Pesquisar por palavra-chave

quarta-feira, dezembro 31, 2008

MR-8 agora é o PPL - Partido Pátria Livre

CARTA AO POVO BRASILEIRO O Brasil vive um momento decisivo da sua história. [...]Os monopólios são o fruto podre e envenenado do modo de produção capitalista. Brotaram da impotência do mercado frente ao processo de concentração e centralização do capital e se voltam contra ele para livrar-se das amarras da concorrência e impor sua tirania. Por isso já se disse, com muita propriedade, que seu surgimento anuncia o esgotamento do sistema. [...]Os mais de 40 anos de experiência do Movimento Revolucionário 8 de Outubro nas lutas políticas e sociais do nosso povo nos dão a convicção de que para fazer frente a esse momento é imprescindível o registro de um novo partido político no Brasil. Esse partido deve se guiar por cinco pressupostos básicos: 1º. Que na atual etapa do nosso desenvolvimento histórico a principal questão da luta mais ampla e fundamental pelo avanço da democracia está na superação das relações de produção dependentes, ou seja, na conquista da plena independência nacional. 2º. Que esta luta corresponde às necessidades e interesses de todos os setores da sociedade brasileira, à exceção dos monopólios, e implica na constituição de uma frente de forças políticas e sociais que abrace e transforme cada vez mais em realidade viva o projeto nacional-desenvolvimentista. 3º. Que politicamente esta frente está hoje constituída pelos partidos que integram a base do governo, com destaque para o PT e o PMDB, que são os maiores e mais influentes. A principal expressão e o principal líder dessa aliança é o presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Fora dela o que existe é o retrocesso. Por isso, utilizar reais ou supostas limitações da frente para combatê-la, ao invés de lutar para impulsioná-la, só tem levado setores que se pretendem à esquerda ao vexatório papel de linha auxiliar das viúvas do neoliberalismo encasteladas no PSDB e no Dem. 4º. Que o ritmo de desenvolvimento de todo esse processo de lutas é ditado pelo grau de consciência e organização de seus maiores interessados, os trabalhadores. Portanto, a atuação do partido no movimento sindical e nos movimentos sociais é fundamental e decisiva. 5º. Que no horizonte da luta pela ampliação da democracia está a construção de uma sociedade socialista, onde o mercado, ao invés de devastado pelos monopólios, seja superado pelo planejamento consciente do conjunto das atividades econômicas, à medida que os meios de produção se convertam em propriedade pública, através de um Estado que incorpore crescentemente às suas atividades as amplas massas da população, até esgotar seu papel e extinguir-se. Da letra do Hino da Independência vem o nome deste novo partido que convocamos a brava gente brasileira a construir conosco: Partido Pátria Livre. Porque é exatamente disso que se trata: concentrar todas as energias para completar a grande obra da independência nacional. Esta obra ainda não foi concluída. Várias gerações de brasileiros ao longo da história deram o melhor de si para desenvolvê-la e obtiveram êxitos notáveis. A maior parte dessa construção, que começou com Tiradentes, passou por Getúlio e chegou a Lula, já foi realizada. Mas a que falta deixa o país e o povo vulneráveis à espoliação externa que tolhe o nosso desenvolvimento econômico, político, social e cultural. Concluí-la aceleradamente será o principal objetivo do Pátria Livre. O primeiro passo dessa caminhada é recolher as 500 mil assinaturas, até o mês de junho de 2009, para que o PPL possa apresentar seus candidatos às eleições de 2010. Aos companheiros do PMDB, com os quais tivemos a honra de conviver por mais de 30 anos no interior da mesma estrutura partidária, repartindo o pão, as glórias e eventuais desventuras, o nosso sincero e comovido reconhecimento. Seguiremos juntos na grande frente nacional que se aglutina em torno do presidente Lula, pela qual tanto nos batemos e que, ainda mais do que antes, continuará a contar com a nossa plena dedicação. São Paulo, 7 de dezembro de 2008. Comitê Central do Movimento Revolucionário 8 de Outubro

Pelo ano que vem e pelo que vai

"Quem teve a idéia de cortar o tempo em fatias, a que se deu o nome de ano, foi um indivíduo genial. Industrializou a esperança fazendo-a funcionar no limite da exaustão. Doze meses dão para qualquer ser humano se cansar e entregar os pontos. Aí entra o milagre da renovação e tudo começa outra vez com outro número e outra vontade de acreditar que daqui para adiante vai ser diferente... Para vocês, Desejo o sonho realizado. O amor esperado. A esperança renovada. Para vocês, Desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir. Todas as músicas que puder emocionar. Para você neste novo ano, Desejo que os amigos sejam mais cúmplices, Que sua família esteja mais unida, Que sua vida seja mais bem vivida. Gostaria de lhe desejar tantas coisas. Mas nada seria suficiente... Então, desejo apenas que você tenha muitos desejos. Desejos grandes e que eles possam lhe mover a cada minuto, ao rumo da sua felicidade!" (Carlos Drummond de Andrade)

