Pesquisar por palavra-chave

domingo, fevereiro 17, 2019

Remo e Paysandu têm patrocínio da VeganNation, empresa de produtos veganos

Mascotes do Paysandu e do Remo pousam para foto depois da assinatura de contrato de Patrocínio com a VegaNation. Foto: Fernando Torres.

Via VegaNation

Agora é real: a empresa VeganNation é patrocinadora oficial do Clube do Remo e do  Paysandu. A assinatura dos contratos ocorreu há pouco no hall de acesso à Tribuna de Imprensa no Estádio Mangueirão.  

A VeganNation também garantiu patrocínio a dois clubes do futebol amazonense,  o Iranduba, no futebol feminino, e o Nacional.   

A assinatura dos contratos reuniu o diretor executivo da VeganNation, Isaac Thomas, e os presidentes do Clube do Remo,  Fábio Bentes; do Paysandu, Ricardo Gluck Paul, representado pela vice-presidente Ieda Almeida; o presidente do Iranduba, Amarildo Dutra, e do Nacional, Nazareno Melo.  

A diretoria do Remo e Paysandu assinaram contrato de patrocínio com a VegaNation. Foto: Fernando Torres.

"Queremos aproveitar a força do futebol para melhorar o mundo a partir da integração da comunidades", afirmou o diretor executivo e fundador da VeganNation, Isaac Thomas. Argumentou que "a cada hora estamos destruindo 4 mil campos de futebol no valor de floresta  tropical".

O presidente do Clube do Remo, Fábio Bentes,  comemorou o patrocínio válido por 12 meses.   

"Estamos em um momento novo de reestruturação do clube e este suporte da VeganNation  é um bom suporte", afirmou.    
A vice-presidente do Paysandu,  Ieda Almeida, resaltou: "Essa parceria com a VeganNation vem ao encontro do que a Diretoria de Responsabilidade Social do Paysandu vem fazendo  com relação à uma vida mais saudável das pessoas  e à preocupação com o meio ambiente", destacou.  

Conquista  

Para o presidente do Nacional, Nazareno Melo,  "é salutar a iniciativa desse patrocinador de agregar  o futebol com a preservação da Amazônia, a alimentação saudável e a integração das comunidades",  destacou.  "A dificuldade para se colocar um time de futebol em campo, em um certame, é grande; então, o patrocínio da VeganNation chega, sim, em boa hora", completou.   O futebol feminino do Norte do País também comemora o patrocínio.  "Essa é uma conquista não só do Iranduba, mas da modalidade do futebol feminino do Brasil. 

O fato de uma empresa de porte internacional apoiar um clube dessa modalidade da Regiao Norte , com oito anos de atividades, é muito significativo", declarou o presidente do Iranduba, Amarildo Dutra.  

A VeganNation atua na propagação da cultura veganation - um estilo de vida que valoriza a alimentação saudável e sem maus tratos aos animais e, de forma abrangente, a integração de comunidades no mundo e na preservação do meio ambiente.    Isaac Thomas também assinou um contrato de patrocínio de preservação ambiental na Amazônia, reforçando as ações que o empresário David Benzecry desenvolve na região há 20 anos.   


Senador petista tenta agredir simpatizante do PT no carnaval de Belém

Simpatizante do PT foi mostrar fantasia com sátira ao senador Paulo Rocha (PT-PA), que não entendeu a brincadeira e partiu pra cima da mesma. 

Circula pelas redes sociais a denúncia de que o senador Paulo Rocha (PT-PA) protagoniza mais uma confusão com militantes e simpatizantes do PT. Dessa vez foi durante o desfile do bloco "Petralhas", que saiu de frente à sede do partido, em direção à Cidade Velha, onde juntou-se aos demais brincantes do carnaval de rua, em Belém do Pará. 

Até agora, nenhuma entidade feminista emitiu Nota de Repúdio ao ato do parlamentar. 

Não foi a primeira vez que o senador Paulo Rocha se envolve em confusão com petistas e simpatizantes. Em Agosto de 2017, o senador partiu pra cima de militantes do PT e gritou com eles. Em Setembro do mesmo ano, deu tapas em um idoso, fundador do PT.  

Dessa vez, em pleno carnaval, Paulo Rocha cria outro fato lamentável para sua história política.


Leia o post de Edgar Chagas.

Sobre o acontecido de ontem: 

Chegamos à Praça do Carmo por voltas das 19hs e fomos ao bar do Salomão onde ficamos lá por uma hora mais ou menos.

Em seguida o pessoal resolveu atravessar a praça para o outro barzinho da esquina onde estava o carro do “Quase Lindo” (vendedor de cerveja) e grande amigo nosso. Todos saíram e fomos atrás, eu e Maíra.

Quando chegamos do outro lado da praça vimos o Paulo Rocha com mais duas pessoas, Maíra resolveu ir cumprimentá-lo e mostrar a fantasia pra ele, que tratava de uma sátira à ideia de que o PT destruiu o Brasil, vestida de Bárbie com uma placa na mão que dizia: “O PT acabou com a minha vida”!. A fantasia foi uma das mais fotografadas dentro do bloco os “Petralhas” o qual acompanhávamos, desde o seu início na Gaspar Viana. 

O senador, visivelmente bêbado, partiu pra cima da Maíra a chamando de “elite exploradora” e teve que ser contido pelas pessoas que estavam próximas.

Obviamente que, a esta altura, eu já estava sendo segurado por amigos que viram a confusão e correram pra acalmar os ânimos. Ninguém vê uma cena desta e fica incólume! 

Nada justifica a atitude agressiva incontrolada de alguém que não tinha a menor capacidade nem de estar ali, já que, ao se sentir contrariado, se mostrou um valentão como é comum àqueles que bebem e se sentem super-homens. Mesmo que fosse uma mulher defensora deste governo de estúpidos recentemente eleito, nada justificaria uma tentativa de agressão a uma mulher. Repudiamos com toda veemência qualquer forma de violência, e pelo acontecido, o senador demonstrou que se assemelha muito aos que critica. 

Estamos ainda bastante consternados com a situação ocorrida, principalmente por se tratar de alguém que sempre acreditamos e trabalhamos, mesmo sem pertencer ao partido, ou termos cargos comissionados.

Na verdade o conhecemos meio que de longe por acompanhar sua história e sua atuação política que, nos últimos anos, infelizmente, tem sido marcada por controvérsias como o apoio à oligarcas saqueadores históricos como os Barbalhos, sem falar nas votações em favor de conchavos dos grandes partidos no Congresso Nacional. 

A estupidez tem que ficar apenas com quem a tem e, neste episódio, fica claro que o machismo não tem ideologia, nem partido, é uma praga cultural de um país que nunca deixou de ser patriarcal. 

Todo (sic) minha solidariedade à Maíra e meu completo desprezo à este estúpido senador.