e depois passou para a piscina de adultos, onde estavam os outros adolescentes. 'Estava todo mundo junto, quando vimos ela já estava se afogando. Foi tudo muito rápido', contou o estudante Márcio Chagas Barros, de 14 anos. Ele é o atleta com quem a menina e a irmã entraram no clube.


Ainda segundo o adolescente, os colegas retiraram Samara da piscina e chamaram uma enfermeira do clube, que tentou reanimar a menina. Uma viatura do resgate do Corpo de Bombeiros passava pelo local na mesma hora e foi acionada. Os bombeiros também tentaram reanimar Samara, que já estava morta.


A família da menina foi avisada por telefone e a mãe e uma tia se deslocaram do bairro do Jurunas, onde moram, até a sede do Remo. Desesperada, a mãe de Samara, a dona de casa Ruth do Socorro Santos de Souza, chorava abraçada ao corpo da garota.


A tia, Rosa Helena Santos, contou que Samara mentiu para família antes de ir tomar banho de piscina no Remo. 'Ela acordou cedo e disse que ia fazer um trabalho da escola, a gente acreditou e deixou ela ir. Nunca passou pela nossa cabeça que ela viria para cá e nem que tinha levado roupa de banho', contou.


No colégio Tiradentes, Samara e a irmã Suzane, encontraram Márcio Barros e mais dois amigos. De lá eles seguiram para a sede do Remo. A tia não soube informar se Samara já tinha mentido outras vezes para ir tomar banho de piscina no clube. 'Se ela mentiu antes, não sabemos, mas infelizmente isso aconteceu hoje', afirmou.


Mãe e tia disseram não ser sócias do clube e se indagavam como as meninas tinham entrado no local. 'Nunca viemos aqui, não somos sócias desse lugar', afirmaram. 'Só sabemos que um porteiro deixou eles [o grupo de adolescentes] entrarem, porque elas estavam junto com um atleta daqui', complementaram. O porteiro do clube, que pediu para não ser identificado, confirmou só ter deixado a menina entrar porque ela estava com Márcio Barros.No momento do acidente não havia salva-vidas monitorando a piscina do Remo. Também não havia nenhum responsável pela sede quando o afogamento aconteceu. Um conselheiro do clube informou que neste sábado as piscinas só abririam ao meio-dia. 'Infelizmente foi uma fatalidade isto que aconteceu', afirmou.


Ainda segundo outros sócios que estavam no local, os adolescentes teriam pulado o alambrado - que estava fechado - para chegar até a piscina.


Polícia - Uma viatura da 2ª ZPol esteve no local para procedimentos e encaminhou a mãe da menor para a Seccional de São Brás.


Lá, ela registrou queixa do afogamento e o caso está sob responsabilidade da delegada Maria Lúcia Costa. Segundo policiais de plantão na delegacia, o porteiro da sede social, além de testemunhas e responsáveis pelo clube serão chamados para prestar depoimento.


A polícia solicitou a remoção do corpo ao Instituto Médico Legal, do Centro de Perícias Científicas Renato Chaves. O cadáver deu entrada no centro por volta das 13h50.

O corpo de Samara Carolina foi liberado para sepultamento no final da tarde deste sábado.

Redação On Line do Portal ORM.

Num País sério, ou se a vítima fosse filha de um sócio-remido, ou parlamentar, empresário, entre outros abençoadas pela “graça divina do dinheiro e do poder” a polícia lavraria um Flagante na hora em quem quer que estivesse responsável pelo clube e no mínimo encerraria a festa de confraternização que transcorreu normalmente, mesmo depois do trágico desfecho naquele local.

Cabe apuração séria sobre os responsáveis e repensarmos sobre nosso espaços de lazer, sonegados pelos gestores aos moradores de áreas periféricas, assim como a DESPROTEÇÃO SOCIAL de nossas crianças e adolescente, pobres pra variar!