Retrospectiva 2008 I

Belém está próxima de um ano novo repleto de agito.
Agito na Política. Duciomar reeleito, terá que enfrentar uma oposição que se prepara para ser menos pateta, afinal o falso médico assumiu, detonou os carros que seriam para amenizar a SESMA e desviou para a guarda municipal, deixou morrer inúmeros cidadãos nos postos de saúde, desviou os maquinários da Macrodrenagem para empresas privadas de "colaboradores" e por fim, extinguiu com uma só canetada todos os programa socias oriundos da gestão petista, quando à frente da prefeitura.
Ana Júlia, numa indecifrável relação com o PMDB de Jáder Barbalho vê-se agora que precisa suar muito a camisa para arregimentar forças e manter-se por até 2014 no palácio. Depois de um ano cheio de contradições o governo guarda  a sete chaves os resultados das pesquisas quali que realiza para analisar onde estão os pontos forte e fracos da gestão.
Um deles, a segurança, com certeza mesmo com o investimento pesado realizado com equipamentos e contratação via concursos de mais de 1200 PM´s, ainda é a área que mais recebe críticas da sociedade como um todo.
Na educação, depois da greve, dos spray´s de pimenta, cacetes e bombas de efeito moral, a UEPA foi a maior contradição do governo Ana Júlia.
Arrastando-se para quase um ano, o final da gestão Palácio e o início da gestão biônica que perdura até hoje, carrega um farto arsenal que fere a história petista e mancha por vez a de muitos que estiveram e estão até hoje envovidos com o não-desfecho.
Sem reitor eleito passado mais de um ano da última eleição, a UEPA teve nesse interim, a nomeação de uma pro tempore (biônica) indicada para tampar o buraco criado por uma indefinição da casa civil sobre a nomeação do reitor eleito, Silvio Gusmão por contestação de quem queria que o segundo mais votado, Bira Rodrigues viesse a consumar a utopica de ter um reitor.

Solidariedade Humana??

Maria da Carmo perde o Mandato

A prefeita reeleita de Santarém, Maria do Carmo (PT), mantinha até a manhã desde último dia do ano, as esperanças de que os efeitos que a tornaram inelegível viessem cair por terra.
Walmir Brelaz, advogado da prefeita, trabalhava incassavelmente no caso em Brasília, junto com outros advogados e esperavam ainda hoje, trazer boas novas às terras Mocorongas, o que não foi possível, informa uma fonte próxima da angústia Santarena.
Nem Maria, nem Carlos Martins e Everaldinho, ambos médicos e irmãos da prefeita, estão aptos à disputarem a sucessão da ex-prefeita devivo ao prazo de descompatibilização imposto pela justiça eleitoral.
O PMDB inicia o ano com um sorrisso explicável e nem tem como disfarçar.
O PT por sua vez, busca em suas fileiras um candidato que ao lado de Maria justifique a vontade popular, consagrada nas urnas e negada no tapetão.
Sorte e sucesso para o povo de Santarém.
Aqui, o Espaço aberto explica mais e melhor o casao.

Israel e o novo Holocausto

O relator especial das Nações Unidas para os Direitos Humanos nos Territórios Palestinos, Richard Faulk, afirmou à BBC nesta terça-feira estar chocado pelo fato de a comunidade internacional não estar fazendo mais para pressionar Israel a interromper seus ataques à Faixa de Gaza. Os ataques, que entraram nesta terça-feira em seu quarto dia consecutivo, já deixaram mais de 360 palestinos mortos. Desde sábado, quatro israelenses morreram em conseqüência de ataques palestinos. Israel alega estar tentando interromper os ataques com foguetes contra seu território, reiniciados após o fim da trégua unilateral de seis meses estabelecida pelo grupo Hamas, que controla o governo palestino. Atrocidades
"Israel está cometendo uma série chocante de atrocidades usando armamentos modernos contra uma população indefesa, atacando uma população que já vem enfrentando um bloqueio severo por muitos meses e ignorando a possibilidade do restabelecimento de um cessar-fogo que a liderança do Hamas havia proposto", afirmou Faulk. "Estou chocado pela incapacidade da comunidade internacional em tomar ações mais decisivas em resposta ao que está ocorrendo", disse. Para Faulk, Israel já estava violando a lei internacional antes dos ataques, por conta de seu bloqueio à Faixa de Gaza. "O próprio bloqueio viola as duas obrigações mais fundamentais de um poder de ocupação. Primeiro, de não punir coletivamente a população civil, e, segundo, de garantir que a população do território ocupado tenha suprimentos de alimentos e medicamentos suficientes", afirmou. "Agressão incondicional"
Para ele os bombardeios israelenses são "um ato de agressão incondicional contra uma população indefesa pela qual Israel tem responsabilidades especiais de acordo com as Convenções de Genebra e em relação às normas da ONU". Israel acusa Faulk de não ser imparcial em relação ao conflito na região, mas o relator da ONU alega que "seria errado igualar as agressões israelense e palestina". Em Nova York, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-Moon, pediu aos líderes mundiais que trabalhem para interromper a violência "inaceitável". Ban se disse "altamente alarmado" pela atual escalada de violência em Gaza e na região. "Isso é inaceitável. Tanto Israel quanto o Hamas precisam interromper seus atos de violência. Um cessar-fogo deve ser declarado imediatamente."
O portal G1, de forma tendênciosa, como não poderia deixar de ser, mas com recursos invodores, demostra aqui um pouco do que acontece lá, no oriente médio.