Pesquisar por palavra-chave

sexta-feira, abril 04, 2008

Desumano


Criminosos de uma fazenda marcaram à ferro quente um garoto de apenas 09 anos numa fazenda do município de Aurilândia (150 km de Goiânia).

Belém das Águas


No Blog do Espaço Aberto a triste cena de uma cidade governada por um falso Médico.

Direto ao Ponto

Dú blog do Barata Sob o título “Rapidez”, uma nota na edição desta sexta-feira, 4, do “Repórter Diário”, a mais prestigiada coluna do “Diário do Pará”, é ilustrativa da predisposição de nossas elites em driblar a Justiça. Trata-se de algo preocupante, porque sem que o poder público cumpra a lei, será difícil convencer o cidadão comum a fazê-lo,A nota relata o ardil com o qual coonestou o atual presidente do TCE (Tribunal de Contas do Estado do Pará), Fernando Coutinho Jorge, para configurar como fato consumado a nomeação e posse de Antônio Erlindo Braga como conselheiro do órgão, do qual é auditor.

Viva Dorothy Stang !


Em reconhecimento por sua luta, foi finalmente sancionada pela a ALEPA, a lei que nomeia como Dorothy Stang a Escola Estadual de Jacundá, homenagem à companheira que tanto lutou pelos pedaços de terra e a dignidade ao povo paraense.

Vítima de um crime cruel e covarde, a missionária católica peitou os corruptos madereiros e fazendeiros da região da Transamazônica e tombou no dia 12/02/2005, vítima dos disparos da arma de um matador de aluguel, comum na região, marcada por conflitos entre trabalhadores pobres e latifundiários.

Norte-americana de nascimento, mas Brasileira de Verdade, a religiosa atuava firmemente na Comissão Pastoral da Terra (CPT) e sua participação em projetos de desenvolvimento sustentável ultrapassou as fronteiras da pequena Vila de Sucupira, no município de Anapu, no Estado do Pará, a 500 quilômetros de Belém, ganhando reconhecimento nacional e internacional.

Em 1966 iniciou seu ministério no Brasil, na cidade de Coroatá, no Estado do Maranhão.

Irmã Dorothy estava presente na Amazônia desde a década de setenta junto aos trabalhadores rurais da Região do Xingu. Sua atividade pastoral e missionária buscava a geração de emprego e renda com projetos de reflorestamento em áreas degradadas, junto aos trabalhadores rurais da Transamazônia. Seu trabalho focava-se também na minimização dos conflitos fundiários na região.

Dentre suas inúmeras iniciativas em favor dos mais empobrecidos, Irmã Dorothy ajudou a fundar a primeira escola de formação de professores na rodovia Transamazônica, que corta ao meio a pequena Anapu. Era a Escola Brasil Grande.

Irmã Dorothy recebeu diversas ameaças de morte, sem deixar intimidar-se. Pouco antes de ser assassinada declarou: «Não vou fugir e nem abandonar a luta desses agricultores que estão desprotegidos no meio da floresta. Eles têm o sagrado direito a uma vida melhor numa terra onde possam viver e produzir com dignidade sem devastar.

Ainda em 2004 recebeu premiação da Ordem dos Advogados do Brasil (secção Pará) pela sua luta em defesa dos direitos humanos.

Para mais informações, Clique aqui

Crescer Sem Destruir


Hoje, amanhã e Domingo a III Conferência Estadual de Meio Ambiente promete pegar fogo. Representantes dos Movimentos Sociais, ONG´s, Sindicatos, prefeituras e demais orgãos estaduais e federais, debaterão temas polémicos durante os três dias do evento.

A questão madereira, o agro-negócio e o desenvolvimento sustentável prometem discussos dos mais variados prismas.

Desenvolve sem destruir,

Distribuir,

Preservar,

Socializar,

Deveríam ser palavras de ordens, não acham?

O Tempo Não Pára, Ainda Bem!

...A tua piscina tá cheia de ratos, tuas idéias não correspondem aos fatos, o tempo não pára, não pára não , não pára... Ouça aqui o poeta e músico Cazuza.